Superávit do setor público

Por Marcos Doniseti

Alem do fim da isenção de impostos para alguns produtos e da elevação dos compulsórios para o nível pré-crise, a elevação do superávit primário, que passou de 6% do PIB em Janeiro, para 3,3% em 2010, também irá contribuir para impedir o aumento da Selic.

Aliás, o superávit primário em Janeiro foi tão elevado que o Governo teve superávit nominal, ou seja, arrecadou mais do que gastou mesmo quando se inclui na conta os gastos com o pagamento da dívida pública.

E com isso a dívida líquida do setor público caiu de 42,9% do PIB para 41,7% do PIB.

Da Folha Online

Setor público tem primeiro superavit nominal em 15 meses

LORENNA RODRIGUES
da Folha Online, em Brasília

As contas da União, Estados e municípios registraram superavit de R$ 16,18 bilhões em janeiro, o melhor resultado desde outubro passado, de acordo com dados divulgados nesta quinta-feira pelo Banco Central. Em dezembro, o setor público havia tido superavit de R$ 275 milhões. Em janeiro do ano passado, R$ 7,35 bilhões.

No mês passado, o setor público pagou R$ 13,98 bilhões em juros. Com isso, descontado esse valor, as contas públicas registraram superavit nominal de R$ 2,2 bilhões no mês, contra deficit nominal de R$ 13,94 bilhões em dezembro e de R$ 7,49 bilhões em janeiro de 2009. Foi o primeiro superavit nominal desde outubro de 2008, ou seja, há 15 meses.

Em janeiro, a economia para pagar os juros da dívida –o chamado superavit primário- corresponde a 6,07% do PIB (Produto Interno Bruto). Nos últimos 12 meses, o superavit corresponde a 2,32% do PIB.

O resultado positivo nas contas do setor público foi conseguido por conta do superavit do governo central, que teve um resultado positivo de R$ 13,53 bilhões, contra superavit de R$ 1,83 bilhão em dezembro. Já os Estados e municípios tiveram deficit de R$ 3,7 bilhões, contra superavit de R$ 1,83 bilhão registrado em dezembro.

As estatais registraram superavit de R$ 946 milhões em janeiro. Em dezembro, o superavit foi de R$ 1,16 bilhão.

A relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB –principal medida de endividamento do setor público– caiu de 42,9% em dezembro para 41,7% em janeiro. O total da dívida chegou a R$ 1,31 trilhão.

LORENNA RODRIGUES
da Folha Online, em Brasília

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora