Após China detectar coronavírus em frango brasileiro, OMS diz que não há risco

Organização enfatizou a necessidade de os países manterem as medidas sanitárias sem, contudo, impedir os esforços bilaterais de comércio entre os países

Michael Ryan, da OMS

Jornal GGN – A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que não há risco de contágios de coronavírus pela cadeia alimentar, seja por meio de alimentos ou embalagens. A afirmação foi dada em meio ao anúncio de duas cidades chinesas que afirmaram ter encontrado vestígios de coronavírus em frangos congelados importados do Brasil.

“As pessoas não devem temer alimentos, embalagens de alimentos ou entrega de alimentos. Não há evidências de que a cadeia alimentar esteja participando da transmissão desse vírus”, afirmou o chefe do programa de emergências da OMS, Mike Ryan, em entrevista coletiva.

A epidemiologista da OMS, Maria Van Kerkhove, também minimizou o alerta da China, afirmando que o país examinou centenas de milhares de embalagens e “descobriu que muito poucas, menos de 10” tinham o vírus.

A Organização enfatizou a necessidade de os países manterem as medidas sanitárias sem, contudo, impedir os esforços bi e multilaterais de comércio entre os países, considerando os já impactos da pandemia nas economias.

Dessa forma, a OMS defendeu que a detecção analisada no caso não deve preocupar a população chinesa, sob o risco de impactar a importação de alimentos congelados do Brasil, neste caso específico.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora