Painel internacional

Confiança no setor privado diminui

BBC NEWS

O impacto da crise financeira aumentou o medo de corrupção entre empresas privadas, afirmou uma pesquisa global. A Transparência Internacional disse que 53% dos 73.000 respondentes de 69 países agora vêem o setor privado como sendo corrupto, mais do que os 45% em 2004. O relatório também descobriu que a maioria das pessoas acredita que as empresas privadas pagam propina para influenciar políticas públicas. No entanto, os inquiridos disseram que os partidos políticos são os órgãos mais corruptos. “Estes resultados mostram um público despertado por uma crise financeira precipitada pela fraca regulamentação e falta de responsabilidade corporativa”, disse Huguette Labelle, presidente da Transparência Internacional, uma entidade anti-corrupção de Berlim.

Clique aqui


Ex-banco da GM sob críticas

CNNmoney

O Ally Bank, o renomeado braço de empréstimos da financeira GMAC, tem se beneficiado da ajuda federal à ex-financeira da montadora General Motors. Agora, o lobby de um grupo de bancos quer fazer o Ally pagar pelo comportamento “arriscado”. Apesar de seu nome conotar amizade (Aliança, na tradução para o português), o Ally Bank – a unidade de serviços financeiros da gigante problemática GMAC – encontrou pelo menos um inimigo poderoso em Washington. A Associação de Banqueiros Americanos (ABA), o principal lobista dos bancos dos Estados Unidos, pediu aos reguladores que os mesmos combatam a prática da Ally de oferecer taxas de juros acima do mercado, para atrair depósitos. Embora os poupadores gostem claramente dessas taxas, a contestação da ABA é de que as práticas de recolhimento de depósitos da Ally são “arriscadas” e “totalmente inadequadas”. Eles apontam para o tamanho do banco, o empobrecido estado dos fundos federais de seguro depósito e os maciços aportes federais na GMAC nos últimos meses.

Clique aqui


Geithner discutiu valorização cambial com a China

O Secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, fez um bom trabalho em lidar cuidadosamente com os líderes chineses durante a visita de dois dias a Pequim, apesar de que as preocupantes tensões permaneceram abaixo da superfície, disseram na terça-feira os peritos norte-americanos em política. “Geithner foi muito bem em termos de definição do tom correto para o debate construtivo”, disse Prasad Eswar, analista sênior da Brookings Institution. Geithner foi “amigável” em suas relações com os chineses, disse Richard Baum, diretor do Centro de Estudos Chineses da UCLA. Como esperado, Geithner definiu um tom conciliatório em suas discussões. Elogiou os esforços da China para compensar a crise econômica mundial. Ao mesmo tempo, não foi tão contido sobre o delicado assunto da taxa de câmbio da China, que ele situou em um contexto muito mais amplo das reformas econômicas. Os EUA querem que a China permita a valorização de sua moeda, mas Pequim tem resistido a este clamor.

Clique aqui


China e Japão se reúnem para discutir crise e cooperação

Breaking News, World News and Taiwan News.

China e Japão vão procurar formas de enfrentar em conjunto o abrandamento econômico global, quando altos funcionários de ambos os países se reunirem em Tóquio no final desta semana, disse na terça-feira o ministro do comércio chinês, Chen Deming.
Uma delegação de Pequim chefiada pelo vice-premiê Wang Qishan, o principal integrante de economia, se reunirá domingo com o lado japonês, liderado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Hirofumi Nakasone. Japão e China, a segunda e terceira maiores economias do mundo, irão debater a cooperação em diversas áreas, incluindo financiamento, conservação da energia, comércio, investimento e proteção ambiental, disse Chen à agência estatal de notícias da China, a Xinhua.

Clique aqui


Bancos querem devolver fundos do TARP

CNNmoney

Frustrados há bastante tempo pelos empréstimos públicos do TARP (Programa de Alívio de Ativos Problemáticos, na tradução para o português), alguns grandes bancos estão prontos para reembolsar os contribuintes na próxima semana. Mas especialistas dizem que o escrutínio regulatório está longe de ter acabado.  Depois de muito tempo, o fim do TARP pode estar próximo para alguns grandes bancos. Na próxima semana, o Federal Reserve (Fed, Banco Central dos EUA) irá revelar quais dos 19 bancos que realizaram o programa de testes de stress do governo terão permissão para restituir o dinheiro obtido no âmbito do controverso Programa de Alívio de Ativos Problemático, do Departamento do Tesouro. Analistas da indústria estimam que no máximo 10 bancos, e no mínimo 4, poderão obter a aprovação para deixar o TARP na próxima semana.

Clique aqui


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora