Usiminas para produção de aço em Cubatão

Jornal GGN – A Usiminas deixará de produzir aço em sua usina em Cubatão (SP) e vai processar chapas que receberá de outra usina da empresa, em Ipatinga (MG). A decisão foi tomada para ajustar a configuração industrial e a capacidade produtiva da empresa, e é reflexo da crise econômica. A paralisação deve provocar demissões e também reflexos na economia da região.  Balanço divulgado nesta quinta-feira (29) indica prejuízo líquido de R$ 1,04 bilhão no 3º trimestre de 2015 e prejuízo líquido de R$ 780,8 milhões no 2º trimestre de 2015.

Enviado por jns

Do A Tribuna

Crise faz Usiminas parar de produzir aço em Cubatão

Paralisação provocará demissões e reflexos na economia de toda a região

Os dois fornos da Usiminas em Cubatão param de operar nos próximos dias. A usina terá áreas primárias desativadas temporariamente e deixará de produzir aço, passando a processar chapas que receberá da outra usina da empresa, em Ipatinga. 

 

A paralisação provocará demissões e reflexos na economia de toda a região. E foi tomada para que a empresa possa  fazer um ajuste de sua configuração industrial e capacidade produtiva. O quadro é reflexo da crise econômica e deverá resultar em demissões, grande temor das áreas industrial, sindical e política na região. 

De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Florêncio Resende de Sá, o Sassá, a categoria neste momento está em alerta.

“Nos reunimos com a empresa nesta manhã (de quinta-feira), depois da divulgação oficial do fechamento, mas não temos como tomar providências neste momento porque a empresa ainda não sabe quando nem como (a desativação) vai ocorrer”, afirma o sindicalista.

Ainda segundo Sassá, um possível fechamento já vinha sendo demonstrado pela empresa. “Eles não tem investido em equipamentos”.

Prejuízos

A direção da empresa não sabe ainda quantos serão demitidos, mas um balanço divulgado nesta quinta-feira (29) indica prejuízo líquido de R$ 1,04 bilhão no 3º trimestre de 2015 e prejuízo líquido de R$ 780,8 milhões no 2º trimestre de 2015. 

O número reflete, principalmente, a forte desvalorização cambial no período e o cenário de desaquecimento nos mercados siderúrgico e de minério de ferro. O objetivo da paralisação é fortalecer a capacidade competitiva da Companhia diante do contexto de progressiva deterioração do mercado siderúrgico. 

Para isso, a Usiminas iniciará imediatamente um processo de desativação temporária das áreas primárias da Usina de Cubatão: sinterizações, coquerias, altos-fornos (um dos quais já tinha suas atividades paralisadas desde maio de 2015), aciaria e de atividades associadas a estas áreas. 

A estimativa é de que este processo seja concluído entre três e quatro meses. As operações da Usina de Cubatão se concentrarão nas áreas de laminação (tiras a frio e tiras a quente) e terminal portuário. A siderúrgica está avaliando alternativas de como suprirá estas linhas com placas para serem laminadas. 

Chapas grossas

No dia 25 de setembro, a Usiminas anunciou a paralisação temporária do Laminador de Chapas Grossas na usina de Cubatão. A empresa alegou queda de demanda desse produto provocada pela crise econômica. 

Na ocasião, foi  a segunda unidade com atividades suspensas na usina de Cubatão. A primeira tinha sidoo Alto Forno 1, no dia 31 de maio deste ano. Com a paralisação, a produção de ferro gusa da empresa seria reduzida em aproximadamente 120 mil toneladas por mês. A siderúrgica também desligou o alto forno nº 1 da usina de Ipatinga, em 4 de junho, reduzindo sua produção de ferro gusa (material para fazer as chapas de aço) em cerca de 120 mil toneladas ao mês.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora