EUA: Enquanto vigiavam o Twitter, as postagens falsas chegaram pelo TikTok

A desinformação nesses vídeos incluía narrativas falsas que afirmavam que as cédulas contadas para Joe Biden eram fraudulentas e que os funcionários eleitorais distribuíam marcadores aos eleitores de Trump para que seus votos não fossem contados.

Reprodução

Jornal GGN – O TikTok abrigou de tudo nesta peleja eleitoral dos Estados Unidos, desde teorias da conspiração até a conhecida desinformação, que circularam amplamente antes que fossem removidos. Foi uma surpresa. Inúmeras postagens imprecisas ou enganosas circulando enquanto as empresas de mídia social lutavam para conter os ataques de desinformação de Donald Trump.

Na quarta-feira, 4, o relatório identificou 11 exemplos de desinformação eleitoral que acumularam mais de 200 mil visualizações combinadas antes do TikTok removê-los. Na quinta, 5, descobriu que vídeos promovendo uma teoria da conspiração relacionada a QAnon sobre as cédulas se tornaram virais, acumulando mais de 200 mil visualizações em apenas algumas horas antes do TikTok removê-los por violar sua política de desinformação.

A desinformação nesses vídeos incluía narrativas falsas que afirmavam que as cédulas contadas para Joe Biden eram fraudulentas e que os funcionários eleitorais distribuíam marcadores aos eleitores de Trump para que seus votos não fossem contados.

Parte do conteúdo se originou de jovens influenciadores republicanos no TikTok: duas páginas pró-Trump chamadas Republican Hype House e The Republican Boys ecoaram a retórica de Trump ao alegar que a eleição estava sendo roubada. O TikTok reprimiu as contas, sinalizando alguns dos vídeos e levando uma das contas a postar um pedido de desculpas na quarta-feira, prometendo postar com menos frequência para garantir que não seja prejudicado pelo TikTok.

“Estamos trabalhando diligentemente para proteger a integridade de nossa plataforma à medida que o ciclo eleitoral continua”, disse TikTok em um comunicado. “Estamos removendo a desinformação eleitoral à medida que ela é identificada – de forma proativa por meio de tecnologia automatizada e investigações humanas, e de forma reativa por meio de relatórios de nossos usuários e parceiros”.

A empresa removeu quase todos os 15 vídeos mencionados em ambos os relatórios e vem reprimindo outras fontes de desinformação. Ele não removeu um vídeo, mas reduziu seu alcance e adicionou um banner com links para informações corretas.

Apesar desses exemplos virais, a plataforma de compartilhamento de vídeo é a mais nova das principais empresas de mídia social e está se saindo relativamente bem devido à sua inexperiência, disse Angelo Carusone, presidente da Media Matters e especialista em extremismo de direita e desinformação. Isso pode ser em parte porque, em comparação com o Facebook e o Twitter, o TikTok foi inicialmente visto menos como um fórum para notícias e discussões políticas e mais como um espaço para compartilhar vídeos engraçados.

“Acho que vale a pena focar nesses exemplos individuais, mesmo que não sejam representativos de toda a plataforma como um todo, porque o que eles fazem é identificar lacunas nas medidas preventivas que a plataforma possui”, disse Carusone.

Enquanto isso, o Twitter sinalizou ou removeu conteúdo com desinformação referenciando os resultados das eleições antes de serem divulgados – incluindo tweets de Trump. Ele também reduziu o alcance de tweets sinalizados e eliminou recomendações algorítmicas como tópicos de tendência para minimizar a disseminação de informações incorretas. O Facebook, da mesma forma, está sinalizando postagens em que o presidente ou outras pessoas anunciam dados antes que fontes confiáveis ​​o façam. Na quinta-feira, o Facebook fechou um grupo que estava sendo usado para se organizar em apoio à interrupção da contagem de votos em estados-chave.

Com informações do The Guardian.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora