Paul Krugman apoia o “não” no referendo grego

Enviado por C.Paoliello

Do Esquerda.net
 
 
O Prémio Nobel da Economia manifesta o seu apoio ao governo grego e esclarece que votaria ‘Não’ no referendo de dia 5 de julho. Paul Krugman considera que os governos credores e as instituições europeias têm cometido “um ato de loucura monstruosa” ao empurrarem a Grécia até este ponto.

“Eu votaria ‘Não’, por duas razões. Em primeiro lugar, por muito que a perspetiva de saída do euro assuste todos – eu incluído – a troika está agora efetivamente a exigir que o regime político dos últimos cinco anos seja mantido indefinidamente. Onde está a esperança nisso?”, questiona Paul Krugman na sua coluna no New York Times.

O Prémio Nobel da Economia avança ainda que, no âmbito de um eventual Grexit, “a desvalorização não conseguiria criar muito mais caos do que já existe, e abriria o caminho para uma eventual recuperação, tal como aconteceu em muitos outros momentos e lugares”.

“A Grécia não é assim tão diferente”, frisa.

Por outro lado, Paul Krugman alerta que “as consequências políticas de um ‘Sim’ seriam profundamente preocupantes”.

“A troika fez claramente o reverso de Corleone – fizeram a Tsipras uma oferta que ele não pode aceitar, e, presumivelmente, fizeram-no conscientemente. Assim, o ultimato foi, com efeito, um movimento para substituir o governo grego. E mesmo que não se goste do Syriza, isto é perturbador para quem acredita nos ideais europeus”, destaca.

“A hora da verdade da Europa”

Lembrando que, “até agora, cada aviso sobre uma rutura iminente do euro revelou-se errada” e que “os governos, seja o que for que digam durante a eleição, cedem às exigências da troika”, Krugman adianta “que a troika contava, ou pelo menos tinha esperança, que a Grécia fosse uma repetição desta história”.

O Prémio Nobel da Economia escreve ainda que, “politicamente, os grandes derrotados deste processo têm sido os partidos de centro-esquerda, cuja anuência com a austeridade dura – e o consequente abandono de tudo o que supostamente representavam – provoca-lhes muito mais danos do que políticas semelhantes provocam ao centro-direita”.

Sobre as razões que o levam a apoiar o referendo, Paul Krugman refere que, se o ‘Não’ ganhar, “o governo grego será empoderado pela legitimidade democrática”, o que, a seu ver, “ainda tem importância na Europa”.

Por outro lado, “o Syriza tem estado numa posição política delicada, com os eleitores furiosos com cada vez maiores exigências de austeridade mas sem vontade de deixar o euro”.

Para o economista, “o referendo irá, efetivamente, pedir aos eleitores para escolherem a sua prioridade, e dar a Tsipras um mandato para fazer o que tem de fazer” caso a troika continue a apertar o garrote ao povo grego.

Paul Krugman considera que os governos credores e as instituições têm cometido “um ato de loucura monstruosa” ao empurrarem a Grécia até este ponto.

———

Da Folha

A Grécia sobre o abismo

É óbvio, há algum tempo, que a criação do euro foi um erro terrível. A Europa nunca teve as condições prévias para uma moeda única de sucesso –acima de tudo, o tipo de união fiscal e bancária que garante, por exemplo, que, quando uma bolha imobiliária na Flórida estoura, Washington automaticamente protege os idosos contra qualquer ameaça a sua assistência médica ou a seus depósitos bancários.

Deixar uma união monetária é, no entanto, uma decisão muito mais difícil e mais assustadora do que nunca entrar nela, e, até agora, mesmo as economias mais problemáticas do continente têm recuado repetidamente da beira do abismo. Repetidas vezes, os governos têm se sujeitado às demandas dos credores por medidas de austeridade duras, enquanto o Banco Central Europeu administra a contenção do pânico do mercado.

Porém, a situação na Grécia atingiu agora o que parece ser um ponto sem retorno. Os bancos estão temporariamente fechados e o governo impôs controles de capital –limites para a movimentação de fundos para fora do país.

Parece altamente provável que o governo, em breve, tenha que começar a pagar pensões e salários em cupons, efetivamente criando uma moeda paralela. E na próxima semana o país vai realizar um referendo sobre se aceita ou não as exigências da “troika” –instituições que representam os interesses dos credores– de ainda mais austeridade.

A Grécia deveria votar “não”, e o governo grego deve estar pronto, se necessário, para deixar o euro.

Para entender por que digo isso, é preciso perceber que a maioria –não todos, mas a maioria– do que você já ouviu falar sobre a prodigalidade e irresponsabilidade grega é falsa. Sim, o governo estava gastando além das suas possibilidades, no final dos anos 2000, mas, desde então, tem repetidamente cortado gastos e aumentado impostos. Os empregos públicos caíram mais de 25%, e as pensões (que foram de fato generosas demais) foram cortadas drasticamente. Se você somar todas as medidas de austeridade, elas têm sido mais do que suficiente para eliminar o deficit original e transformá-lo em um grande excedente.

Então, por que isso não aconteceu? Porque a economia grega entrou em colapso, em grande parte, como resultado das medidas de austeridade, arrastando as receitas para baixo com elas.

E esse colapso, por sua vez, teve muito a ver com o euro, que prendeu a Grécia em uma camisa de força econômica. Casos de austeridade bem-sucedida, em que os países controlam os déficits sem entrar em uma depressão, normalmente envolvem grandes desvalorizações da moeda, que fazem suas exportações mais competitivas.

Isto foi o que aconteceu, por exemplo, no Canadá, na década de 1990, e até certo ponto foi o que aconteceu na Islândia, mais recentemente; mas a Grécia, sem a sua própria moeda, não teve essa opção.

Então, eu acabei de defender uma “Grexit” –saída da Grécia do euro? Não necessariamente. O problema de uma Grexit sempre foi o risco de caos financeiro, de um sistema bancário perturbado por saques em pânico e de negócios mancos tanto por problemas bancários quanto pela incerteza do status legal das dívidas. É por isso que sucessivos governos gregos aderiram às exigências de austeridade, e por isso, mesmo o Syriza, a coalizão de esquerda no poder, estava disposta a aceitar a austeridade que já tenha sido imposta. Tudo o que pediram foi, efetivamente, uma paralisação de mais austeridade.

Mas a troika não estava tendo nada disso. É fácil se perder nos detalhes, mas o ponto essencial agora é que tem sido apresentada à Grécia uma oferta que é “pegar ou largar”, efetivamente indistinguível das políticas dos últimos cinco anos.

Esta é, e, presumivelmente, a intenção era ser, uma oferta que o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, não pode aceitar, porque isso destruiria a sua razão política de ser. O objetivo deve ser, portanto, afastá-lo do cargo, o que provavelmente vai acontecer se os eleitores gregos temerem suficientemente o confronto com a troika para votar “sim” na próxima semana.

Mas eles não deveriam fazê-lo, por três razões. Em primeiro lugar, sabemos agora que a austeridade cada vez mais dura é um beco sem saída: após cinco, anos a Grécia está em pior forma do que nunca. Em segundo lugar, muito e talvez o mais temido do caos da Grexit já aconteceu. Com os bancos fechados e os controles de capital impostos, não há muitos danos mais a serem feitos.

Finalmente, a adesão ao ultimato da troika representaria o abandono definitivo de qualquer pretensão de independência grega. Não se deixe levar por alegações de que funcionários da Troika são apenas tecnocratas explicando aos gregos ignorantes o que deve ser feito. Estes tecnocratas supostamente são de fato fantasistas que têm ignorado tudo que sabemos sobre macroeconomia, e estiveram errados em cada passo do caminho. Não se trata de análise, mas de poder –o poder dos credores de cortar as pernas da economia grega, que persiste enquanto a saída do euro é considerada impensável.

Então, é hora de pôr um fim ao que é impensável. Caso contrário, a Grécia terá de enfrentar uma austeridade sem fim e uma depressão sem nenhum indício de fim.

Tradução de MARIA PAULA AUTRAN

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

10 comentários

  1. A Grécia está há anos cavando cada vez mais fundo…

    …a própria cova.

    Com a redução do PIB caiu a arrecadação, então receberam ordens para aumentarem os impostos e reduzirem as despesas públicas, afinal era preciso gerar recursos para pagarem os credores, com isto a depressão aprofundou-se reduzindo a receita do governo, o que não garantiu margem satisfatória para a quitação das parcelas exigidas pelos agiotas. Devido a isto pequenas parcelas eram liberadas pelas troika para a satisfação dos usurários, que eram reembolsados em transfusão direta. Em troca novas exigências: mais impostos, menos gastos, matem os aposentados, deixem os doentes morrerem, que as crianças fiquem famintas e outras benesses para permanecerem na zona do euro e deixarem alegres os salteadores.

    Com esta receita o resultado é previsível, recuperação econômica jamais e a perenização da atual situação de estrangulamento econômico, para mais cortes dos gastos e alta dos impostos no futuro próximo, afinal é preciso honrar os compromissos assumidos com os três cavaleiros do apocalipse: o FMI, o BCE e a CE, também conhecidos como morte, fome e peste. Não me esqueci, sei que existe um quarto, porém este até o momento faz planos em separados sem se envolver diretamente na crise grega, e o seu é nome é OTAN.

    • Tá vendo Athos? Até o Rebolla tá + à esquerda q vc… Preocupant

      Francamente, vc (Athos) nao sabe mesmo por que a proposta é inaceitável? Miséria pouca é bobagem? Pimenta nos olhos dos outros nao arde? Ora, ora.

  2. “Então, por que isso não

    “Então, por que isso não aconteceu? Porque a economia grega entrou em colapso, em grande parte, como resultado das medidas de austeridade, arrastando as receitas para baixo com elas.”

    Isto tem de ser falado para a dupla trombini/leviano.

  3. “Casos de austeridade

    “Casos de austeridade bem-sucedida, em que os países controlam os déficits sem entrar em uma depressão, normalmente envolvem grandes desvalorizações da moeda, que fazem suas exportações mais competitivas.”

    para o tronbini.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome