Painel internacional

A legislação norte-americana para cartões de crédito

CNNmoney

Consumidores que lutam contra as dívidas de cartão de crédito nos EUA começarão a ver algum alívio nesta quinta-feira, com os primeiros passos da reforma dessa indústria pela administração Obama entrando em vigor. A partir de 20 de agosto, os emissores de cartões de crédito serão obrigados a dar aos clientes 45 dias de aviso prévio antes de fazer quaisquer alterações significativas de contrato, e enviar as faturas pelo correio 21 dias antes da data de vencimento. Sob a legislação atual, os emitentes são obrigados a dar 30 dias de aviso antes de mudar o contrato e enviar faturas com pelo menos 14 dias de antecedência. Os consumidores também terão o direito de rejeitar as alterações em seus contratos, incluindo o aumento da taxa de juros, e terão a opção de amortizar os seus saldos a taxas pré-existentes, no prazo de cinco anos.

Clique aqui


EUA estimam déficit de US$ 1,58 trilhão em 2009

Reuters

A administração Obama vai diminuir a sua previsão de déficit orçamentário do ano fiscal de 2009 (que se encerra em setembro) para US$ 1,58 trilhão, após descartar dinheiro reservado para o resgate de mais bancos, disseram os funcionários na quarta-feira. Um déficit recorde deixa os investidores ansiosos e ameaça frustrar a ambiciosa agenda de Obama, de reforma nacional dos sistemas de saúde e educação, e tornar o país menos dependente de combustíveis fósseis. Pesquisas mostram que o déficit é uma das principais preocupações dos norte-americanos, que temem que isso leve a impostos mais altos. Um funcionário público disse que a queda no déficit projetado deveu-se à eliminação de US$ 250 bilhões que haviam sido destinados para possíveis resgates financeiros adicionais. A nova estimativa envolve um juízo calculado de que os mercados financeiros foram suficientemente estabilizados, e a administração não terá que voltar ao Congresso para pedir mais dinheiro aos de ajuda aos bancos.

Clique aqui


Justiça obriga UBS a revelar dados confidenciais

O acordo fechado esta semana entre as autoridades dos EUA e o banco suíço UBS aumentaram o já enorme peso do banco, mas analistas ainda divergem se isso cria uma boa oportunidade para voltar às compras de ações do banco. O UBS se viu acuado pelas demandas dos dois governos, com os EUA exigindo a entrega de informações sobre 52.000 clientes, e as autoridades suíças ameaçando intervir, porque a entrega dos dados violaria as leis (de sigilo bancário). O acordo considera que o UBS entregará detalhes de 4.450 clientes aos legisladores da Suíça, que então retransmitirão aos EUA. Criticamente, o UBS não vai pagar qualquer multa como parte do acordo, observaram os analistas. Relatórios anteriores deste verão tinham sugerido que o banco poderia enfrentar uma multa de até US$ 4,6 bilhões. Essas expectativas caíram à medida que as negociações continuaram, com os mais recentes relatórios indicando que a multa poderia não ser paga, mas ainda havia receios sobre a condenação, após o banco ter desembolsado US$ 780 milhões este ano para encerrar uma acusação em um caso relacionado.

Clique aqui


Vendas no varejo sobem na Grã-Bretanha

BBC NEWS

As vendas no varejo do Reino Unido aumentaram 0,4% de junho para julho, elevando o ganho anual para 3,3%, segundo os dados do Escritório Nacional de Estatísticas (ONS). Esperava-se que o avanço mensal fosse menor, seguindo o excepcionalmente forte aumento de junho. O resultado anual a partir de julho foi o mais alto desde maio de 2008. Entre os setores que foram bem no mês, o de vestuário e calçados tiveram vendas acima de 10,3% a em relação a julho de 2008, enquanto móveis e eletrodomésticos também comercializaram bem. A forte subida mensal de 1,2% em relação a junho foi revisada para 1,3%. As vendas nas lojas de bens domésticos foram subiram até 4,5% no mês, que foi o mais elevado desde agosto de 2006.

Clique aqui


Banco ICBC lucra quase US$ 10 bilhões

Financial Times

O Banco Industrial e Comercial da China (ICBC, na sigla em inglês), maior do mundo por valor de mercado, registrou um aumento de 3% no lucro do primeiro semestre lucro nesta quinta-feira, com os empréstimos saltando em função do plano de estímulo econômico da China. O ICBC, no qual o Goldman Sachs, Allianz Group e American Express detêm participações, reportou ganhos de 66,42 bilhões de yuanes (US$ 9,7 bilhões), comparados com o resultado de 64,53 bilhões de yuanes do mesmo período do anterior. Na média, sete analistas consultados pela Reuters tinham previsto lucro de 64,5 bilhões de yuanes. As ações do ICBC tanto nas bolsas de Hong Kong como Xangai ganharam cerca de 30% até este ano, desempenho abaixo da alta de 41% do índice Hang Seng (da bolsa de Hong Kong, que serve de parâmetro para comparar o desempenho das ações).

Clique aqui


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome