Maduro recebe Plano Pátria, com medidas escritas por Chavez para o governo

da Agência Brasil

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, recebeu na noite desta quarta-feira (4) o Plano da Pátria 2013-2019 – aprovado como a Lei da República no dia anterior. O documento traz as diretrizes que o governo venezuelano deverá seguir nos próximos anos. De acordo com Maduro, o plano foi escrito a mão pelo presidente Hugo Chávez, e deixado como “testamento” para o planejamento governamental. Um ato solene marcou a entrega do plano. Cerimônia transmitida em cadeia nacional de rádio e TV. 

“Eu chamo vocês [povo] para trabalharmos juntos, para que trabalhemos pela paz, para que possamos converter o Plano da Pátria em uma carta de navegação para o futuro. Não é um plano feito por um grupo de especialistas em marketing internacional, para enganar o povo e nem um conjunto de propostas vazias”, disse.
 
O plano foi aprovado pela Assembleia Nacional Constituinte venezuelana. O documento foi escrito por Chávez após uma convocatória feita por ele, quando, em meio ao tratamento contra o câncer, chamou os movimentos sociais que compõem o Poder Popular, que em novembro do ano passado debateram ideias em todo o país para criá-lo. 
 
O texto será usado para direcionar as ações governamentais em matéria social, econômica e cultural. O plano visa à “preservação da independência nacional, a continuidade da construção do modelo socialista do século 21, além de estabelecer a meta de transformar a Venezuela em uma potência mundial, bem como construir um mundo pluripolar e salvar a vida do planeta”.
 
Para o governo de Nicolás Maduro e apoiadores do chavismo, o Plano da Pátria 2013-2019 é considerado o testamento político de Chávez que “ordena os objetivos para dar continuidade à revolução bolivariana no país”. 
 
Durante a cerimônia no Palácio Miraflores, em Caracas, Maduro rejeitou as críticas da oposição, que não queria a aprovação dalei. “Não é nada novo que esta velha classe política da oposição venezuelana tenha usado falsos argumentos para negar a aprovação do plano”, disse.
 
A oposição critica o fato de o texto ter sido aprovado como Lei da República, e ainda o fato de que o documento contempla um acordo cívico-militar para proteger o atual governo. 
 
Além da entrega do plano, na reta final da campanha eleitoral, o governo procura manter vivo o nome de Hugo Chávez e a ideia de continuidade do atual governo. Em novembro, o governo decretou o dia 8 de dezembro como o “Dia da Lealdade e do Amor ao Comandante Chávez”, o decreto de número 541 foi publicado no Diário Oficial venezuelano, para “exortar o povo a honrar a herança do comandante supremo Hugo Chávez”.
 
A oposição também luta para conquistar mais prefeituras. O governador de Miranda e líder dos oposicionistas, Henrique Capriles, percorreu o país nos últimos meses tentando convencer o eleitorado a ampliar o apoio aos partidos opositores.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

MarcoPOA

- 2013-12-05 11:51:46

Estava no cofre? Não foi

Estava no cofre? Não foi psicografado?

O Brasil escolheu essa tranqueira como parceiro, assim como outros boliviarianos locais do 'Mercosur'.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador