Painel internacional

A América mais obscura


Paul Krugman
As luzes se apagam por toda a América – literalmente. A cidade de Colorado Springs tem aparecido nas manchetes com sua tentativa desesperada de economizar dinheiro desligando um terço de seus postes, mas coisas semelhantes estão acontecendo ou sendo enfrentadas por toda a nação, da Filadélfia a Fresno. Enquanto isso, o país que uma vez assombrou o mundo com seus investimentos visionários em transporte, do Canal Erie ao sistema rodoviário interestadual, está agora em processo de despavimentação: em alguns estados, os governos locais estão quebrando as estradas que não valem a pena serem mantidas e trocando por cascalho.

E a nação que outrora valorizou a educação – estava entre as primeiras a oferecer educação básica a todos as crianças – agora a está reduzindo. Professores sendo demitidos, programas cancelados; no Havaí, o ano escolar foi drasticamente reduzido. E todos os sinais apontam para ainda mais reduções no futuro.  Nos disseram que não temos escolha, que as funções básicas do governo – serviços essenciais que tem sido fornecidos por gerações – já não são acessíveis. E é verdade que os governos estaduais e locais duramente atingidos pela recessão estão sem dinheiro. Mas não estariam tão desprovidos se os seus políticos se dispusessem a considerar pelo menos alguns aumentos de impostos.

E o governo federal, que pode vender títulos de longo prazo protegidos da inflação à taxa de juros de apenas 1,04%, não está absolutamente sem dinheiro. Ele poderia e deveria oferecer ajuda aos governos locais para proteger o futuro de nossa infra-estrutura e filhos. Mas Washington está provendo apenas um pingo de ajuda, e mesmo assim a contragosto. Temos que priorizar a redução do déficit, dizem os republicanos e os democratas “centristas”. E então, quase no suspiro seguinte, declaram que devemos preservar os cortes de impostos dos muito ricos, a um custo orçamentário de US$ 700 bilhões durante a próxima década.
Clique aqui
E mais:
O Bom e o Mau da China na África – Gady Epstein
Encontro de Chávez e Santos pode redefinir os laços entre Venezuela e Colômbia
A eurocética Suíça conta suas bênçãos
Bancos chineses enfrentam onda de empréstimos ruins

O Bom O Bom e o Mau da China na África

Gady Epstein
Até agora, bem sabemos que a China fez um grande negócio na África em minerais e petróleo. Há sentimentos contraditórios sobre se esta é simplesmente uma nova era de exploração e continuidade de regimes autocráticos corruptos, ou se a África poderia, em geral, se beneficiar desse aumento do investimento chinês. Vários outros observadores da China e eu nos comprometemos com este assunto no podcast Sinica, gravado em Pequim:

O mundo está alvoroçado com uma série de recentes acordos de recursos para infraestrutura em grande escala que a China assinou na África. Embora alguns observadores vejam esses acordos como uma força positiva no desenvolvimento econômico local, outros têm ido além a ponto de chamar essas atividades como parte de um pérfida apropriação neo-imperialista de recursos. Pequim é acusada de perpetuar a corrupção, obstruir o progresso em matéria de direitos humanos e sustentar ditadores como Omar al-Bashir, do Sudão, e Robert Mugabe, do Zimbábue.

Onde está a verdade? Evidentemente, empresas como a Exxon Mobil, Chevron, Shell e, sim, a recente vilã global British Petroleum (BP), todas têm a sua quota de acertos em seu tempo na África – por isso, importa se a China National Petroleum Corp. (o braço listados da PetroChina) aperta o Sudão? Encorajo-vos a ouvir uma discussão animada, que se concentra menos em empresas individuais do que na questão mais ampla de que investimentos podem ajudar ou atrapalhar o desenvolvimento da África.
Clique aqui

Encontro de Chávez e Santos pode redefinir os laços entre Venezuela e Colômbia

O amargo duelo diplomático entre Venezuela e Colômbia, em que alegações de que o presidente venezuelano Hugo Chávez permitiu que rebeldes esquerdistas colombianos se refugiassem em seu país – uma disputa que teve insultos acintosos e conversas sobre uma possível guerra – pode esfriar, agora que o poder mudou na Colômbia. Chávez e novo presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, planejam dar o primeiro passo para restabelecer as relações entre os vizinhos sul-americanos, quando se sentarem juntos na Colômbia, anunciaram os ministros de Relações Exteriores ontem (domingo).

Ambos os líderes disseram desejar relações diplomáticas amigáveis e mutuamente respeitosas, um nítido contraste com as relações amargas entre Chávez e o antecessor de Santos, Álvaro Uribe. A Ministra das Relações Exteriores colombiana, Maria Angela Holguin, disse que a reunião de presidentes tentarão suavizar o conflito que entrou em ebulição no mês passado quando Chávez cortou relações diplomáticas com o governo Uribe.

“Demos este primeiro passo… Com o objetivo de restabelecer as relações entre os dois países”, disse Holguín em aparição conjunta em Bogotá com o chanceler venezuelano Nicolás Maduro. Chávez rompeu relações depois que o governo de Uribe apresentou à Organização dos Estados Americanos (OEA) com o vídeo de um suposto acampamento rebelde colombiano na Venezuela, e exigiu que a administração de Chávez investigue as alegações. Chávez rejeitou a afirmação e acusou Uribe de mentir sobre a alegada presença da guerrilha, denunciando a Colômbia de conspirar para atacar a Venezuela.
Clique aqui

A eurocética Suíça conta suas bênçãos

A Suíça é a única exceção de uma Europa unida – e cada vez maior. Os suíços votaram pelo caminho contrário em 1992, ao não aderir à Área Econômica Europeia (AEE), primeiro passo para entrar na União Europeia (UE). A maioria contrária, entretanto, foi estreita, de apenas 50,3% anti-AEE, com 49,7% a favor. Desde então, a opinião pública suíça se dividiu sobre a questão da proximidade a Bruxelas (capital da UE). Agora, entretanto, ao mesmo tempo em que muitos países europeus anunciam grandes cortes (orçamentários), a contínua prosperidade da Suíça está fazendo muitos nativos acreditarem que o seu “não” à Europa foi a decisão certa.

“Temos salários elevados para os padrões europeus e baixas taxas de juro e de hipotecas”, explica Stefan Meierhans, do escritório de monitoramento de preços da Suíça. “Além disso, a taxa de IVA (imposto similar ao ICMS) é de 7,6%, quando o mínimo da UE é de 15%”, acrescenta. Há todos os motivos para a Suíça listar suas bênçãos, mas agora existe um outro também. O atrelamento ao franco suíço fez da moeda um porto seguro nos últimos 12 meses, enquanto o euro enfraqueceu. As importações da UE para a Suíça estão caindo de preço, e os consumidores suíços estão se beneficiando.

Além do mais, as leis de longa data na Suíça impedem tanto o governo federal como os cantões de fazer grandes dívidas, o que significa que, ao contrário de muitos dos países vizinhos, não há enormes déficits públicos para lidar e, portanto, grandes medidas de austeridade. “Nos últimos 12 meses, o custo de vida caiu meio por cento, “diz Meierhans.
Clique aqui

Bancos chineses enfrentam onda de empréstimos ruins

Os bancos da China poderiam ver muito mais do que 20% de seus empréstimos a empresas controlados pelo Estado piorarem, segundo um relatório divulgado domingo, mesmo com o regulador bancário da nação dizendo que os empréstimos ruins estavam em declínio. Os testes de estresse recentes conduzidos pela Comissão Reguladora Bancária da China (CRBC) mostraram que 20% de todos os empréstimos a empresas estatais estavam “com problemas” no final de junho, noticiou o periódico japonês Nikkei, citando uma autoridade não identificada do CRBC.

O funcionário teria dito que os empréstimos fracassaram em atingir as normas de empréstimo e podem resultar em inadimplência, embora “os riscos ainda são administráveis, e os empréstimos não sejam vistos como não-realizáveis”. O relatório coloca o montante total de empréstimos em curso para as estatais em 7,7 trilhões de yuans (US$ 1,14 trilhão de dólares norte-americanos), ou seja, 1,54 trilhão de yuans (20%) estão na categoria de “problema”. Como resultado, a CRBC solicitou aos bancos que aumentem suas provisões para crédito de liquidação duvidosa, disse.

O relatório foi seguido de estatísticas divulgadas pela CBRC, dizendo que os empréstimos ruins nos bancos comerciais chineses totalizaram 454,91 bilhões de yuans até o final de junho, representando 1,3% da carteira total de credores. O regulador disse que o número marca uma queda 0,28 ponto percentual, mas não indica o período de comparação.
Clique aqui

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome