Painel internacional

O dilema de Bernanke

CNNmoney

Após dois anos de injeção de dinheiro no sistema financeiro para manter a economia à tona, o presidente do Fed (Federal Reserve, BC dos EUA), Ben Bernanke, terá de inverter o processo ou se arriscar a ter o problema oposto: inflação. Depois de muita antecipação, ele anunciou em julho a “estratégia de retirada” do Fed de sua vasta intervenção, declarando que acontecerá “de forma suave e precisa”. É reconfortante que os funcionários do Fed estejam conscientes dos riscos da inflação, mas seu programa provavelmente não terá sucesso. Vários estudos mostram que leva cerca de dois anos para que as políticas anti-inflacionistas funcionem. Isso significa que o Fed tem de começar agora e seguir em frente.

Clique aqui


Moody’s mantém rating de crédito da Espanha

ELPAIS.COM

A agência de classificação de crédito Moody’s Investors Service confirmou hoje a qualificação creditícia máxima (AAA) para os títulos governamentais espanhóis, e que também confere uma perspectiva “estável”, em comparação com a decisão de seus colegas da Standard & Poor’s (S&P), que em janeiro optaram por reduzi-la um nível (para AA+). “O modelo econômico da Espanha recebeu um golpe severo, mas os danos não são permanentes”, disse o vice-presidente da unidade de ratings soberanos da Moody’s, Anthony Thomas, que sublinha que “se formou um programa convincente sobre como o déficit público será controlado em médio prazo”. A agência já tinha manifestado a sua preocupação sobre a solidez do modelo de crescimento da Espanha, bem como sobre a dívida pública, ante a crise econômica mundial e o colapso do mercado imobiliário espanhol, o que levou à caracterização da Espanha como um país “vulnerável” entre aqueles com o rating máximo.

Clique aqui


A restrição de crédito na eurozona

The Wall Street Journal

Os bancos europeus continuaram a emprestar apenas relutantemente até o primeiro semestre, frustrando as políticas para tentar reverter a desaceleração econômica ao fornecer nova liquidez aos bancos para facilitar mais os empréstimos. Os bancos dos 16 países da zona do euro apertaram os critérios (de concessão) de crédito no segundo trimestre, e as empresas e famílias podem até mesmo enfrentar um leve endurecimento das exigências no atual trimestre, afirmou o Banco Central Europeu, em um relatório sobre empréstimos bancários divulgados na quarta-feira.

Clique aqui


Lucro do Santander é menor que esperado

O Banco Santander, maior da Espanha, noticiou na quarta-feira uma queda de 4% no lucro do segundo trimestre, menor do que o previsto, enquanto o perfil internacional da companhia a ajudou a escapar do desemprego de dois dígitos no seu país de origem. O Santander disse que o seu lucro caiu de 2,52 bilhões de euros no mesmo período do ano anterior, para 2,42 bilhões de euros (US$ 3,4 bilhões). Analistas consultados pela Dow Jones Newswires estavam esperando um lucro líquido de 2,18 bilhões de euros. As provisões para créditos duvidosos subiram de 1,6 bilhão de euros para 2,42 bilhões de euros na mesma base de comparação. “A crise financeira e o abrandamento econômico resultaram no crescimento mais lento da atividade e o aumento dos empréstimos não pagos, o que exigiu maior provisão“, disse a empresa. O banco também disse que espera que o lucro para 2009 corresponda ao resultado de 8,88 bilhões de euros em 2008. Embora sediada em Madri, o banco fez vários negócios para crescer rapidamente ao redor do mundo.

Clique aqui


Os resultados da reunião EUA-China

Reuters

Os Estados Unidos e a China estabeleceram na terça-feira uma visão compartilhada sobre a forma de conduzir a economia global para fora da recessão, mas diplomaticamente tiveram pouco a mostrar em dois dias de conferência sobre temas como mudanças climáticas até a Coreia do Norte. Na conclusão da primeira fase do que será um “Diálogo Estratégico e Econômico anual, os países concordaram em tomar medidas para reequilibrar a economia mundial e manter os estímulo aos gastos até a recuperação econômica estar garantida. Eles também assinaram um memorando sobre alterações climáticas, energia e meio-ambiente sem fixar quaisquer metas firmes, e prometeram apoiar o livre comércio.

Clique aqui


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome