Painel internacional

Kan assume Finanças do Japão com a missão de implantar pacote

O primeiro-ministro japonês Yukio Hatoyama nomeou Naoto Kan, o vice primeiro-ministro, como seu novo Ministro das Finanças, substituindo Hirohisa Fujii, que renunciou devido a preocupações com a saúde. Kan permanecerá vice-premiê, disse hoje Hatoyama em Tóquio. Fujii é o primeiro membro do gabinete que sai após o Partido Democrata do Japão ganhar força em setembro ao derrubar o Partido Liberal Democrático, que dominou o cenário político do país durante meio século. Kan se encarregará de conseguir a aprovação parlamentar para o orçamento recorde de 92,3 trilhões de ienes (US$ 1 trilhão), que visa conter a estagnação econômica sem inchar a maior dívida pública do mundo. Kan “estava envolvido no processo orçamentário e, dadas as suas credenciais políticas, era a escolha mais provável”, disse Koichi Nakano, professor de ciência política da Universidade Sophia, em Tóquio. Kan, 63, é um antigo ministro da saúde. No ano passado, pressionou o Banco do Japão a fazer mais para combater a deflação e expressou preocupação de que um iene em valorização poderia impedir a recuperação liderada pela exportação. Em 17 de dezembro, disse que uma moeda japonesa mais fraca era “favorável” e que estava feliz que ela tinha recuado do maior pico em 14 anos, obtido no mês anterior.

Clique aqui

E mais:

Especialista chinês defende valorização do yuan sobre o dólar

Acordo comercial Peru-China começa na próxima semana

Setor imobiliário puxa recuperação dos EUA para baixo

Grécia descarta ajuda da União Europeia para estimular sua economia


Especialista chinês defende valorização do yuan sobre o dólar

A China deveria aumentar a taxa de câmbio do yuan em 10% em uma única reavaliação, disse, na quarta-feira, um pesquisador da Academia Chinesa de Ciências Sociais (CASS, na sigla em inglês), a principal instituição de pesquisa do governo. Zhang Bin, o economista da CASS, tinha discutido essa idéia antes e, apesar de não representar de forma alguma uma posição oficial, pelo menos mostra que alguns pesquisadores do governo estão debatendo se e como a China deveria deixar o yuan subir novamente depois de ser efetivamente atrelado ao dólar desde meados de 2008. Zhang tem sido consistente, pelo menos até o mês passado, argumentando que a China deve revalorizar o yuan em 10% contra o dólar e permitir um movimento anual de três por cento, em ambos os sentidos, no câmbio yuan-dólar. “Agora é o momento certo. Quanto mais cedo, melhor”, disse à Reuters, acrescentando que esta foi apenas sua opinião pessoal.

Clique aqui


Acordo comercial Peru-China começa na próxima semana

Breaking News, World News and Taiwan News.

O acordo de livre comércio do Peru com a China entrará em vigor em 15 de janeiro, duas semanas antes do previsto, disse o ministro do Comércio Martín Pérez na segunda-feira. O pacto foi assinado em abril e ratificado no mês passado. “Em princípio, calculamos que o acordo de comércio entraria em vigor em 1 de fevereiro. No entanto, o processo foi concluído e (o acordo) vai começar muito mais cedo do que o previsto “, disse Perez, citado pela agência de notícias Andina.

Clique aqui


Setor imobiliário puxa recuperação dos EUA para baixo

washingtonpost.com

A recuperação na indústria transformadora apresentou sinais adicionais promissores para a economia no ano que chega, de acordo com dados do governo divulgados na terça-feira, enquanto os de habitação, outro ponto chave para a nascente recuperação do país, ofereceu novos motivos para preocupação. Os pedidos às fábricas norte-americanas aumentaram em novembro mais do que os analistas tinham esperado, a última prova de que a recuperação manufatureira está acelerando. O setor industrial tem aumentado a produção desde julho com a demanda por todos os tipos de bens reavivada, e as empresas tiveram de pôr em marcha acelerada as linhas de montagem para substituir os estoques esgotados. Mas as vendas pendentes de residências despencaram em novembro, sugerindo que o setor de habitação poderia se enfraquecer como o impacto das políticas governamentais de apoio à uma indústria debilitada. Embora os dados de habitação sejam notoriamente voláteis, os novos informes levantam a possibilidade de que o setor – onde a desaceleração econômica dos últimos dois anos começou – poderia cair ainda mais.

Clique aqui

Grécia descarta ajuda da União Europeia para estimular sua economia

A Grécia rejeitou as especulações de que vá precisar de ajuda para combater o maior déficit orçamentário da União Europeia, enquanto autoridades voavam de Bruxelas para examinar os planos de impostos e despesas. “Nós não esperamos ser resgatados por alguém enquanto que, penso eu, é perfeitamente claro que estamos fazendo o que é preciso ser feito para reduzir o déficit e controlar a dívida pública”, disse o ministro das Finanças, George Papaconstantinou, em uma entrevista à Bloomberg Television hoje. Papaconstantinou está tentando escorar a confiança nos planos fiscais da Grécia depois que o inchaço do déficit orçamentário no mês passado desencadeou uma onda de vendas de títulos do país. O membro da Comissão Executiva do Banco Central Europeu, Juergen Stark, assustou alguns investidores sobre a vulnerabilidade da Grécia em relação a uma moratória quando o jornal “Il Sole citou-o como dizendo que o resto da UE não vai salvar o país se a situação fiscal se agravar.

Clique aqui


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora