Justiça nega fiança a Julian Assange, apesar da decisão contra a extradição para os EUA

Dois dias depois de sua decisão contra o pedido de extradição dos Estados Unidos, que está sendo contestado, a juíza distrital Vanessa Baraitser disse que Assange “ainda tem um incentivo para fugir desses processos ainda não resolvidos”.

Frank Augstein - AP

Jornal GGN – Julian Assange teve seu pedido de fiança negado pela mesma juíza que rejeitou um pedido dos Estados Unidos de extraditá-lo para enfrentar acusações de espionagem e hackers.

Assange, cofundador do WikiLeaks, está na prisão de Belmarsh nos últimos 18 meses, após ter sido preso na embaixada do Equador, onde pediu asilo por sete anos.

Dois dias depois de sua decisão contra o pedido de extradição dos Estados Unidos, que está sendo contestado, a juíza distrital Vanessa Baraitser disse que Assange “ainda tem um incentivo para fugir desses processos ainda não resolvidos”.

“Por uma questão de justiça, os EUA devem ter permissão para contestar minha decisão”, disse a juíza no tribunal de Westminster, depois de supervisionar a audiência de extradição em Old Bailey no início desta semana e no ano passado.

Assange “já havia demonstrado disposição de desrespeitar” as ordens do tribunal, disse ela, e as pessoas que anteriormente haviam depositado sua confiança nele e dado garantias foram decepcionadas e viram seu dinheiro confiscado. Ela também estava satisfeita porque sua saúde mental estava sendo cuidada em Belmarsh.

Ao fazer o pedido de fiança, os advogados de Assange disseram que seu afastamento há oito anos, quando ele entrou na embaixada do Equador, ocorreu em “circunstâncias totalmente diferentes” e agora ele teve a oportunidade de se reunir no Reino Unido com sua parceira e dois filhos pequenos. Ele moraria no endereço deles e usaria uma tornozeleira.

Após a rejeição do pedido de extradição dos EUA na segunda-feira, Edward Fitzgerald QC disse que Assange “agora tem todos os motivos para permanecer nesta jurisdição, onde tem a proteção do Estado de Direito e a decisão deste tribunal”.

“A experiência de ir à embaixada equatoriana acabou sendo uma experiência extremamente desagradável que o levou a ficar sete anos confinado e a uma mudança de governo que levou a uma mudança de posição. É algo que ele provavelmente nunca repetirá”, acrescentou.

O pedido de fiança foi contestado por Clair Dobin, um advogado representando as autoridades dos EUA, que disse que o tribunal “não deveria ter ilusões” quanto à prontidão de outros estados em oferecer proteção a Assange.

Ela se referiu a uma oferta de asilo que o presidente do México estendeu a Assange após a decisão de segunda-feira. Assange não teria necessariamente que deixar o Reino Unido, disse ela, acrescentando: “Ele teria apenas que entrar na embaixada de outro país”

Segundo ele, suas atividades anteriores, incluindo o envolvimento em ajudar o denunciante norte-americano Edward Snowden, mostraram que Assange tinha recursos e “os meios absolutos” para organizar seu próprio voo.

No entanto, Fitzgerald disse que a oferta do México era “muito claramente” destinada a entrar em vigor após o processo legal no Reino Unido ter sido concluído e fornecer a Assange a opção de refúgio em outro lugar do mundo, onde ele escolheria deixar o Reino Unido.

“Não foi uma sugestão de que eles o recebessem em sua embaixada”, disse Fitzgerald.

Houve uma discussão sobre as taxas de Covid-19 na prisão de Belmarsh, onde os advogados de Assange afirmaram que houve um grave surto entre dezenas de prisioneiros na ala onde o homem de 49 anos estava detido.

“De qualquer forma, a posição [Covid-19 na prisão] está pior agora do que antes do Natal e ele estaria mais seguro se isolando com sua família na comunidade sujeita a severas restrições do que em Belmarsh, que claramente teve um surto muito significativo”, disse Fitzgerald.

O tribunal também recebeu a confirmação de que os advogados dos EUA vão apelar contra a decisão de extradição de segunda-feira. Embora rejeitasse os argumentos de que Assange não teria um julgamento justo nos EUA, na segunda-feira ela bloqueou a extradição com base em que os procedimentos nas prisões não o impediriam de potencialmente tirar a própria vida.

O promotor americano que busca colocar Julian Assange em julgamento nos Estados Unidos, entretanto, disse que não tem certeza se o novo governo de Joe Biden continuará a buscar a extradição do co-fundador do WikiLeaks.

Com informações do The Guardian

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora