Programa do governo Bolsonaro de militarização das escolas terá início

Ao todo, somam 54 escolas em todo o país que participam do primeiro teste da militarização do ensino

Escola com gestão militar, no Amapá - Foto: Maksuel Martins/Secom/Divulgação

Jornal GGN – O programa de militarização das escolas do governo de Jair Bolsonaro terá início. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, divulgou nesta quarta (26) a lista das instituições que irão participar: apenas Sergipe, Espírito Santo e Piauí não aderiram ao programa cívico-militar.

O projeto do governo é usar as Forças Armadas para atuar em funções administrativas e na gestão das instituições de ensino, e a adesão de estados e municípios é voluntária, dependendo da vontade dos governos estaduais e prefeituras.

Ao todo, somam 54 escolas em todo o país que participam do primeiro teste da militarização do ensino. O objetivo do governo de Jair Bolsonaro é chegar a 216 escolas cívico-militares em três anos. De acordo com o Ministério da Educação, cada unidade receberá R$ 1 milhão para inserir o projeto.

Com este montante, as Forças Armadas passam a ser responsáveis pela reformulação da escola em três âmbitos: educacional, definindo as atividades que os militares julgam fortalecer valores “humanos, éticos e morais”; didático-pedagógica, incluindo supervisão escolar e psicopedagogia; e administrativa, com infraestrutura e organização para o novo modelo a ser implementado.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Enquanto isso, o dólar supera R$ 4,50.

    Agora a culpa não é mais das empregadas domésticas que fazem farra na Disney mas do Coronavírus. É que o Bolsobosta culpa surto do novo coronavírus por alta do dólar.

    Mas o Guedes disse que dólar alto é bom prá todo mundo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome