Painel internacional

EUA querem aumentar controle sobre os grandes bancos

New York Times

O Congresso dos EUA e o governo Obama estão prestes a assumir uma das questões mais fundamentais decorrentes do colapso do sistema financeiro no ano passado – como lidar com as instituições que são tão grandes que o governo não tem escolha a não ser resgatá-las quando estiverem em apuros. Um alto funcionário do governo disse no domingo que, depois de extensas consultas com funcionários do Departamento do Tesouro, o deputado Barney Frank, presidente do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara, poderia introduzir uma legislação mais cedo esta semana. A medida tornaria mais fácil para o governo assumir o controle de instituições financeiras em dificuldades, afastar a gestão, neutralizar os acionistas e mudar os termos dos empréstimos existentes realizados pelas instituições. O funcionário disse que o secretário do Tesouro, Timothy F. Geithner, estava planejando defender as mudanças em depoimento perante o Comitê de Serviços Financeiros da Câmara na quinta-feira.

Clique aqui

E mais:

Índice S&P 500 dos EUA está supervalorizado

Banco chinês recomenda diversificar reservas e dólar cai

Queda do yuan preocupa países asiáticos

Falências bancárias nos EUA passam de 100

Índice S&P 500 dos EUA está supervalorizado

O índice Standard & Poor’s 500 está supervalorizado em cerca de 40% e está se dirigindo para uma queda, com os bancos centrais recuando nas compras preventivas dos títulos que empurraram para cima os preços dos ativos, de acordo com o economista Andrew Smithers. O declínio também é provável porque os bancos terão de vender mais ações para levantar capital e recuperar sua saúde financeira, disse o economista e presidente da empresa de pesquisa Smithers & Co. em entrevista no dia 23 de outubro na Bloomberg Tóquio. Um tombo de 40% no valor do S&P 500 levaria o indicador de 1,079.60, no final da última semana, para 647,76, abaixo do piso atingido em março.

Clique aqui

Banco chinês recomenda diversificar reservas e dólar cai

Reuters

Um relatório chinês dizendo que Pequim deveria aumentar a participação de euros e ienes em suas reservas cambiais nocauteou ocombalido dólar na segunda-feira, enquanto as ações globais procuraram se recuperar do enfraquecimento da semana passada. Os títulos públicos da Zona do Euro atingiram um mês de baixa. O dólar caiu para o menor nível em 14 meses face ao euro, e o iene teve impulso a partir de um artigo de opinião no Financial News, texto publicado pelo Banco Popular da China (banco central). Foi dito que o dólar deve continuar a ser a principal moeda nas reservas de divisas da China, mas que a percentagem de euros e ienes deveria aumentar. A questão da diversificação das reservas dos países ou até mesmo deixando o dólar de lado tem sido um dos fatores de enfraquecimento da moeda norte-americana este ano. O dólar perdeu mais de 7% contra uma cesta de moedas mais importantes neste ano.

Clique aqui

Queda do yuan preocupa países asiáticos

The Wall Street Journal

Como o dólar continua a enfraquecer, as preocupações são crescentes em grande parte da Ásia em relação a outra moeda descendente: o yuan chinês. Por mais de um ano, a China vem mantendo o yuan praticamente inalterado face ao dólar. Assim, como o dólar, o yuan vem caindo em relação às moedas dos países vizinhos da China, incluindo o ringgit malaio, a rupia indonésia e o won sul-coreano. Isso faz com que as mercadorias produzidas nesses países fiquem mais caras em comparação com a China.

Clique aqui

Falências bancárias nos EUA passam de 100

CNNMoney.com

A contagem de falências bancárias nos Estados Unidos quebrou facilmente a marca de número 100 na noite de sexta-feira, com os reguladores anunciando o 106º encerramento do ano. Isso é mais do que quatro vezes o número dos que foram encerrados em 2008 e o total mais elevado desde 1992, quando 181 bancos faliram. Na sexta-feira à noite a duvidosa honra do 100º fracasso foi para o Partners Bank de Nápoles, na Flórida, que tinha US$ 65,5 milhões em ativos, de acordo com a Agência Federal de Seguros de Depósito (FDIC, na sigla em inglês). Na verdade, para tranquilizar os mutuários, a presidente do FDIC, Sheila Bair, postou uma mensagem de vídeo no site da agência, dizendo que “para o depositante segurado, a falha de um banco é um não-evento”. Ainda assim, Bair advertiu que “até que o processo de cura ser total, haverá mais falências bancárias”.

Clique aqui



Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora