Re: A burocracia nas compras científicas

É possível fazer compras com cheque em qualquer loja, inclusive internacional. Para compras internacionais, você pode usar o seu cartão internacional, e quando chegar o boleto do mesmo, paga o valor que veio na fatura. Para prestar conta anexa o invoice e a fatura. Este mesmo procedimento é empregado pela FAPESP para as taxas de bancada. Acho que a burocracia do CNPq é relativamente baixa neste aspecto. Das agências de fomento, é a mais eficiente, seja na divulgação do resultado dos editais, seja, nos trâmites normais dos projetos (assinatura eletrônica, uso de e-mail como documento, etc.).

As outras duas agências federais, CAPES e FINEP. são muito mais burocráticas. Um exemplo da CAPES. Recentemente a CAPES lançou um Edital Pro-Equipamentos, para compra de equipamentos de médio porte pelos programas de pós-graduação. No edital permitia a compra de material importado, porém as despesas de importação corriam por conta da própria universidade, que normalmente não tem muito recurso sobrando. Iríamos fazer a aquisição de um equipamento importado no valor de US$ 15.000,00. O custo de importação fica em torno de 20% do valor do equipamento (pois não se paga imposto) estimado em US$ 3.000,00  total 18.000,00. Como a nossa unidade não tinha o recurso disponível, colocamos no projeto, o mesmo equipamento, mas com as taxas de importação + imposto + lucro da empresa nacional, e o mesmo foi orçado em R$ 70.000,00. Este valor muito mais alto, a CAPES paga os US$ 18.000,00 (R$ 32.400,00) não.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora