Como a América Latina deve enfrentar as tensões EUA-China

Do Project Syndicate

15 de junho de 2021 | 

FELIPE LARRAÍN

PEPE ZHANG

SANTIAGO – Antes uma presença periférica na América Latina, a China se tornou um dos parceiros mais importantes da região. O comércio bilateral expandiu de US $ 12 bilhões em 2000 para mais de US $ 300 bilhões em 2020, aumentando a participação da China no comércio total da região de 1,7% para 14,4%. A China também se tornou uma fonte cada vez mais significativa de investimento estrangeiro direto na América Latina, respondendo por quase 10% dos ingressos nos últimos anos.

  • A crescente influência chinesa no hemisfério ocidental não passou despercebida pelos Estados Unidos. Sem um reinício à vista para as relações EUA-China, a rivalidade entre as duas maiores economias do mundo e os países comerciais continua a aumentar globalmente e na América Latina.

No curto prazo, a politização do acesso à vacina COVID-19 pode se tornar o mais recente gatilho para renovadas tensões sino-americanas. A médio e longo prazo – talvez já em 2035 – a China poderá substituir os EUA como o maior parceiro comercial da região. O país já é o maior parceiro comercial do Brasil, Peru e Chile, e recebe de 30 a 40% de suas exportações.

Nesse contexto, a questão chave para a América Latina é se a região pode se adaptar com sucesso – ou mesmo se beneficiar – da persistente dinâmica competitiva entre os EUA e a China. Mas a resposta permanece, na melhor das hipóteses, mista e obscura, em parte devido a diferenças significativas na região.

Considere a guerra comercial EUA-China, que aumentou em março de 2018 com a primeira rodada de tarifas retaliatórias. Embora os exportadores de soja do Brasil tenham obtido ganhos consideráveis nos últimos três anos, substituindo as exportações dos EUA para a China, outros países e setores latino-americanos não se beneficiaram necessariamente do desvio de comércio na mesma medida. Mesmo no Brasil, há incertezas quanto à sustentabilidade de longo prazo do boom das exportações desencadeado pela guerra comercial.

Além disso, o norte da América Latina (México, América Central e Caribe) tem relações comerciais marcadamente diferentes com a China em comparação com o sul da região, dependente de commodities. Embora o México já tenha capturado oportunidades de reshoring e nearshoring à medida que algumas cadeias de suprimentos saíam da China, a pandemia COVID-19 acabou com grande parte dessa sorte inesperada, pelo menos temporariamente.

As economias latino-americanas também são suscetíveis às repercussões indiretas das guerras comerciais. Em um nível macro, a região está entre as mais afetadas pela pandemia em termos humanos e econômicos. A América Latina responde por apenas 8% da população mundial, embora represente consistentemente 30% das mortes de COVID-19, e em 2020 sofreu a contração econômica mais profunda de qualquer região em desenvolvimento. As contínuas tensões EUA-China podem colocar pressão adicional para baixo em uma recuperação global e regional já incerta.

Em um nível micro, as tarifas retaliatórias e o crescente protecionismo desencadeado pela guerra comercial causaram danos colaterais às empresas latino-americanas. Em 2019, por exemplo, os exportadores chilenos de castanhas foram pegos de surpresa quando o governo indiano aumentou as tarifas da nação mais favorecida sobre as castanhas em resposta às tarifas bilaterais dos EUA sobre o aço indiano. A decisão afetou um carregamento chileno de castanhas que já estava no mar a caminho da Índia.

Com a América Latina enfrentando um ambiente internacional potencialmente sem suporte, devido a recuperações pós-pandêmicas divergentes e fricções comerciais sustentadas entre EUA e China, os formuladores de políticas devem buscar três prioridades.

Em primeiro lugar, os países latino-americanos devem permanecer vigilantes e navegar cuidadosamente pelas tensões EUA-China em questões que vão desde comércio e investimento até tecnologia 5G e vacinas COVID-19. A região é altamente heterogênea, especialmente entre o norte e o sul, de modo que a única regra prática para escolher entre os EUA e a China (que muitos consideram uma falsa dicotomia) deve ser o alinhamento com as metas e estratégias de desenvolvimento nacional.

Em segundo lugar, a América Latina precisa diversificar suas exportações, começando no nível de país. Adotar uma maior abertura comercial global e intra-regional reduz a dependência de mercados individuais, sejam os EUA ou a China. Apesar do protecionismo generalizado (exacerbado pelos controles de exportação induzidos pela pandemia), a América Latina pode desempenhar um papel construtivo no fortalecimento da cooperação comercial internacional. O Chile, por exemplo, que tem 30 acordos comerciais com 65 países , é um campeão regional e global do livre comércio.

Por último, a região deve explorar maneiras de aumentar sua competitividade de exportação de longo prazo. A redução das barreiras tarifárias e não tarifárias (inclusive por meio de melhorias na infraestrutura e regulatórias) e o aproveitamento das oportunidades apresentadas pela Quarta Revolução Industrial serão fundamentais para a redução dos custos de exportação. As medidas eficazes de promoção e facilitação do comércio não só ajudariam a mitigar o impacto das repercussões da guerra comercial, mas também apoiariam a diversificação e o desenvolvimento das exportações. Os governos devem complementar essas medidas com políticas internas de apoio para garantir os benefícios distributivos do comércio.

As tensões EUA-China não devem diminuir tão cedo, e a América Latina não será capaz de se isolar totalmente das consequências. Mas, ao seguir as lições dos últimos três anos, os governos e empresas da região podem se posicionar melhor para ter sucesso nos próximos três anos e além.

Felipe Larraín, ex-ministro da Fazenda do Chile (2010-14 e 2018-19), é Professor de Economia na Universidad Católica de Chile e membro da Comissão Lancet COVID-19, do Conselho de Liderança das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável e o Conselho Consultivo do Adrienne Arsht Latin America Center do Atlantic Council.

Pepe Zhang, diretor associado do Adrienne Arsht Latin America Center do Atlantic Council, é coautor de China-LAC Trade: Four Scenarios in 2035 e LAC 2025: Three Post-COVID Scenarios . 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome