Painel internacional

Recuperação econômica está distante na Europa Ocidental

washingtonpost.com

Repetidamente, Mohamed Chakiyet tem sido chamado de volta ao escritório de trabalho: outro formulário para preencher, outro burocrata para se reunir, outra oferta de treinamento. Mas nos quatro meses desde que perdeu o emprego, Chakiyet ainda precisa encontrar uma empresa disposta a contratá-lo – ou mesmo conceder-lhe uma entrevista de emprego. “Estou esperando”, disse, após a sua última visita, que não foi mais promissora do que aquelas que vieram antes dessa. “Mas está um pouco difícil. Chakiyet, um rapaz magro de 19 anos com diploma de formação profissional, se preparou para alcançar um objetivo modesto: um trabalho dirigindo um caminhão de entregas em torno de uma cidade de porte médio 75 milhas a noroeste de Marselha. Por enquanto, porém, ele se tornou um exemplo do desemprego corrosivo da Europa Ocidental que, segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) subiu para uma média de quase 10% como resultado da crise econômica mundial e que provavelmente vai piorar antes de melhorar.

Clique aqui

E mais:

Banco Central da China aperta a liquidez do mercado

Produção industrial da Índia avança

Reino Unido está perto do fim da recessão

Empresas dos EUA vão sofrer com desvalorização venezuelana


Banco Central da China aperta a liquidez do mercado

New York Times

O banco central da China sinalizou em suas operações de mercado aberto, na terça-feira, que estava apertando a liquidez de curto prazo em um ritmo mais rápido do que o esperado, em resposta às preocupações crescentes sobre o superaquecimento da economia. O Banco Popular da China elevou o rendimento de seus 20 bilhões de renminbi (yuans), ou US$ 2,9 bilhões, em títulos de um ano em cerca de 8 pontos-base, para 1,8434%, depois de mantê-lo estável nos últimos 20 leilões, comparado com uma previsão média entre os operadores de que iria subir apenas 4 pontos base. O banco também drenou um (montante) recorde de 200 bilhões de renminbi, por meio de acordos de recompra de títulos de 28 dias, assegurando que vai drenar fundos líquidos dos mercados esta semana. Os passos que virão depois dos relatos de que os empréstimos bancários subiram na primeira semana do ano para 600 bilhões de renminbi, somado às preocupações alimentadas pelos impressionantes dados de comércio de dezembro de que a terceira maior economia do mundo está superaquecendo.

Clique aqui

Produção industrial da Índia avança

A produção industrial da Índia cresceu no ritmo mais rápido em 25 meses em novembro, reforçando o cenário de o banco central elevar as taxas de juros no primeiro semestre deste ano. A produção nas fábricas, serviços públicos e minas aumentaram 11,7% em relação ao ano anterior, após aumentar 10,3% em outubro, disse hoje uma agência de estatísticas em Nova Déli. O ganho excedeu a estimativa de mediana de 10% do levantamento estimado de 25 economistas da Bloomberg News. A aceleração da economia da Índia, terceira maior da Ásia, encontra paralelo na recuperação da China, que também pode levar os responsáveis políticos a aumentar os custos dos empréstimos nos próximos meses.

Clique aqui

Reino Unido está perto do fim da recessão

BBC NEWS

A economia do Reino Unido está à beira “de deixar a recessão”, segundo a Câmara Britânica de Comércio (BCC, na sigla em inglês). Em sua pesquisa econômica para o quarto trimestre de 2009, a BCC diz que tem havido melhorias em muitas áreas, mais notavelmente na fabricação. Mas advertiu que, apesar do fortalecimento das exportações no setor de serviços, eles ainda estão lutando (para se recuperar). Separadamente, o British Retail Consortium disse que as lojas tinham visto o seu melhor crescimento em dezembro dos últimos oito anos.

As vendas comparadas subiram 4,2% em valor no mês passado, graças a uma onda de compras nos últimos minutos por compradores e aumento da confiança dos consumidores, disse o grupo de varejo.

Clique aqui

Empresas dos EUA vão sofrer com desvalorização venezuelana

The Wall Street Journal

Gigantes norte-americanas do consumo, como Colgate-Palmolive e Avon, foram forçados a vender mais pastas de dente e batons na América Latina. Agora, com a Venezuela reduzindo o valor da sua moeda, espera-se que desses lucros levem um golpe. O presidente venezuelano, Hugo Chávez, desvalorizou o bolivar na semana passada para de 2,15 dólares para 4,3 dólares, um movimento programado para atingir as empresas internacionais que impulsionaram os negócios na América Latina para compensar o crescimento mais lento na Europa e Estados Unidos. A tradução dos ganhos em moeda venezuelana para a norte-americana agora vai levar menos dólares a estas empresas.

Clique aqui

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome