Coronavírus: Macron anuncia saída gradual da quarentena

Retomada está programada para 11 de maio; presidente francês diz que é preciso deixar ideologias de lado e pede ‘refundação’ do país

Emmanuel Macron, presidente da França. Foto: Reprodução/Wikipedia

Jornal GGN – A França deve sair da quarentena decretada por conta do coronavírus a partir de 11 de maio, segundo pronunciamento feito pelo presidente Emmanuel Macron.

Em discurso transmitido pela televisão, Macron reconheceu falhas ao combate ao vírus no país, e pediu uma “refundação” do país, ressaltando que a crise gerada pela doença é uma chance de criar “um projeto de concórdia, um projeto francês, uma razão de viver juntos”.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, o tom adotado pelo presidente francês foi diferente do adotado quando a quarentena foi anunciada, em 16 de março – na ocasião, Macron repetiu por diversas vezes “estamos em guerra!”.

“Temos que reconhecer: o momento que vivemos é de comoção íntima e coletiva. Saibamos viver como tal e nos lembremos que somos vulneráveis”, disse o presidente, que pretende trabalhar a partir da próxima semana num “novo caminho” para a França.

Macron pediu que os franceses sigam restringindo sua mobilidade pelas próximas quatro semanas, afirmando que elas são indispensáveis para que os hospitais possam recuperar sua capacidade de atendimento. “Não há outra forma de agir com segurança para barrar o vírus e permitir a reconstrução”.

No dia 11 de maio, devem ser reabertas creches, escolas infantis, colégios e liceus, com reorganização tanto dos horários quanto dos espaços, para reduzir o risco de contágio.

De acordo com o mapa do coronavírus elaborado pelo Coronavirus Resource Center do Johns Hopkins University, a França era o quarto país com o maior número de casos de coronavírus no mundo: 137.875 registros, com 14.967 mortes e 28.001 pessoas recuperadas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora