Saldo brasileiro na balança comercial pode ter superávit de US$ 50 bi

Jornal GGN – A expectativa para 2016 é que o saldo da balança comercial brasileira registre superávit. Com a redução das importações, instituições financeiras estimam um balanço positivo de US$ 33,4 bilhões, bem acima dos US$ 16,6 bilhões registrados até a terceira semana deste dezembro.

A pior projeção aponta para um superávit de US$ 25 bilhões. A melhor estima US$ 50 bilhões. Se confirmados os US$ 33 bi, será o melhor resultado do indicador desde 2007.

O jornal Valor Econômico conversou com especialistas que fizeram previsões para importações e exportações em diferentes setores da economia.

Do Valor Econômico

Especialistas já projetam para 2016 superávit de até US$ 50 bi

Por Arícia Martins, Marta Watanabe, Camilla Veras Mota e Tainara Machado

Considerado um dos poucos fatores positivos no cenário econômico do ano que vem, o superávit da balança comercial brasileira deve praticamente ter forte expansão em 2016 na comparação com este ano, avaliam economistas. O desempenho em grande parte ainda será influenciado pela redução das importações. Segundo a estimativa média de 23 instituições financeiras e consultorias ouvidas pelo Valor, o saldo positivo das trocas de bens com o exterior será de US$ 33,4 bilhões no próximo ano, bem acima dos US$ 16,6 bilhões registrados de janeiro até a terceira semana de dezembro de 2015. Se confirmado, esse será o melhor resultado para o indicador desde 2007. A projeção mais pessimista aponta saldo positivo de US$ 25 bilhões para a balança comercial e, do lado mais otimista, há quem estime superávit de US$ 50 bilhões.

José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), estima que a balança comercial será superavitária em US$ 29,2 bilhões no próximo ano. As importações, diz Castro, devem alcançar US$ 158,2 bilhões no período, com queda de 9,5% contra o projetado para este ano. Já as exportações devem somar US$ 187,4 bilhões, o que representa recuo de 1% em relação a 2015.

De acordo com o presidente da AEB, a substituição de importações por conta do real desvalorizado pesará na diminuição das compras externas, que deve ocorrer em todas as categorias de uso, mas o que vai fazer maior diferença é a retração da economia. Em suas estimativas, os desembarques de matérias­primas e bens intermediários vão cair 7,9% sobre este ano. Bens de capital terão queda de 11,8% e bens de consumo, 7,8%.

Do lado das exportações, a redução dos preços deve ser a principal influência na contração de 5,5% prevista para os embarques de produtos básicos, afirma Castro, mas a boa notícia é que o câmbio irá propiciar elevação no volume embarcado de bens manufaturados. Nas projeções da AEB, a exportação de industrializados irá crescer 3,1% em 2016, puxada principalmente pela alta de 5% no embarque de manufaturados. Os semimanufaturados, segundo estimativa, irão cair 2%.

Próximo do topo das previsões para o superávit da balança no próximo ano, o economista Igor Velecico, do Bradesco, trabalha com resultado positivo de US$ 44,3 bilhões para o indicador, mas pondera que os números mais expressivos devem ser avaliados com cautela, justamente pela tendência mais forte de retração das importações do que de avanço das exportações. “Vamos ter boa notícia quando as exportações de manufaturados voltarem a crescer.”

Depois de encolherem 25,5% em 2015, as importações devem recuar outros 8,9% em 2016 no cenário do Bradesco, somando US$ 156,5 bilhões. “Uma queda brutal nas importações dificulta o aumento da formação bruta de capital fixo e as chances de recuperação da economia”, observa Velecico. As exportações, por outro lado, devem voltar a subir, com alta de 6,5%, chegando a US$ 200,9 bilhões, após diminuírem 15,9% em 2015.

Continue a ler no Valor Econômico

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. dada a síndrome do “quanto

    dada a síndrome do “quanto pior melhor” que impregna o

    pensamento dos pessimistas de plantão, esses

    números até que são bem expressivos, né, não?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome