MEC quer prova de alfabetização mesmo sem aval dos técnicos

Ministério abriu editais para contratar profissionais externos e executar teste com foco no método fônico, contestado por especialistas

Prédio do Ministério da Educação

Jornal GGN – O Ministério da Educação (MEC) quer passar por cima de técnicos e estatísticos da autarquia e realizar uma nova prova de alfabetização.

Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, foram abertos 11 editais para a contratação de 20 consultores externos para trabalhar por alguns meses na reformulação do exame para alunos do 2º ano do ensino fundamental, recebendo R$ 515 mil no total.

Esses profissionais devem elaborar centenas de questões para avaliar, por exemplo, a aptidão para “relacionar fonema com uma representação escrita” ou a “habilidade de leitura de frases simples na ordem direta e na voz ativa”. Tal metodologia, relacionada ao chamado método fônico de alfabetização, questionado por muitos educadores.

Ao mesmo tempo, especialistas afirmam que os técnicos do Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais (Inep), autarquia que define os critérios e os mecanismos das avaliações da educação no País, poderiam realizar esse trabalho.

Contudo, eles não concordam com uma prova que use apenas o método fônico, e alegam que já existem questões elaboradas para avaliar o 2º ano, que seguem a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento de 2017 que diz o que deve ser aprendido nas escolas.

E foi justamente a recusa dos técnicos que levou o ministro da educação, Milton Ribeiro, a abrir uma contratação direta. As inscrições ficaram abertas entre os dias 15 e 22 de março. Os 20 consultores terão remunerações que vão de R$ 28 mil a R$ 90 mil para trabalhar por um período de até oito meses.

A formação exigida em muitos casos é de “Superior e Mestrado ou Doutorado em qualquer área do conhecimento” e experiência de “2 anos em docência ou pesquisa em instituição de credibilidade”. Existe o temor de que o edital tenha cartas marcadas e integrantes do MEC já saibam quem pretendem contratar. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora