Vozes do atraso, por Jorge Alexandre Neves

Como é comum no governo Bolsonaro, também o atual ministro da educação é ignorante ou mentiroso (ressaltando-se que o “ou” em questão não diz respeito a eventos excludentes)

Foto: Agência Brasil

Por Jorge Alexandre Neves

O que já foi ruim no passado recente deu um jeito de ficar pior. Em fevereiro de 2019, escrevi um artigo para o GGN (1) no qual mostrava a bobagem expressada pelo então ministro da educação sobre a universidade dever ser reservada para uma elite apenas. Agora, o atual ocupante da pasta vem com a mesma conversa, ao afirmar que as universidades devem ser reservadas para poucos (2).

+LEIA TAMBÉM: “Universidade é para poucos” e “alunos com deficiência atrapalham”: as pérolas do ministro da Educação

Este, por sua vez, se arriscou a tentar dar sustentação empírica à sua afirmação furada, recomendando que deveríamos seguir o exemplo da Alemanha, onde ocorreria o que propõe, a universidade para poucos. Como é comum no governo Bolsonaro, também o atual ministro da educação é ignorante ou mentiroso (ressaltando-se que o “ou” em questão não diz respeito a eventos excludentes).

O gráfico abaixo, com base em dados do Banco Mundial (3), mostra as taxas brutas de matrícula no ensino superior em oito países (4), incluindo o Brasil, e na OCDE (o chamado “clube dos países ricos”, no qual o governo Bolsonaro tanto sonha em colocar o Brasil). Observe-se que todos os países (bem como a OCDE) têm taxas de matrícula bem mais elevadas do que a brasileira.

O gráfico também mostra que todos os demais países formam claramente um conglomerado de elevado padrão (em torno de 60% ou mais de taxa bruta de matrícula), enquanto o Brasil, neste conjunto, fica isolado logo acima dos 40%. É importante, também, ressaltar que o Brasil passou por um expressivo crescimento da taxa de matrícula durante a década de 2000 e início da década de 2010 (algo que ressaltei no meu artigo anterior do GGN, citado na nota 1).

Não vou neste artigo me debruçar outra vez sobre a recusa à teoria do capital humano (uma abordagem econômica ortodoxa), por parte das elites tupiniquins, como fiz do artigo de 2019. Encerro ressaltando o claro viés “restaurador” que está por trás desse desejo das elites conservadoras brasileiras.

FAÇA PARTE DA COMUNIDADE DE APOIADORES DO GGN. ASSINE AQUI

Como ficou claro no meu último artigo aqui no GGN (5), uma elite estamental precisa desesperadamente ter o monopólio das melhores oportunidades educacionais. São as vozes do atraso tentando recuperar os privilégios da exclusão absoluta do povo que foram perdidos com os governos progressistas.

Jorge Alexandre Barbosa Neves – Ph.D, University of Wisconsin – Madison, 1997.  Pesquisador PQ do CNPq. Pesquisador Visitante University of Texas – Austin. Professor Titular do Departamento de Sociologia – UFMG – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas

Este texto não expressa necessariamente a opinião do Jornal GGN

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome