Uma morte estúpida

O final da Varig é a prova maior da ignorância nacional. Mostrou o despreparo e descaso de dois governos – FHC e Lula –, a incapacidade do Judiciário e a incompetência dos credores para chegar a um acordo que salvasse a empresa.

Mais que isso: mostrou o despreparo da opinião pública, em geral, para tratar de casos de recuperação de empresas. Punem-se empresas como se elas fossem gente, que precisassem dividir a punição com seus controladores.

A culpa da crise da Varig é dos administradores da empresa, não da companhia -que tem CNPJ, não RG. Se uma companhia é operacionalmente viável, e passa por problemas de gestão e de excesso de endividamento, em qualquer país racional do planeta, trata-se de afastar o gestor, colocar alguém que implemente um plano de recuperação. Depois, de modo figurado (e jurídico) se criam duas empresas: uma sem dívida, outra que herda as dívidas.

Porque se faz isso? Porque uma empresa como a Varig tem muito maior valor operando do que parada. Porque quando se tenta vender uma companhia com muitos esqueletos (dívidas) seu valor vai lá embaixo, porque o comprador desconta no preço a insegurança em relação ao total do passivo.

Quando se vende uma companhia limpa de passivos, o preço que se alcança é muito maior, e servirá para pagar uma parcela maior das dívidas da empresa velha.

Se o valor da nova companhia não for suficiente para quitar todas as dívidas, não faz mal. De qualquer forma, seu valor será muito superior ao de uma companhia parada.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora