Plantação de Madoff

Por Ernesto

Saiu há pouco uma notícia de fraude milionária na bolsa de Londres, envolvendo uma “sociedade bancária brasileira” de nome não revelado.

Alguém sabe de quem se trata?

Por Edson Medeiros

Do Último Segundo

Fraude de US$ 600 milhões na bolsa de Londres envolve banco brasileiro

MADRI – A Polícia espanhola informou nesta quarta que prendeu seis pessoas suspeitas de uma fraude de mais de US$ 600 milhões na Bolsa de Valores de Londres, em investigação que envolve uma empresa de valor “inventado” para vender suas ações por preços altos e uma sociedade bancária brasileira, de nome não revelado.

(…) As investigações foram iniciadas em 2005 pelo Escritório de Fraudes Graves (SFO, na sigla em inglês) do Reino Unido, segundo o qual a fraude começou em 2003.

(…) Quando começou sua atividade em Bolsa, a empresa disse ter ativos de US$ 290 milhões, representados quase totalmente por um acordo assinado com outra instituição mercantil.

Posteriormente, ela anunciou diversas operações financeiras, entre elas uma garantia, sob a forma de certificados de crédito internacionais, de uma sociedade bancária brasileira com a finalidade de aumentar o valor de suas ações.

Segundo as investigações, a entrada da empresa na bolsa, assim como a oferta pública de ações, foi conseguida por fraude, em diversos anúncios falsos, em veículos de imprensa especializados de Londres, para gerar interesse nos títulos da companhia.

Esses anúncios teriam sido planejados pelos principais suspeitos, que venderam depois as ações que possuíam em seus nomes. (…)

Por Rafael Rodrigues

Mais informações e nomes:

http://en.wikipedia.org/wiki/Langbar_International

Por marcio

Nassif, um Bom Dia.

Da BBC:

Six arrested in £420m fraud case

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

41 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Afonso

- 2009-01-29 01:57:01

No El Pais a coisa está bem
No El Pais a coisa está bem explicada. O principal responsável é um Argentino e tinha um agente da Mosad na jogada: http://www.elpais.com/articulo/espana/detenidos/estafar/Bolsa/450/millones/operaciones/ficticias/elpepuesp/20090129elpepinac_21/Tes

Chato

- 2009-01-29 01:15:49

Uau, quando é contra
Uau, quando é contra petistas, devemos esperar até o julgamento em última instância para dar opinião... hehehe. Nada como dois pesos e duas medidas, hein? Ah sim, a Visanet não é mera "prestadora de serviços" do BB. O BB foi uma das instituições bancárias que, junto com a Visa, criaram a Visanet. E a denúncia de desvio de recursos da Visanet pra agência do Marcos Valério faz parte da denúncia encaminhada... Torçam para o odiado Gilmar Mendes e a sua turma não colocarem os 40 ladrões na cadeia, hein?

Ricardo Martini

- 2009-01-29 00:30:56

Se o Chato fosse um cidadão
Se o Chato fosse um cidadão intrinsicamente ético, talvez ele usasse gravatas borboletas e fosse o feliz proprietário de um apartamento de R$ 400 mil...

Bianca Feijó

- 2009-01-29 00:03:03

Olá Luís Conheço a família
Olá Luís Conheço a família Haegler, envolvida neste rolo do Madoff. O que sei é que a maior representante de Madoff no Brasil é minha xará, Bianca Haegler (gerente de marketing no Brasil do grupo Fairfield Greenwich Group), assim como seu pai Alex Haegler. A família Haegler é milionária e tem bom trânsito em Milão, Londres, Madri, Genebra e Rio de Janeiro. A tia de Bianca Haegler, Mônica Haegler, é casada com o americano Walter Noel - melhor amigo e sócio há 20 anos de Bernard Madoff. Pela família da esposa Mônica, Walter introduziu essa pirâmide no Brasil e os lesados são de vários bancos: Safra (da Europa e EUA), Santander, HSBC. Para iniciar a pirâmide entre os brasileiros a família Haegler utilizou do bom relacionamente que possía no Country Club Carioca. O que soube hoje pelo Estado de SP (caderno 2) é que este clã Haegler está proibido de entrar no tal clube, tamanho o número de clientes que foram lesados. A Bianca me disse que desconhecia totalmente o tipo de aplicação que vendia, que os gerentes foram todos enganados por Madoff e seus aceclas. Antes que me esqueça, a família Haegler tem amizade e grau de parentesco com o dono da Inbev, Jorge Paulo Lemann (corre, à boca pequena, ser um dos lesados). Aqui o site da Fairfield Greenwich Group com um recadinho nada animador pra quem investiu milhões. https://www.fggus.com/

Raí

- 2009-01-28 23:34:51

Caro Chato(agora na
Caro Chato(agora na verdadeira acepção da palavra)Ser ético é inicialmente esperar pelo resultado final de qualquer investigação,para só então dar sua opinião; Ser ético é saber que a empresa Visanet só prestou um serviço por tempo limitado e constitucionalmente aprovado por lei,para o Banco do Brasil; E não é engraçado o B.B ser administrado dentro das regras bancárias,e se não é uma instituição acima de qualquer suspeita,use seu direito de cidadão,para cobrar na justiça,o cumprimento desta norma,e ajude ao país a moralisar a democracia,se você acha-se um cidadão "intrinsicamente ético" E finalmente,deixe Deus fora disto.

Chato

- 2009-01-28 22:43:42

Raí, você é tão
Raí, você é tão "bem-informado" que devia saber que nada foi "definitivamente provado" pq o Mensalão não foi julgado. E, se depender dos nossos "puderes", jamais será. E a questão não é o "envolvimento do BB com a Visanet", até pq a Visanet, em certa medida, é o próprio BB... Só achei engraçada a afirmação de vocês de que o BB seria algo como uma "instituição acima de qualquer suspeita". Como se os controles do BB fossem melhores que os dos demais bancos e como se seus funcionários e dirigentes fossem intrinsicamente mais éticos... Valha-me Deus.

Raí

- 2009-01-28 22:07:26

Caro Chato(acredito que mesmo
Caro Chato(acredito que mesmo com este pseudônimo,você seja apenas mal-informado,nunca "chato")fique sabendo que nada de errado,foi oficialmente provado no envolvimento(puramente comercial) do B.B com a Visanet,e nada a ver com o dito esquema.

Chato

- 2009-01-28 20:15:29

É, o Banco do Brasil nunca
É, o Banco do Brasil nunca entra em fraudes... Quer dizer, com a exceção do esquema Mensalão-Visanet, né?

LPorto

- 2009-01-28 19:55:19

Ah... Caiu a ficha.
Ah... Caiu a ficha. !!! boa... acho que é meu humor que hoje não está bem apurado. Sorry

antonio barbosa filho

- 2009-01-28 19:46:02

O Madoff está participando do
O Madoff está participando do Fórum Econômico Mundial, em Davos? Afinal, o encontro reúne muitos de seus colegas de atividade. Sua ausência seria lamentada.

LPorto

- 2009-01-28 19:37:35

Nassif, Com relação ao seu
Nassif, Com relação ao seu comentário das 14: 33, "Esse golpe nada tem a ver com Madoff. O nome entrou apenas no título." Quer dizer que existiu outro golpe envolvendo este Madoff ? Se abrir a matéria, ali entendi falar sobre este caso em tela. Explica, se tiver um tempinho, em pano rápido para mim. Abs Mencionei o Maddof como se mencionasse as felipetas ou o golpe da pirâmide.

Ivan Moraes

- 2009-01-28 19:08:49

"Nesta matéria jornalistica
"Nesta matéria jornalistica fica claro os envolvimentos : http://www.rondonianahora.com/ler.php?id=1097" O dinheiro que essa tralha nao teve decencia pra investir no Brasil foi perdido eternamente em "investimentos" no exterior? Nossa! Deve ser a primeira vez...

Ivan Moraes

- 2009-01-28 18:50:12

"O que aconteceu é que os
"O que aconteceu é que os fraudadores espalharam para os investidores que teriam dinheiro à receber do Banco do Brasil": Pro sistema financeiro a unica coisa que interessa agora eh saber se o BB tem culpa no cartorio, portanto se o BB pode ser juridicamente forcado a pagar os 700 milhoes. Alguem sabe se existe indicio disso?

LPorto

- 2009-01-28 18:33:18

Acho que eles estão falando
Acho que eles estão falando do Safra, que admitiu em dezembro. (...) Até o momento, a única instituição brasileira a admitir que ofereceu produtos de Madoff foi o Safra. Procurado pela reportagem, o Bradesco negou qualquer exposição de seus clientes a fundos que aplicavam recursos em produtos administrados pelo escritório do ex-presidente da Nasdaq. Por meio da assessoria de imprensa, o Unibanco afirmou que “jamais distribuiu, ofereceu ou recomendou o fundo Fairfield”. Já o Itaú informou que não comentaria o assunto (..) http://jbonline.terra.com.br/extra/2008/12/17/e171213657.html Esse golpe nada tem a ver com Madoff. O nome entrou apenas no título.

Carlos

- 2009-01-28 18:18:22

Nassif, O Banco do Brasil
Nassif, O Banco do Brasil jamais iria entrar. de forma consciente, numa fraude dessas. Conhecendo a Organização por dentro, tenho plena convicção a respeito daquilo que estou afirmando.

Daniel Campos

- 2009-01-28 17:42:55

O que aconteceu é que os
O que aconteceu é que os fraudadores espalharam para os investidores que teriam dinheiro à receber do Banco do Brasil e do ABN Anro, e considerando este valor à receber como ativos ou seja, parte do seu patrimônio. Assim aumentava o valor da empresa e atraía mais investidores, estes crentes que a empresa valia mais. Porém as tais dívidas não existem, então a empresa fraudadora não têm o dinheiro que alega ter. Aí os fraudadores esperavam as suas ações valorizarem e então vendiam tudo, deixando o prejuízo para os investidores que caíram no golpe e compraram também ações que valiam na verdade bem menos do que diziam valer. Acho impressionante como parece que a criminalidade rola solta no mercado de ações.

Soledad Larraz

- 2009-01-28 17:21:49

Ai,ai... BB, ABN, Lulof
Ai,ai... BB, ABN, Lulof (gostei rsrsrs). Lá vem paulada "again". Nassif, como você aguenta ver tanta FRAUDE, em suas mais diversas proporções e não desencantar? É a noite olhando pras pequenas e a Ruiva? Deus continue te dando saúde amigo, te admiro muuuuito. abs Soledad

Legal

- 2009-01-28 16:47:49

Sei nao, mas acho que o caso
Sei nao, mas acho que o caso do Banestado e as conexoes com a Ilha da Fantasia tem tudo a ver com este pessoal. Eu acho que o envolvido e o Unibanco. Por que? Porque nos ultimos anos o Unibanco virou "curva de rio", Malan, DEMO, ........ De onde tirou essa?

Kleber

- 2009-01-28 16:37:52

Prato cheio para o
Prato cheio para o PIG...rsrsrsr

Andre Araujo

- 2009-01-28 16:35:12

Nada a ver com o Brasil
Nada a ver com o Brasil Trata-se de uma sociedade inglesa com acionistas e executivos espanhois, a Labghar, usou falsificações para incrementar os ativos, entre estas um alegado deposito junto ao Banco do Brasil. É simplesmente uma fraude onde inventaram um deposito no banco do Brasil. Essa é a suposta conexão com o Brasil. Obviamente o Banco do Brasil não tem nada a ver com isso, apenas seu nome foi usado por terceiros em uma fraude.

Avelino

- 2009-01-28 16:22:08

Caro Nassif Agora é só se
Caro Nassif Agora é só se preparar para as notícias vinculando Maddof com o Lula via Banco do Brasil.. tipo Lulof..eheh Saudações

waleria

- 2009-01-28 16:04:20

Pela notícia acho que BB e
Pela notícia acho que BB e Amro foram mencionados - mas sem qualquer envolvimento. Eu posso publicar um anúncio na Bélgica que tenho 500 bilhões de Euros depositados no Santander.... a culpa não é do Santander. Azar é de quem acreditou!

Michel

- 2009-01-28 15:18:33

Pelo que li (e entendi), não
Pelo que li (e entendi), não me parece que há brasileiros "graudos" diretamente envolvidos no grosso dessa fraude bem sofisticada... No afã de tentar importar o escândalo que não é "nosso", as agências brasucas traduzem mal e repercutem bem a notícia... E dá nisso.

Patrick

- 2009-01-28 15:02:01

Pelo que entendi da
Pelo que entendi da reportagem da BBC, a empresa alegava ter depositados £370 milhões no ABN e no Banco do Brasil. Depósitos que aparentemente não existiam ou que sumiram, daí a fraude. Não seria, portanto, uma perda dos bancos por aplicarem numa pirâmide.

Quintela

- 2009-01-28 15:00:59

Banco do Brasil...????
Banco do Brasil...???? ihhh... já estão culpando o Lula!

EDSON MEDEIROS

- 2009-01-28 15:00:18

iiiiii caramba! Banco do
iiiiii caramba! Banco do Brasil. Mas uma coisa nao ficou clara, o BB foi vítima ou foi parceiro na fraude?

Alberto Porém jr.

- 2009-01-28 14:53:17

Esta vinculação vem de 2005
Esta vinculação vem de 2005 com a Langbar International e o BB junto com aplicações de Stuart Pearson... é por ai....R$1 bi....BB nega....

Sergio M Silveira Filho

- 2009-01-28 14:49:06

Que suspense... Será que vai
Que suspense... Será que vai ter banco nacional pipocando com isso? Os suspeitos foram presos na espanha, mas quem são eles, qual nacionalidade?

Sostenes

- 2009-01-28 14:47:24

Olha a reportagem completa
Olha a reportagem completa Nassif, ta no site da BBC.( na inglaterra) Six arrested in £420m fraud case Spanish police have arrested six people on suspicion of perpetrating a £420m ($600m) fraud relating to a London-listed company, it has been confirmed. The arrests relate to the fraud committed at an AIM-listed company called Langbar between 2003 and 2005, Spanish authorities told the BBC. Reports suggest that the main suspect involved is among those arrested. The six arrests were made in Madrid, Barcelona and the town of Elche in the southeast of Spain. The Serious Fraud Office (SFO) began an investigation into Langbar in 2005. It confirmed that the "six people arrested and interviewed were male with ages between 56 to 76 years. They were Spanish nationals except one, an Argentine national." The arrests were the result of a combined operation including the SFO, the City of London Police, the Spanish national police and the Economic Crime and Money Laundering Group of Barcelona. False advertising According to the BBC's Danny Wood in Madrid: "The suspects are accused of using false advertising to boost the value of Langbar shares without making any deposits. "Langbar entered the London share market with a value of $300m. Police say the suspects created enough public interest in the company to fraudulently resell shares to a value of $600m." He added that the police said they had searched six premises where they confiscated computers and documents. "Through complex commercial and stock market operations, as well as falsifications, the arrested managed to make the value of the shares increase, without deposits to back it up, and profited from the subsequent sale of the shares," said a statement from the Spanish police. Holding company Langbar was first listed as a holding company on the Alternative Investment Market of the London Stock Exchange in 2003, under the name of Crown Corporation Limited. It changed its name to Langbar International Limited in 2005. In July 2005, the company announced deposits of £370m with ABN Amro and Banco do Brasil, which prompted investors to pile in, sending the share price up. Former directors are then alleged to have sold their shares at a substantial profit. On 12 October 2005, shares in Langbar were suspended and the company said it could not establish the existence of, nor verify its entitlement to, these bank deposits. In 2006, the new bosses at Langbar began High Court proceedings against Rybak, Regli and Hochman to try and recover the millions owed to investors.

waleria

- 2009-01-28 14:33:15

Mesmo que não seja do Midas
Mesmo que não seja do Midas Bahiano, é bom nosso STF e GM ir colocando as barbas de molho.

Geurgetown F. Araujo

- 2009-01-28 14:31:50

Nassif, não precisa ser do
Nassif, não precisa ser do meio financeiro para enxergar que o caso Madoff pode ser uma gôta num grande copo de água. Lembra daquela lorota das pirâmides domésticas que até hoje muita gente ainda cai no conto? Acho que em muitas partes do mundo e aqui no Brasil, especialmente no Sul/Sudeste pode ter havido uma "elitização" dessas pirâmides no estilo Madoff, e, como deu errado vão querer culpar o Lula por isso.

marcosb

- 2009-01-28 14:31:04

É wikipedia, então tudo
É wikipedia, então tudo precisa ser reverificado. http://en.wikipedia.org/wiki/Langbar_International

daSilvaEdison

- 2009-01-28 14:29:03

Nassif, E sobre o Ofício
Nassif, E sobre o Ofício 52431/08 da DELEFAZ da DPF/SP? Está confirmada a apresentação dos representantes da empresa aérea?

LPorto

- 2009-01-28 14:14:23

Nassif e comentaristas Nesta
Nassif e comentaristas Nesta matéria jornalistica fica claro os envolvimentos : http://www.rondonianahora.com/ler.php?id=1097

Alex

- 2009-01-28 14:13:57

Alguém sabe de quem se trata?
Alguém sabe de quem se trata? Aquele (a) que for responder só tem uma chance, uma unica "opportunidade" Alex

jairo batista dos santos

- 2009-01-28 14:07:03

Será Danaiel Dantas e seu
Será Danaiel Dantas e seu opportunitty?

marcio aurelio cruzeiro

- 2009-01-28 13:52:24

Nassif , seria esse mais um
Nassif , seria esse mais um caso do nosso midas , vindo da Bahia ? Me parece que não.

Rafael Rodrigues

- 2009-01-28 13:49:40

Mais informações e
Mais informações e nomes: http://en.wikipedia.org/wiki/Langbar_International

marcio

- 2009-01-28 13:48:13

Nassif, um Bom Dia. Da
Nassif, um Bom Dia. Da BBC: Six arrested in £420m fraud case Serious Fraud Office investigators took part in the Spanish actions Spanish police have arrested six people on suspicion of perpetrating a £420m ($600m) fraud relating to a London-listed company, it has been confirmed. The arrests relate to the fraud committed at an AIM-listed company called Langbar between 2003 and 2005, Spanish authorities told the BBC. Reports suggest that the main suspect involved is among those arrested. The six arrests were made in Madrid, Barcelona and the town of Elche in the southeast of Spain. The Serious Fraud Office (SFO) began an investigation into Langbar in 2005. It confirmed that the "six people arrested and interviewed were male with ages between 56 to 76 years. They were Spanish nationals except one, an Argentine national." The arrests were the result of a combined operation including the SFO, the City of London Police, the Spanish national police and the Economic Crime and Money Laundering Group of Barcelona. False advertising According to the BBC's Danny Wood in Madrid: "The suspects are accused of using false advertising to boost the value of Langbar shares without making any deposits. "Langbar entered the London share market with a value of $300m. Police say the suspects created enough public interest in the company to fraudulently resell shares to a value of $600m." He added that the police said they had searched six premises where they confiscated computers and documents. "Through complex commercial and stock market operations, as well as falsifications, the arrested managed to make the value of the shares increase, without deposits to back it up, and profited from the subsequent sale of the shares," said a statement from the Spanish police. Holding company Langbar was first listed as a holding company on the Alternative Investment Market of the London Stock Exchange in 2003, under the name of Crown Corporation Limited. It changed its name to Langbar International Limited in 2005. In July 2005, the company announced deposits of £370m with ABN Amro and Banco do Brasil, which prompted investors to pile in, sending the share price up. Former directors are then alleged to have sold their shares at a substantial profit. On 12 October 2005, shares in Langbar were suspended and the company said it could not establish the existence of, nor verify its entitlement to, these bank deposits. In 2006, the new bosses at Langbar began High Court proceedings to try to recover the millions owed to investors.

Rafael Rodrigues

- 2009-01-28 13:46:25

Nassif, Tá lá... BBC é
Nassif, Tá lá... BBC é sempre uma boa fonte de informação: http://news.bbc.co.uk/2/hi/business/7855679.stm Extraído da versão em inglês: - Os bancos citados no caso são o ABN Amro e o Banco do Brasil. - O nome da empresa é Langbar International (já foi Crown Corporation). - Dos 6 presos, 5 espanhóis e 1 argentino.

Rafael Rodrigues

- 2009-01-28 13:36:08

Nossa... todo o texto muito
Nossa... todo o texto muito abstrato, não dá nome a nenhum boi. Será que existem outras fontes que tenham conseguido furar pelo menos um nomezinho?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador