Home Crise Após críticas, Bolsonaro volta atrás de excluir 17 profissões da MEI

Após críticas, Bolsonaro volta atrás de excluir 17 profissões da MEI

Após críticas, Bolsonaro volta atrás de excluir 17 profissões da MEI
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN – Após anunciar o decreto que excluída 17 profissionais do MEI (Microempreendedor Individual), o presidente Jair Bolsonaro voltou atrás e revogou a medida.

A decisão que impedia diversas ocupações do setor cultural (DJs, intrutores de música, humoristas, instrutores de arte e cultura) de obter o benefício fiscal foi amplamente criticada nas redes sociais e por figuras públicas, incluindo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

“Determinei que seja enviada ao Comitê Gestor do Simples Nacional a proposta de REVOGAÇÃO da resolução que aprova revisão de uma série de atividades do MEI e que resultou na exclusão de algumas atividades do regime”, anunciou Bolsonaro em seu Twitter, na tarde de ontem (07).

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 COMMENTS

  1. O fracasso tem subido à cabeça de JB; de fracasso em fracasso, parece que vamos nos acostumando. Mas o negócio pode ser mais maligno do que desastrado: o pequeno mas surpreendente aumento do apoio à política econômica, como revela o Datafolha, sinaliza que uma hipótese a ser considerada é a de que o trabalho sujo de guedes, o predador, precisa ser ‘ofuscado’ do olhar crítico da cidadania, mediante superexposição dos arroubo e desatinos do chefe no picadeiro de agrado da “mídia”.

  2. Por acaso foi Bolsonaro que excluiu as ocupações? Não! Todos os anos são excluídas e adiciondas novas ocupações, para o próximo ano os motoristas por aplicativo entrarão e isso é decidido por uma comissão do Simples, da Receita Federa, não pelo presidente, seja ele qual for. Nos governos do Lula, da Dilma, do Temer, foram adicionadas e desenquadradas ocupações, eles sabiam disso? Não. Um presidente não precisa saber de tudo, nem tem como, por tem equipes em cada ministério.

    É uma resolução, não decreto, e esse foi de 2018, mas publicado em 2019, com mais algumas outras. Informe-se antes de espalharem notícias distorcidas. Fica vergonhoso. Parece que não entendem nada da legislação.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

GGN
Sair da versão mobile