Gazeta do Povo recua e tira do ar o “Monitor da Doutrinação”

 
Jornal GGN – O jornal curitibano Gazeta do Povo resolveu retirar do ar sua ferramenta “Monitor da Doutrinação”. Segundo o jornal, a ferramenta não foi bem recebida por parte de seus leitores, o que levou a uma reflexão. Para a publicação, o que se propunha ali era “receber relatos de doutrinação ideológica nas salas de aula brasileiras”, e que seriam publicizados após ‘rigorasa apuração jornalística’. Não foi bem recebido.
 
Com a reação contrária, o jornal resolveu parar e refletir ‘se a ferramenta era condizente com o papel da comunicação, a finalidade editorial e a personalidade da Gazeta do Povo’. Segundo a matéria informativa do desfeito, o jornal entendia que isso iria contribuir para ‘um ambiente de debate cordial e construtivo’. Isto é o que entendiam.

 
Sempre apelando para sua postura cordial, amiga, respeitosa e inspiradora para ‘fortalecer a educação brasileira’, o jornal entendia que assim estaria cumprindo o propósito de ‘dar poder às pessoas para compreender e transformar para melhor o seu ambiente’. E achava que isso estaria indo de encontro à sua vontade de colocar a comunicação a serviço do desenvolvimento.
 
A Gazeta vai longe. Diz que sempre buscam uma visão mais propositiva. ‘São mais valiosos modelos inspiradores do que a simples denúncia – o que não reduz a relevância e importância da denúncia para a sociedade e o exercício do jornalismo’, insiste. 
 
Assim, após se explicar como jornal que busca a compreensão dos povos, concordam com as críticas recebidas, em parte, e entendem que a ferramenta incitava, isso sim, o clima de denuncismo e perseguição na escola.
 
E com votos de estima e consideração tiram do ar a triste ferramenta que espalha mais ódio. Termina a nota do jornal? Não, eles ainda acreditam que professores podem, sim, ideologizar suas aulas, porém entendem que esta ferramenta iria criar mais situações de abuso. Porém, sai a ferramenta, entra a função do jornalismo praticado ali, ou seja: “Por outro lado, não concordamos com situações de abuso. Elas existem e têm se tornado muito frequentes, tanto com a manifestação recorrente de opiniões de caráter partidário quanto com a exposição de temas moralmente inadequados. Temos total certeza de que é possível identificar abusos e desvios. Cabe, portanto, ao jornalismo o trabalho de identificar e apurar essas situações.”
 
Então pedem desculpas se alguém se sentiu atingido. E seguem.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora