Painel internacional

A consistente recuperação da China

New York Times

A recuperação da China está se tornando mais ampla e potencialmente mais sustentável, mudança que poderia fornecer melhor suporte para a ainda frágil economia global. O reforço desses sinais é que há uma mudança de tom do cauteloso governo da China, que agora está se tornando mais confiante em uma sólida recuperação. Os dados econômicos divulgados hoje mostraram que o produto interno bruto da China cresceu 8,9% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior, após o ganho de 7,9% no segundo trimestre. A expansão da produção industrial, a espinha dorsal da manufatura pesada, acelerou de 12,3% em agosto para 13,9% mais em setembro. Tão importante quanto isso é prova de que a melhoria da economia está alcançando uma dinâmica que já não é totalmente dependente do maciço programa de estímulos do governo. A (esperada) mudança fundamental no último trimestre: uma reviravolta na saúde financeira das empresas chinesas.

Clique aqui

E mais

Economia norte-americana reage à crise

Credit Suisse volta a registrar lucro trimestral

A crise na Europa Oriental

Bank of New York encerra processo bilionário na Rússia

Economia norte-americana reage à crise

New York Times

As economias regionais estão melhorando na maior parte dos Estados Unidos, principalmente porque as vendas domésticas estão se recuperando e as fábricas e fabricantes estão de volta à vida, disse o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), na quarta-feira. O relatório periódico do Fed sobre a atividade econômica em todo o país – conhecido como o Livro Bege – observou a dissonância entre os sinais preliminares de uma recuperação e a fraqueza persistente, com a qual os Estados Unidos lutam para sair da pior recessão desde 1930. As condições no Livro Bege, que contabiliza as atividades de uma dúzia de distritos regionais do Fed, brilhou gradualmente nos últimos seis meses, e o presidente do Fed, Ben S. Bernanke, afirmou que a recessão provavelmente acabou. Ainda assim, o ritmo do progresso tem sido lento. “Os relatórios de ganhos na atividade econômica em geral superam os declínios, mas praticamente toda a referência de melhoria foi qualificada como pequena ou dispersa“, disse o Fed no relatório.

Clique aqui

Credit Suisse volta a registrar lucro trimestral

Times Online Logo 222 x 25

O banco Credit Suisse continuou a fortalecer sua posição, na sequência de prejuízos causados pela crise financeira, quando registrou lucro líquido de 2,35 bilhões de francos suíços (1,4 bilhão de libras) no terceiro trimestre. O valor para os três meses até 30 de setembro, que é o terceiro lucro trimestral consecutivo do banco de Zurique, se compara à perda de 1,26 bilhão de francos suíços no mesmo período do ano passado. A taxa Tier 1 do banco, medida de força do capital, subiu para 16,4%, confirmando-o como um dos bancos mais capitalizados do mundo. Brady Dougan, presidente executivo do Credit Suisse, disse: “nosso desempenho no terceiro trimestre, incluindo o forte retorno sobre o patrimônio líquido, de 25,1%, mostra que a nossa abordagem continua a funcionar bem e está fornecendo a base para ganhos sustentáveis, de alta qualidade e com baixa volatilidade”.

Clique aqui

A crise na Europa Oriental

rge monitor logo

Os receios de uma plena crise financeira regional desenvolvida na Europa Oriental foram flexibilizados, acalmados por uma forte presença do FMI (Fundo Monetário Internacional), pesada ajuda externa para aqueles que precisam, e uma melhora geral do apetite pelo risco. No entanto, a região não está fora de perigo. O espectro de uma desvalorização da Letônia ainda persiste, o estresse bancário continua e o crescente risco político em vários países com programas do FMI é preocupante. Os riscos podem perdurar, mas pontos brilhantes surgiram. A retomada do segundo trimestre (na comparação com o primeiro) na França e Alemanha, principais mercados de exportação e fontes importantes de capital estrangeiro para a Europa Central e Oriental é um sinal positivo, mas a opinião é de quietude sobre a intensidade da recuperação. Enquanto isso, a melhora do apetite pelo risco global não pode ser subestimada. Como diz o ditado, “uma maré cheia levanta todos os barcos”. Por enquanto, o apetite dos investidores por dívida soberana do Leste Europeu acelerou em relação ao início deste ano, o que aliviou os riscos de financiamento externo.

Clique aqui

Bank of New York encerra processo bilionário na Rússia

Reuters

A Rússia encerrou seu processo legal de US$ 22,5 bilhões contra o Bank of New York Mellon, em consonância com um pedido anterior do Serviço de Alfândega do país, disse um juiz na quinta-feira. “A corte examinou o pedido do Serviço de Alfândega para retirar o processo contra o Bank of New York Mellon, e ele está encerrado”, disse a juíza Lyudmila Pulova. A Rússia procurava indenização contra o banco após a sua antiga vice-presidente, Lucy Edwards, ajudar a transferir ilegalmente US$ 7 bilhões para fora da Rússia no final de 1990, por meio de contas do Bank of New York Mellon. O processo, impetrado pela Alfândega Federal, foi acompanhado de perto pelos investidores e clientes do Bank of New York Mellon, o maior guardião de ativos financeiros do mundo. O banco concordou em pagar ao serviço aduaneiro russo US$ 14 milhões em taxas legais e abrir uma linha de crédito comercial para financiar os bancos russos renováveis a cada 180 dias para um montante total de US $ 4 bilhões, durante cinco anos.

Clique aqui


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome