Os 317 anos de Curitiba

Por Fernando Curi

Curitiba, 317 anos.

317º Aniversário de Curitiba PR (Brasil)

29 de Março de 1692

A cidade de Curitiba, encontra-se no planalto cristalino do Paraná, também chamado primeiro planalto paranaense, nas proximidades da Serra do Mar. A cidade ocupa a borda noroeste de uma pequena bacia sedimentar plistocénica, e o local caracteriza-se por um conjunto de vales, lagos e colinas suaves, cobertos de campos, com alguns capões de mata neles dispersos. Em redor domina a floresta sub-tropical, rica em pinheiros (araucárias) e erva-mate. Curitiba é banhada por vários afluentes do Rio Iguaçu (*), especialmente os Rios Belém e Ivo.

(*) Rio Iguaçu, nasce nos Campos de Curitiba, junto à cidade do mesmo nome, corre para o Rio Paraná, depois de percorrer 1.045 Km, separando em parte, Os Estados do Paraná e Santa Catarina.

Esta região começou a ser povoada em meados do século XVll, quando aí se descobriram algumas jazidas de ouro. Os primeiros habitantes provinham de Paranaguá, onde também fora achado ouro, no sopé da Serra do Mar, por volta de 1630. Esse pequeno estabelecimento foi em 1668, incorporado a Paranaguá, por Gabriel de Lara. Nessa altura, já havia surgido o povoado de Nossa Senhora da Luz e Bom Jesus dos Pinhais, que somente seria elevado a vila no ano de 1693. A indústria de minerais nunca chegou a desenvolver-se na região.

Quando no fim do século XVll se descobriram, as Minas Gerais, muito moradores partiram para lá, abandonando as suas fazendas. Em 1730, foi aberto o caminho de gado, que permitia o tráfico de animais (bovinos e muares) desde os campos de Viamão – RS (Rio Grande do Sul) até Minas Gerais – MG. A princípio o caminho passava pelos campos de Curitiba, de onde prosseguia em direcção à baixada paulista pelo vale da Ribeira de Iguape que, em sequência, incrementou-se a criação de gado em Curitiba.

Em 1820, Curitiba possuía somente duzentas e vinte casas, e chamava-se então Nossa Senhora dos Pinhais de Curitiba. A exportação de erva-mate, planta nativa na região, assumia grande importância nessa época. Vinte e dois anos mais tarde foi elevada a vila, contando então 5.819 habitantes. Em 1853, era criada a província do Paraná, da qual em 1854, Curitiba foi feita capital. A partir de 1867, fundaram-se trinta e cinco núcleos coloniais nas terras da e mata que circundam os campos de Curitiba, que eram integrados nas sua maioria por italianos e poloneses, tornando-se centro de activa região agrícola.

Houve a expansão da cultura do café pelo chamado Norte paranaense e da agricultura em geral no Oeste do Estado.

Curitiba em 1940, tinha apenas 140 mil habitantes.

Curitiba era uma região de floresta exuberante onde reinavam as araucárias. Os nativos tupi-guaranis, que a habitavam região, referiam-se a ela como Curii Tiba, que pode ser traduzido como pinheiral.

No início da Era Cristã, o Planalto Curitibano era habitado por povos ceramistas de tradição Itararé. Casas subterrâneas, encontradas em sítios arqueológicos nos arredores de Curitiba, mostram a adaptação dos nativos às condições adversas do clima, como os ventos frios.

Por época da chegada dos portugueses ao Brasil, o Planalto Curitibano era ocupado por grupos das famílias linguísticas Jê e Tupi-Guarani.

As primeiras décadas do século 16 marcaram o início de uma guerra de conquista dos europeus contra os povos indígenas que habitavam os planaltos do Sul e Sudeste do Brasil. Eram expedições portuguesas e espanholas em busca de metais e pedras preciosas e índios para escravizar.

Existem relatos de que os campos de Curitiba foram descobertos pela expedição de Pero Lobo, em 1531. Essa expedição bandeirante partiu de Cananéia em busca de ouro e prata na região dos Incas, seguindo uma trilha indígena que passava pelos arredores da atual. cidade de Ponta Grossa. A expedição acabou sendo dizimada pelos índios guaranis, nas proximidades de Foz do Iguaçu, durante a travessia do rio Paraná.

Em meados do século 16, surgiram as primeiras informações da existência de minas de ouro nos campos de Curitiba, atraindo os primeiros garimpeiros para a região.

Em 1649, Ébano Pereira, capitão das canoas de guerra da Costa do Sul, comandou uma expedição exploratória para subir os rios e atingir o planalto em busca de ouro. Para isso, recrutou pessoal na Vila de Nossa Senhora do Rosário de Paranaguá. Estabeleceram-se, inicialmente, na margem esquerda do rio Atuba, entre os atuais bairros de Vila Perneta e Bairro Alto. Posteriormente, mudaram-se para um local às margens do rio Ivo, atual. centro de Curitiba.

Em 1668, foi autorizada a instalação do pelourinho no povoado, visando sua elevação à condição de vila. O pelourinho era um poste de madeira com argolas de ferro, erguido em praça pública, onde os condenados pela justiça eram amarrados e chicoteados. Contudo, as autoridades públicas não foram eleitas para a instalação da justiça. Isso era necessário, pelas leis da época, para que o povoado passasse à condição de vila.

A primeira eleição de autoridades públicas somente aconteceu em 29 de março de 1693, promovidas pelo capitão-povoador Matheus Leme. O povoado passou, então, à categoria de vila, Vila de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais. A vila passou a se chamar Vila de Curitiba em 1701, já com 1.400 habitantes. Desde 1906, a data de 29 de Março de 1693 é adoptada oficialmente como a data de fundação de Curitiba.

Outras informações: http://www.caestamosnos.org/Pesquisas_Carlos_Leite_Ribeiro/Aniversario_Curitiba.html

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome