Hamas: Gaza não ‘ficará em silêncio’ enquanto Israel aumenta o cerco

O cerco infligiu severas dificuldades aos residentes. A taxa de pobreza entre a população de Gaza atingiu 53%, enquanto a "pobreza extrema" está em 33,8%

Soldados israelenses se reúnem perto da barreira com a Faixa de Gaza em 16 de agosto [Menahem Kahana / AFP]

Do Al Jazeera

Hamas: Gaza não ‘ficará em silêncio’ enquanto Israel aumenta o cerco

por Ali Adam

Cidade de Gaza – A ameaça de uma nova guerra em Gaza continua a aumentar, enquanto os palestinos exigem o fim do bloqueio devastador de 13 anos e Israel aperta os parafusos da economia de Gaza enquanto visa as posições do Hamas.

Aviões de guerra e tanques israelenses bombardearam locais militares do Hamas na terça-feira em resposta aos balões incendiários lançados de Gaza em direção ao sul de Israel, de acordo com um comunicado do exército israelense.

Foi o 15º dia consecutivo que Israel lançou ataques contra a infraestrutura do Hamas e terras agrícolas na Faixa de Gaza. As facções militares de Gaza não responderam na terça-feira, embora já tenham lançado foguetes contra Israel após os ataques da semana passada.

Nenhum ferimento grave foi relatado em nenhum dos lados.

A escalada atual entre as facções palestinas na Faixa de Gaza e Israel foi causada pelo lançamento de balões incendiários por palestinos no sul de Israel nas últimas duas semanas como uma forma de pressionar Israel a suspender seu bloqueio paralisante imposto em 2007. Os balões e pipas frequentemente começam incêndios em fazendas em Israel.

Nos últimos dois anos, após o ímpeto dos protestos da Grande Marcha do Retorno, vários acordos foram feitos entre as facções palestinas em Gaza e Israel com a mediação do Egito, Catar e das Nações Unidas.

O Hamas, que governa Gaza, deveria fornecer segurança ao longo da demarcação que divide palestinos e israelenses, em troca do alívio de Israel ao bloqueio.

Mas os líderes palestinos em Gaza acusaram Israel de continuar a renegar a implementação de sua parte da barganha.

De acordo com relatos da mídia local palestina, Israel falhou em estender a zona de pesca permitida de Gaza para 20 milhas náuticas, permitir a construção de uma nova linha de energia na Faixa de Gaza, permitir que a usina de Gaza opere com gás natural e facilitar o movimento de mercadorias , incluindo a entrada de 1.200 caminhões por dia, pela passagem Karem Abu Salem (conhecida como Kerem Shalom para os israelenses).

Em resposta ao lançamento de balões incendiários, Israel tomou medidas punitivas contra Gaza ao restringir mercadorias que passassem pela passagem, fechando totalmente o mar aos pescadores de Gaza e interrompendo o fornecimento de combustível, fazendo com que a única usina de energia do território fechasse com eletricidade reduzida a quatro horas por dia.

“A escalada atual é um confronto entre as facções palestinas que estão lutando para levantar o bloqueio a Gaza e Israel, que está lutando duas vezes mais para mantê-lo no lugar”, disse o analista político Husam al-Dajani à Al Jazeera.

“Sempre que os palestinos protestam e exigem que o bloqueio seja levantado ou até mesmo aliviado, Israel responde apertando ainda mais o bloqueio e exacerbando ainda mais a crise em Gaza”, acrescentou.

“Ao fazer isso, Israel está adicionando mais lenha à fogueira e direcionando a situação para uma escalada e instabilidade. Você resolve um problema tratando de sua causa, não exacerbando a causa.”

Al-Dajani disse que o impasse pode levar a outro confronto militar total.

“E agora que Israel está ameaçando Gaza com outra operação militar, é surpreendente que Israel nem mesmo considerasse a flexibilização de seu bloqueio a Gaza e contemplasse qualquer outra alternativa”, disse ele.

‘Situação explodindo’

Basem Naim, oficial do Hamas, disse à Al Jazeera que apesar dos esforços para “evitar que a situação explodisse”, Israel continua a escalar o cerco a Gaza e evita se comprometer com acordos anteriores.

“O povo palestino na Faixa de Gaza está vivendo em condições insuportavelmente miseráveis ​​e sombrias … as facções de Gaza disseram aos mediadores que Gaza não permanecerá em silêncio sob essas condições trágicas.”

Os grupos armados de Gaza e as forças israelenses estão agora em alerta máximo e se preparando para novos confrontos. Autoridades do Hamas dizem que desta vez não cooperarão até que Israel levante totalmente o bloqueio a Gaza.

Em preparação para uma escalada, o exército israelense reforçou no domingo a implantação de baterias de mísseis Iron Dome no sul.

Enquanto isso, unidades de balões incendiários divulgaram um comunicado no sábado dizendo: “Não recuaremos e não descansaremos até que as demandas de nosso povo sejam atendidas e o bloqueio seja levantado.”

Em Gaza, facções palestinas estão unidas por trás da exigência de que Israel levante o bloqueio.

Na sexta-feira, a Câmara Conjunta das Facções de Resistência Palestina de Gaza, que inclui 13 grupos armados, emitiu um comunicado.

“Não permitiremos que o inimigo continue o cerco injusto sobre nosso povo … É direito de nosso povo expressar, por todos os meios apropriados, sua rejeição ao bloqueio”, afirmou.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, ameaçou assassinar os líderes do Hamas e da Jihad Islâmica se os balões de fogo continuarem, e sugeriu que outra guerra em Gaza é possível.

Calamidade econômica

Gaza está sob bloqueio israelense desde 2007, quando o Hamas assumiu o controle da Faixa de Gaza.

O cerco infligiu severas dificuldades aos residentes. A taxa de pobreza entre a população de Gaza atingiu 53%, enquanto a “pobreza extrema” está em 33,8%, de acordo com estatísticas do Bureau Central de Estatísticas Palestino (PCBS).

Cerca de 68% das famílias não têm o suficiente para comer, enquanto 80% dos habitantes de Gaza dependem de ajuda. A taxa de desemprego da área é de 45,1%, de acordo com a PCBS.

“A ocupação israelense quer manter o bloqueio à Faixa de Gaza”, disse Talal Abu Zarifa, membro sênior da Frente Democrática pela Libertação da Palestina.

“Israel quer impor a calma em Gaza sem levantar o cerco, e os palestinos rejeitam essa equação.”

Abu Zarifa acrescentou: “Quando a ocupação fecha as travessias e impede a pesca no mar, esses atos constituem uma punição coletiva e isso é contra o direito internacional e humanitário”.

Ele observou que “a ocupação” é responsável por tudo o que acontece na Faixa de Gaza.

A comunidade internacional deve pressionar Israel para levantar o bloqueio e parar todas as formas de punição coletiva contra o povo palestino, acrescentou Abu Zarifa.

Naim disse que o sofrimento dos moradores de Gaza se tornou “uma questão esquecida”.

“À luz disso, o povo palestino e as facções palestinas não têm outra opção a não ser tomar a iniciativa e levantar sua voz contra esta deterioração da situação humanitária e dizer que não aceitaremos morrer em silêncio”, disse ele.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome