Painel internacional

Bancos especulam com a moratória da Grécia

New York Times

As apostas de alguns dos mesmos bancos que ajudaram a Grécia a afundar na montagem da sua dívida podem estar empurrando a nação para a beira da ruína financeira. Ecoando o tipo de negócio que quase derrubou a American International Group (AIG), o crescimento de um popular seguro contra o risco de calote grego está tornando mais difícil para Atenas levantar o dinheiro que precisa para pagar suas contas, de acordo com os negociadores e gestores de recursos. Estes contratos, conhecidos como Troca de Crédito por Inadimplência (CDS, na sigla em inglês), permitem efetivamente que os bancos e fundos de hedge apostem no equivalente financeiro a um alarme de incêndio: o calote de uma empresa ou, no caso da Grécia, de um país inteiro. Se a Grécia renegar sua dívida, os operadores que possuem esses swaps obtêm lucro. “É como comprar o seguro de incêndio da casa do seu vizinho – você cria um incentivo para pôr fogo nela“, disse Philip Gisdakis, chefe de estratégia de crédito do UniCredit, em Munique. Com a situação financeira da Grécia se agravando – e minando o euro –, o papel do Goldman Sachs e outros grandes bancos em mascarar a verdadeira dimensão dos problemas do país atraíram as críticas dos líderes europeus. Mas, mesmo antes que a questão se tornasse aparente, uma empresa pouco conhecida apoiado pelo Goldman Sachs, JP Morgan Chase e cerca de uma dúzia de outros bancos criou um índice que possibilitava aos operadores de mercado apostar se a Grécia e outras nações européias iriam à falência.

Clique aqui

E mais:

Euro está em dificuldade pela primeira vez, diz Merkel

O perigo da dívida japonesa

Banco Central do Brasil eleva compulsório

Fidel Castro tem encontro ‘emocionante’ com Lula


Euro está em dificuldade pela primeira vez, diz Merkel

O euro está em uma situação difícil pela primeira vez desde o seu lançamento, mas a moeda de 16 nações vai passar (esse desafio), disse a chanceler alemã Angela Merkel, em entrevista na quinta-feira. O euro, introduzido em 1999, sofreu, nas últimas semanas, com preocupações sobre a capacidade da Grécia, em particular, mas também de países como Espanha e Portugal, em conterem os seus grandes déficits orçamentários. “O euro está agora, pela primeira vez desde a sua introdução, em uma situação difícil, mas vai passar, disse Merkel ao jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung. Ela disse que a moeda foi posta à prova durante a crise financeira, e a União Europeia foi poupada de uma turbulência mais profunda, mas observou que a crise levou a um aumento da dívida pública. “Agora, de certa forma, existe a especulação contra países em que este desenvolvimento está ligado a uma posição inicial desfavorável e problemas estruturais não resolvidos“, disse Merkel, segundo o jornal. “Isso é perigoso”. As tentativas de resolver a questão devem mencionar “a sustentabilidade dos orçamentos dos países relacionados“, acrescentou. Sou da opinião que a verdadeira confiança na construção na zona do euro nos mercados financeiros só terá êxito se na Grécia e em outros países em que o déficit também é muito alto, o problema for tratado em sua raiz”.

Clique aqui


O perigo da dívida japonesa

Os lembretes periódicos da gravidade da situação da dívida do Japão tendem a ser esnobados por parte do governo e do mercado de títulos do governo japonês (TGJ). Segundo o Ministério das Finanças, apenas 5,8% dos TGJ em questão são mantidos fora do Japão, e a maior parte das posições está em fortes e institucionais mãos domésticas dispostas e capazes de absorver os elevados níveis de dívida envolvida. Reembolsos. O nível geral dos juros pagos pelo governo sobre sua dívida se manteve mais ou menos constante em 1,4% nos últimos cinco anos – um quarto do nível prevalecente no momento em que a bolha econômica do Japão entrou em colapso em 1991, apesar da quadruplicação do montante nominal da dívida pública desde então.

Clique aqui


Banco Central do Brasil eleva compulsório

Os bancos brasileiros terão de depositar um adicional de R$ 71 bilhões (US$ 39 bilhões) no Banco Central, após as autoridades desenrolarem medidas anti-crise. A ação pode aumentar os custos dos empréstimos para empresas e consumidores. O dinheiro que os emprestadores devem manter em reserva no Banco Central aumentará para quase o mesmo nível de antes da crise de crédito global empurrasse o Brasil para a recessão no último trimestre de 2008. As novas regras passam a valer em 22 de março, comunicou o banco central ontem à tarde. Os bancos terão menos dinheiro em caixa para emprestar após as medidas entrarem em vigor, o que pode retardar a expansão do crédito e aumentar as taxas para os mutuários, disse Roberto Padovani, estrategista sênior do WestLB do Brasil em São Paulo, em entrevista por telefone.

Clique aqui


Fidel Castro tem encontro ‘emocionante’ com Lula

guardian.co.uk home

O ex-líder cubano Fidel Castro hospedou um “emocionante” encontro com o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, ontem, reafirmando a estreita relação entre os países, informou a imprensa cubana. Lula está em sua última viagem oficial à ilha, antes de seu mandato como presidente expirar (no final de 2010). Ele disse a repórteres que Fidel, que governou Cuba por 49 anos antes que os problemas de saúde o obrigar a entregar o poder a seu irmão Raúl, parecia “excepcionalmente bom”. Fotografias mostram os dois amigos de longa data conversando e sorrindo ao se sentar em torno de uma mesa no quintal de uma casa de dois andares. A viagem, que é a terceira de Lula a Cuba em dois anos, destinava-se a sinalizar a importância da ilha ao seu sucessor, que assumirá o poder após as eleições em outubro, disse um diplomata brasileiro. Sob Lula, um ex-líder sindical, o Brasil tem fornecido dinheiro e músculos corporativos para Cuba num momento em que a economia cubana sofreu com a recessão global. A estatal brasileira Petrobras está estudando a possibilidade de prospecção de petróleo fora das costas de Cuba, enquanto que a construtora Odebrecht está conduzindo uma enorme reformulação do porto de Mariel, a oeste de Havana, no principal porto comercial da ilha. A Visita de Lula foi ofuscada pela morte do prisioneiro político cubano Orlando Zapata Tamayo na terça-feira, após uma greve de fome de 85 dias. Durante a visita ao projeto de Mariel ontem, Raúl expressou pesar pela morte de Zapata, na prisão desde 2003 e cumprindo uma sentença de 36 anos, mas culpou as “relações com os Estados Unidos”. Ele disse que Zapata não foi assassinado ou torturado.

Clique aqui


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome