Mídia estatal chinesa acusa EUA de tentarem roubar TikTok

Um debate de uma semana sobre o futuro do TikTok veio à tona no fim de semana quando o presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou proibir o aplicativo de operar nos Estados Unidos.

Foto Tecmundo

Da CNN Business

Mídia estatal chinesa acusa EUA de tentarem roubar TikTok

Hong Kong (CNN Business) – A mídia estatal chinesa está atacando Washington esta semana pelo que chama de “desagradável” tratamento dos Estados Unidos com o TikTok – o popular aplicativo de compartilhamento de vídeos que se tornou emblemático pelo agravamento das relações EUA-China.

“A dissociação dos EUA da China começa [com] a matança das empresas mais competitivas da China”, escreveu o Global Times, um tablóide estatal, em um editorial publicado segunda-feira. “No processo, Washington ignora as regras e não é razoável”.

Um debate de uma semana sobre o futuro do TikTok – que pertence à empresa de tecnologia ByteDance, sediada em Bejing – veio à tona no fim de semana quando o presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou proibir o aplicativo de operar nos Estados Unidos. Os formuladores de políticas têm expressado repetidamente preocupação de que o TikTok possa representar uma ameaça à segurança nacional, caso os dados coletados sobre seus usuários nos EUA acabem nas mãos do governo chinês. A TikTok, no entanto, disse que armazena seus dados fora da China e que resistiria a qualquer tentativa de Pequim de capturar as informações.

Na segunda-feira, Trump disse que estaria aberto a permitir que uma empresa americana comprasse o TikTok, embora com a ressalva incomum de que qualquer acordo teria que incluir uma “quantidade substancial de dinheiro” vinda ao Tesouro dos EUA. A Microsoft (MSFT), com sede no Estado de Washington, emergiu como um potencial comprador e disse que está buscando um acordo.

A disputa despertou ira dos meios de comunicação estatais chineses, cujos editoriais são frequentemente vistos como um barômetro de sentimentos entre os altos funcionários.

O jornal estatal China Daily, por exemplo, descartou uma possível venda do aplicativo como uma ação de “esmagar e agarrar” orquestrada pelo governo dos EUA.

“O assédio moral do governo americano às empresas de tecnologia chinesas decorre de os dados serem a nova fonte de riqueza e sua visão de soma zero do ‘primeiro americano’ ‘”, escreveu o jornal em inglês em um editorial na segunda-feira. “A China nunca aceitará o ‘roubo’ de uma empresa chinesa de tecnologia”.

Os problemas do TikTok nos Estados Unidos também levaram a um debate na China sobre como o tratamento do aplicativo se compara à maneira como Pequim trabalha com empresas de tecnologia americanas. Muitos serviços fornecidos por empresas de destaque como Google (GOOGL) e Facebook (FB) são bloqueados inteiramente na China continental. (Os serviços da Microsoft, incluindo o mecanismo de pesquisa Bing e a plataforma de videochamadas do Skype, estão notavelmente disponíveis no país.)

“A China na verdade não proíbe sites ou softwares americanos – exige apenas que eles ‘sejam chineses’, pois operam na China”, escreveu Hu Xijin, editor-chefe do Global Times, em um post no site de mídia social chinês Weibo. “O TikTok está em total conformidade com as leis dos EUA… mas o governo dos EUA ainda quer proibi-lo.”

“A abordagem americana é muito mais determinada e difícil em comparação com a chinesa”, acrescentou. O ex-presidente do Google China Kai-Fu Lee apresentou argumentos semelhantes em um post do WeChat sobre o TikTok, amplamente divulgado na mídia chinesa, dizendo que as leis chinesas são claras sobre o que empresas estrangeiras podem fazer para operar na China. No caso da TikTok, porém, a empresa não teve outra escolha a não ser considerar uma venda forçada.

“Não é apenas um casamento sob espingarda. Mas também uma disputa de poder”, escreveu ele em um post no domingo no site de mídia social WeChat. O cargo foi posteriormente promovido pelo Diário do Povo, porta-voz oficial do Partido Comunista Chinês. “Isso é realmente triste para a Bytedance.”

Em um memorando interno enviado aos funcionários na segunda-feira, o CEO e fundador da ByteDance, Zhang Yiming, reconheceu que “os últimos meses foram um período desafiador para todos nós”.

“Iniciamos discussões preliminares com uma empresa de tecnologia para ajudar a abrir caminho para continuarmos oferecendo o aplicativo TikTok nos EUA”, escreveu Zhang no memorando, que a ByteDance forneceu à CNN Business.

“Ainda não sabemos os detalhes exatos de qual será nossa solução final”, acrescentou.

“Sinceramente, é improvável que o nível de interesse e especulação em torno do TikTok pare no curto prazo, e reconheço que isso pode ser muito perturbador”.

A mídia chinesa lamentou as lutas da ByteDance nos Estados Unidos. O jornal nacional Guangming Daily, na segunda-feira, sustentou o debate sobre o TikTok como emblemático do tipo de experiência que pode aguardar outras empresas chinesas com planos de expandir-se para além da China continental.

“Para quem o TikTok está dançando?” o jornal perguntou em um editorial, acrescentando que “as fortunas da ByteDance não podem ser revertidas por nenhuma estratégia de negócios e abordagem de marketing”.

“É um objeto de referência para qualquer empresa chinesa que queira se tornar global”, acrescentou o jornal.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Americano não aceita regras da concorrência.
    Por aqui ate mourao percebeu que subjugar-se as ordens e ameaças trazidas pelo embaixador americano, poderá significar o fim da obtenção de tecnologias de ponta a preço adequado. Eles querem ditar os rumos do mundo no sentido que toda vantagem seja deles, mesmo que inferiorizados no produto oferecido.

    https://www.jb.com.br/economia/marcas/2020/08/1024976-mourao-exalta-huawei-e-diz-que–ninguem-pode-ser-proibido–do-leilao-5g-no-brasil.html

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome