PIB brasileiro cai -0,1% no segundo trimestre

Queda da agropecuária e da indústria afetou resultado, segundo IBGE; indicador interrompe três trimestres de resultados positivos

Agência Brasil

Jornal GGN – O Produto Interno Bruto (PIB) teve variação negativa de 0,1% no segundo trimestre deste ano, na comparação com o primeiro trimestre, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em valores correntes, o PIB chegou a R$ 2,1 trilhões.

Com esse resultado, a economia brasileira avançou 6,4% no primeiro semestre, enquanto o ganho apurado nos últimos quatro trimestres ficou em 1,8%, e na comparação com o segundo trimestre do ano passado, o crescimento foi de 12,4%.

Segundo o IBGE, o PIB continua no patamar do fim de 2019 ao início de 2020 (período pré-pandemia), e 3,2% abaixo do ponto mais alto da atividade econômica na série histórica, alcançado no primeiro trimestre de 2014.

O desempenho econômico apurado no segundo trimestre foi puxado pelo resultado negativo da agropecuária (-2,8%) e da indústria (-0,2%), enquanto os serviços avançaram 0,7% no período.

Clique aqui e veja como você pode colaborar com o jornalismo independente do GGN

A atividade industrial também recuou devido às quedas de 2,2% nas indústrias de transformação e de 0,9% na atividade de eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos. De acordo com o IBGE, tais quedas compensaram a alta de 5,3% nas indústrias extrativas e de 2,7% na construção.

Quase todas as atividades ligadas ao setor de serviços apresentaram resultados positivos: informação e comunicação (5,6%), outras atividades de serviços (2,1%), comércio (0,5%), atividades imobiliárias (0,4%), atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (0,3%) e transporte, armazenagem e correio (0,1%). Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (0,0%) ficou estável.

A pandemia continuou a afetar o consumo das famílias, que não apresentou variação (0,0%) no trimestre, enquanto o consumo do governo teve alta de 0,7%. Os investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo) recuaram 3,6% no período.

A balança comercial brasileira teve uma alta de 9,4% nas exportações de bens e serviços, a maior variação desde o primeiro trimestre de 2010. Na pauta de exportações, destaque para a safra de soja estimulada pelos preços favoráveis. Por outro lado, as importações caíram 0,6% na comparação com o primeiro trimestre do ano.

Leia Também

Mais de 14 milhões de pessoas seguem sem trabalho no Brasil

A melhora irrisória do mercado de trabalho, por Luis Nassif

Crise sanitária, energética e política podem abreviar fim de Bolsonaro, por Luis Nassif

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora