Júri condena o ex-policial pela morte de George Floyd

Desde segunda-feira o júri popular estava reunido, isolado, para discutir o caso e chegar a uma decisão unânime. Anteriormente, testemunhas de defesa e acusação foram ouvidas. Chauvin se recusou a depor no tribunal

Ex-policial Derek Chauvi. | Foto: POOL / via REUTERS

Jornal GGN – O ex-policial Derek Chauvin foi considerado culpado nesta terça-feira, 20 de abril, pela morte brutal de George Floyd, um homem negro de 46 anos, assassinado na cidade americana de Minneapolis, em Minnesota, no dia 25 de maio do ano passado.  

Desde segunda-feira o júri popular estava reunido, isolado, para discutir o caso e chegar a uma decisão unânime. Anteriormente, testemunhas de defesa e acusação foram ouvidas. Chauvin se recusou a depor no tribunal.

O ex-policial foi considerado culpado todas as três acusações: por homicídio doloso, homicídio culposo e assassinato de terceiro grau – lesão corporal seguida por homicídio. A sentença final deve ser anunciada em oito semanas, mas Chauvin pode cumprir até 40 anos de prisão.  

Os 12 jurados se reuniram por cerca de 10 horas, isolados em um hotel de Minneapolis, para chegar ao veredicto. Eles foram proibidos de discutir o caso com outras pessoas e acompanhar as notícias. 

Na segunda-feira, acusação e defesa apresentaram seus argumentos finais no julgamento. O promotor Steve Schleicher pediu para que os jurados “acreditarem no que seus olhos veem”, ao exibir o vídeo que mostrava o ex-policial imobilizando Floyd, com o joelho em seu pescoço por nove minutos, enquanto o homem negro dizia que não conseguia respirar. 

Já o advogado do ex-policial, Eric Nelson, rebateu a acusação dizendo que ele se comportou como qualquer “policial razoável”, e seguiu o treinamento que recebeu ao longo de 19 anos no Departamento de Polícia de Minneapolis. Depoimentos de policiais experientes, no entanto, afirmaram que Chauvin fez uso desproporcional da força.

Logo após o veredito, o presidente americano Joe Biden e a vice, Kamala Harris, ligaram para a família de Floyd. “Não há nada que possa fazer tudo melhorar, mas ao menos conseguimos ter alguma justiça”, disse Biden.

Relembre: Caso George Floyd: a brutalidade do estado que só encontra vidas negras

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora