Painel internacional

Euro fraco aprofunda incerteza sobre união monetária europeia

New York Times

Costumava ser fácil resumir a forma como os executivos de empresas europeias viam as taxas de câmbio: dólar forte era bom, euro forte era ruim. A maioria ainda pensa isso, mas enquanto o euro escorrega do pico de mais de US$ 1,50 alcançado em novembro, sendo negociado na terça-feira a US$ 1,37, estão surgindo alguns problemas que complicam o quadro. Sim, o euro mais fraco é bom para os exportadores europeus. Ele torna mais fácil para seus carros, máquinas e cervejas competirem em preços no exterior e faz com que cada venda para os Estados Unidos – e países como a China, cujas moedas estão intimamente ligadas ao dólar seja mais valiosa em euros. O enfraquecimento do euro também é uma boa notícia para a Grécia, Espanha e Portugal, que estão sofrendo com déficits comerciais excessivos e lutando para se tornarem mais competitivos nos mercados mundiais. “Não ouvi falar de alguém que esteja triste com isso”, disse Ralph Wiechers, economista-chefe da Federação Alemã de Engenharia, um grupo da indústria em Frankfurt que representa os fabricantes de ferramentarias e outros bens de capital. Mas também há uma série de efeitos negativos. O custo do petróleo e outras matérias-primas cotadas em dólares aumentam. Os preços ao consumidor poderão ficar sob pressão, porque os bens importados de fora da Europa se tornam mais caros em termos de euros. Mais importante, há uma sensação desconfortável de que o declínio do euro passa uma demonstração da tendência crônica da Europa a ficar aquém dos Estados Unidos no crescimento econômico. O declínio do euro reflete o duro veredicto dos investidores sobre a crise da dívida da Grécia e a incapacidade da união monetária de assegurar que seus membros respeitem os princípios básicos de prudência fiscal.

Clique aqui

E mais:

Banco Mundial eleva previsão de crescimento da China

Os riscos financeiros da Turquia

China pode estar passando pela ‘maior bolha da história’

Fed manterá taxa baixa por “período prolongado”


Banco Mundial eleva previsão de crescimento da China

New  York Times

O Banco Mundial recomendou na quarta-feira as taxas de juro mais elevadas e uma moeda mais forte para a China, enquanto eleva sua previsão de crescimento para o país, cuja rápida expansão econômica tem levado ao aumento das expectativas de inflação e preocupações de que uma bolha no setor imobiliário esteja se formando. Na sua avaliação trimestral da China, que está prestes a superar este ano o Japão como a segunda maior economia do mundo depois dos Estados Unidos, o Banco Mundial elevou sua previsão para 9,5% de crescimento para 2010, ante 8,7% previsto em novembro. O banco também estima que o crescimento vai desacelerar no próximo ano, para 8,7%. Separadamente, os economistas do UBS também atualizaram na quarta-feira sua previsão de crescimento da China em 2010 de 9% para 10%. Um pacote maciço de estímulo e ampla concessão de crédito por parte dos bancos estatais da China ajudaram a economia gigante a evitar uma recessão no ano passado. A China cresceu 8,7% em 2009, menos que em anos anteriores, mas ainda um ganho enorme, principalmente quando comparado com a queda do produto interno bruto, que atingiu a maioria das outras principais economias. As exportações, um dos principais motores do crescimento, também se recuperaram vivamente de sua queda acentuada no início de 2009, permitindo à China ganhar fatias de mercado mundial no ano passado.

Clique aqui


Os riscos financeiros da Turquia

Forbes.com

Os mercados financeiros da Turquia permaneceram estáveis nos últimos dias, apesar da notícia de que não haverá um novo acordo de reserva com o FMI. As expectativas de um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) haviam ajudado a manter a confiança na economia, em face de dificuldades ligadas à crise econômica e financeira global. O fato de que não haverá um acordo tem aumentado os riscos, apesar da visão otimista dos mercados. Melhores perspectivas: a necessidade de um acordo de reserva é percebida como menor, devido ao declínio da crise global e o fim da recessão doméstica. A atividade econômica está se recuperando, pelo menos em comparação com os baixos níveis do final de 2008 e grande parte de 2009, ajudada por agressivos cortes na taxa do Banco Central, alguma melhora na demanda externa e uma restauração da confiança das empresas e dos consumidores. Os primeiros indicadores de atividade econômica em 2010 sugerem que a meta do governo de crescimento de 3,5% do PIB pode ser possível, embora as condições de demanda ainda sejam frágeis.

Clique aqui


China pode estar passando pela ‘maior bolha da história’

A China está no meio da maior bolha da história, disse James Rickards, ex- conselheiro-geral do fundo de hedge Long-Term Capital Management (LTCM). O balanço do banco central chinês se assemelha ao de um fundo de hedge que compra dólares e vende yuans no curto prazo, disse Rickards, agora o diretor sênior de inteligência de mercado em McLean, Virgínia. “A meu ver, é a maior bolha da história com a maior desalocação de riqueza“, disse no Encontro de Alocação de Ativos 2010, organizado pela Asia Pte Terrapinn em Hong Kong ontem. A China “é uma bolha esperando para estourar.” Rickards se junta ao gerente de hedge Jim Chanos, o editor da Gloom, Boom & Editora Doom Marc Faber e professor da Universidade de Harvard Kenneth Rogoff no alerta de um superaquecimento e falha em potencial na economia da China, seguido de uma corrida por ações e bens imobiliários.

Clique aqui


Fed manterá taxa baixa por “período prolongado”

Reuters

O Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) renovou na terça-feira o seu compromisso de manter as taxas de juros próximas de zero por um “período prolongado”, aparentando mais otimismo em relação ao emprego. O aceno do banco central por um mercado de trabalho mais consistente após a pior recessão em décadas dá indícios de que o banco pode estar mais perto de relaxar sua promessa de manter os custos dos empréstimos em níveis muito baixos. No entanto, o banco reintroduziu uma nota de cautela sobre o setor de habitação e repetiu sua opinião que a recuperação da economia será provavelmente moderada por algum tempo. Ele também disse ser provável que a inflação se mantenha baixa, enquanto mantém a taxa interbancária em uma escala de zero a 0,25%. Após a decisão, a maioria dos grandes bancos que negociam (empréstimos) diretamente com o Fed prevê elevação das taxas no final do ano, provavelmente no quarto trimestre. O comitê (de política do Fed)… continua a prever que as condições econômicas, incluindo as baixas taxas de utilização de recursos, tendências de inflação controlada, e as expectativas de inflação estável, provavelmente garantirá níveis excepcionalmente baixos da taxa dos fundos federais por um período prolongado, disse o Fed em comunicado.

Clique aqui


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora