Ministro da Educação diz que universidades custam muito caro e critica reitora da UFMT

Durante cerimônia para lançar fundos à educação básica, Weintraub atacou professora Myrian Serra, reitora da Universidade Federal do Mato Grosso

Jornal GGN – Durante um ato realizado nesta sexta-feira (06), em Cuiabá, capital do Mato Grosso, para divulgar recursos à educação básica, o ministro da Educação Abraham Weintraub voltou a criticar o uso de investimentos públicos na educação superior.

“Quanto ganha um professor de uma universidade federal? Com dedicação exclusiva, cerca de R$ 15 mil a R$ 20 mil. Quantas horas de aula ele tem que dar? 8 horas”, disse o ministro segundo informações da TV Centro América, afiliada local da Globo.

O ministro destacou ainda que o governo federal trabalha para inverter as prioridades da educação, favorecendo o ensino básico em detrimento das universidades.

Quando questionado sobre o corte nas instituições públicas de ensino superior, criticou a gestão da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

“Não houve no Brasil todo qualquer paralisação ou universidade fechada. O único caso de ficar sem luz por 6h foi aqui e nós do Ministério da Educação (MEC) tivemos que intervir e ligar na concessionária de energia elétrica para que fosse religada. Eu acho que ela [Myrian Serra, reitora da UFMT] está enfrentando uma dificuldade, fruto da gestão que ela mesmo fez ao longo dos mais de três anos que está aí”, disse.

Weintraub anunciou hoje a liberação de R$ 15 milhões para as prefeituras de Cuiabá, Várzea Grande e Lucas do Rio Verde, todas do Mato Grosso. Os recursos serão aplicados na construção de creches, aquisição de ônibus escolares e de materiais para a infraestrutura nas salas de aula.

O GGN prepara uma série de vídeos sobre a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer se aliar a nós nesse projeto? Acesse www.catarse.me/LavaJatoLadoB

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora