Monsanto pretende cultivar semente de cânhamo transgênico no Uruguai

Sugerido por jns

http://www.drugpolicy.org

http://actualidad.rt.com/tag/Monsanto

http://www.lr21.com.uy/comunidad/1111412-denuncian-a-monsanto-tras-campana-pro-legalizacion-de-marihuana-transgenica

http://actualidad.rt.com/actualidad/view/116636-polemica-uso*marihuana-medina-argentina

http://actualidad.rt.com/ultima_hora/view/116299-uruguay-exportar-marihuana-canada

A Monsanto pretende patentear uma nova semente de cânhamo transgênico para cultivo no Uruguai. Por sua vez, a Fundação Open Society e o grupo Drug Policy Alliance – DPA, planejam comercializar a maconha sob suas próprias marcas.

RT | 11 de janeiro de 2014

O bilionário americano George Soros está entre os acionistas da Monsanto e também está por trás de duas organizações não-governamentais que promovem a descriminalização da maconha no Uruguay.

Soros promoveu o forte lobby sobre as autoridades uruguaias para antecipar a descriminalização da maconha no país sul-americano, de acordo com relatos de muitos blogueiros durante vários meses. 

A mídia revelou que o financiamento da campanha televisiva para a ‘regulamentação responsável’ da maconha no Uruguai foi de cerca de US $ 100.000. 

Segundo os críticos, o objetivo da Monsanto e das organizações fundadas por Soros, o famoso investidor nascido na Hungria, é encontrar um novo mercado para ser regulado de acordo com os próprios interesses.

De acordo com a avaliação de analistas da situação uruguaia, há um interesse particular no novo produto desenvolvido pela empresa especializada em sementes transgênicas, que é apontado como maconha medicinal.

O cânhamo híbrido, geneticamente modificado, poderia conter maior princípio ativo, acreditam os especialistas. 

Eventualmente, a Monsanto poderia patentear e comercializar estas drogas, aproveitando-se de sua condição monopolista, apesar da controvérsia sobre o uso da maconha para fins medicinais em diferentes países. 

A indústria farmacêutica francesa promoveu o lançamento de uma droga medicinal  com base canabinóide. 

A mesma classe de compostos orgânicos é parte de dezenas de medicamentos, cremes e aditivos alimentares fabricados na República Tcheca. 

https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=bPq02IPszzE width:640 height:480 align:center

O Canadá se destaca como o maior mercado potencial para a cannabis geneticamente modificada (OGM). 

O governo canadense contatou Montevidéu para avaliar a compra de maconha logo após ser aprovada a venda e a distribuição de cannabis no país.

***

No seu site a Drug Policy Alliance – DPA – é definida como a principal organização do país para a promoção de políticas de drogas que são fundamentadas na ciência, na compaixão, na saúde e nos direitos humanos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

19 comentários

  1. O Soros tb está interessado

    O Soros tb está interessado na liberação das drogas. Os esquerdistas sem saber, dando as mãos para as mega-coorporações. Parabens a todos os envolvidos.

  2. “Monsanto: Growth for a Better Grass.”

    Monsanto: tecnologia que protege a maconha.

     

    “Monsanto: Growth for a Better Grass.”

     

    El golpe en Paraguay tiene nombre: Monsanto

     

     

  3. Antes, proibir.

    Estranho.

    Enquanto maconha era mato que nascia em qualquer barranco, proibição total, com prisões e tudo mais. 

    Agora, de olho na $$$$$$ todo mundo liberando – quer dizer, liberando para “prender” mais, desta vez nas mãos dos monopolistas de sempre.

    Os traficantes já devem estar pensando nos próximos passos, nas próximas drogas, das que matam 100 vezes mais rápido, para serem proibidas e eles poderem continuar ganhando a vida como dantes.

    • business, business, business

      O ex-diretor de estratégia corporativa da Microsoft, Jamen Shively, anunciou planos para criar a primeira marca nacional de maconha – como a Starbucks é o nome dominante no café – nos Estados Unidos.

      A nova empresa, com sede em Seattle, espera líderar a comercialização de cannabis recreativa e medicinal na nação norte-americana, importando, legalmente, a matéria prima do México.

      O empresário disse que o financiamento inicial será de US $ S10 milhões para o projeto que abrange, inicialmente, os dois estados americanos que legalizaram a maconha recreativa e os 18 que permitem o uso medicinal.

      “É um mercado gigantesco. Ficaríamos felizes se tivermos 40% da maconha em todo o mundo”, disse Shively em declarações publicadas pelo jornal El Mundo, da Espanha.

      http://eideard.com/tag/jamen-shively/

      ***

      El ex directivo del gigante informático quiere convertirse así en el padrino de la venta legal de marihuana luego de que los estados de Washington y Colorado aprobaran en noviembre su uso y venta con fines recreativos, sumándose así a otros 17 estados de la Unión en los que está regulado su uso terapéutico, según publica este sábado Infobae.com.

      La asociación entre el exprimer mandatario Vicente Fox y Shively asombra todavía al mundillo empresarial de norteamérica.

      FOTO: El exejecutivo de Microsoft junto al expresidente conservador Vicente Fox. Detrás, el dibujo de una planta de marihuana, símbolo de “Diego Pellicer”, la nueva marca global de productos cannábicos. (AFP)

      “Es la primera vez en la historia, no solamente de Estados Unidos sino del capitalismo mundial, que en un mercado del orden de los 50.000 millones de dólares anuales no existe una marca comercial”, señaló Shively durante un foro sobre la legalización de la marihuana en México.

      http://www.subrayado.com.uy/Site/noticia/25326/exejecutivo-de-microsoft-lanza-marca-de-productos-de-marihuana

    • farsa ou tragédia

      Há décadas, o tb uruguaio, Eduardo Galeano vinculava a proibição do plantio do cânhamo à Du-Pont e à ‘frutera’.

      Farsa ou tragédia, a discriminalização (foi isso que aconteceu no Uruguai) do cânhamo, 70 anos depois, é patrocinada pela Monsanto.

  4. Canabis Modificada na Colômbia

    Colômbia: cresce o cultivo de maconha modificada em Cali

    Brasil Econômico  | AFP  | 20/06/11
    A uma hora de carro da cidade colombiana de Cali, em um lugar que camponeses pediram para não ser divulgado, a maconha é cultivada em campos abertos e em estufas, de forma geneticamente modificada para dar sensações mais intensas e ser vendida por um preço maior.

    Pode-se chegar ao local caminhando, e na montanha as famosas matas de folhas de estrela são vistas sem dificuldade, em meio a cultivos lícitos. Nessa região do sudoeste da Colômbia, perto de Cali (500 km a sudeste de Bogotá), dizem que sempre houve cultivos, apesar de segundo os botânicos a maconha ter sido introduzida na Colômbia nos anos 1930.

    Primeiramente, foi cultivada legalmente para fabricar fios até que foi proibida, em 1962, para cumprir normas internacionais.

    Mas os camponeses dessa região nunca perderam o costume, por razões puramente econômicas.

    Os camponeses asseguram que o café ou a banana, típicos dessa região tropical, não são culturas que permitem a sobrevivência, porque os preços flutuam e é necessário levar a mercadoria para algum comércio antes de que estrague, o que às vezes é difícil por conta do isolamento em que vivem e pela falta de rodovias em bom estado.

    Segundo o especialista em botânica Luis Miguel Álvarez, da Universidade de Caldas (Manizales), autor de estudos sobre a maconha, essa planta lhes oferece em troca melhores meios de subsistência já que “uma vez colhida e seca é pouco perecível, enquanto que outros cultivos, se não são vendidos imediatamente, se perdem”.

    “Agora está cara”, diz um camponês, explicando que pode vender em torno de 11 quilos por 160.000 (cerca de US$ 90).

    “Não gostava de cultivar maconha, mas fui compelido. Tomei um crédito para semear café e fiquei pendurado, porque a variedade Colômbia, que dava naquele tempo era muito pequena e tive de vender barato, quase de graça; a partir daí, minha irmã me disse: cultive maconha, e me ensinou”, completa.

    O fenômeno intensificou-se com a chegada de sementes modificadas geneticamente de Europa ou Estados Unidos, o que permitiu “mudar a modalidade do cultivo, com maior produção e maior qualidade, em menos tempo”, com a variedade denominada “creepy”, diz a polícia local.

    Segundo um investigador estrangeiro, na Europa inclusive existe uma variedade apelidada com o nome de um povoado próximo (departamento colombiano de Cauca), “La Cominera”, porque ali foi onde mais prosperou.

    “Seu valor no mercado é muito maior que o da maconha normal”, por sua maior concentração de THC, o princípio ativo dessa planta, explica o especialista.

    A de maior valor é cultivada em estufas, e a dona de uma propriedade explica que essa variedade modificada geneticamente é vendida a 100.000 pesos (US$ 55,7) o quilo, ou seja, dez vezes mais que o “normal”.

    Nenhum dos camponeses, no entanto, aceita contar quem são os compradores, apenas dizem que pasam a mercadoria por caminhão.

    A polícia, por sua vez, assegura que nessa região da Colômbia, a maconha é o principal modo de financiamento da sexta frente da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc, marxistas).

    “É um grande problema, 90% da sexta frente é financiada com a maconha”, assegura à AFP o coronel Carlos Rodríguez, comandante da polícia de Cauca.

    Nessa região, “este ano apreendemos 27 toneladas (até junho) frente a 23 do ano passado”, completa.

    Até agora este ano, em todo o país foram apreendidas ao menos 41,8 toneladas de maconha. Em 2010, foram apreendidas 228 toneladas, segundo a polícia.

    A maconha é enviada para o porto de Buenaventura (550 km a oeste de Bogotá), ou para os departamentos fronteiriços com a Venezuela, ao norte, para ser vendida no Equador e na Venezuela.

    “É inquietante, porque os ganhos destes grupos são maiores e assim podem adquirir mais armas e explosivos”, afirma o coronel Rodríguez.

  5. George Soros

    Uruguay: Las sospechas sobre el lobby de Monsanto con la Marihuana

    Principalmente las sospechas recaen sobre George Soros, quien como accionista de Monsanto impulsa proyectos de despenalización del cannabis a través de su fundación Open Society y la Drug Pollicy Alliance, que cuenta con la membresía de ex militares, jefes de inteligencia y banqueros de la FED.

    http://urgente24.com/areax/2013/07/uruguay-las-sospechas-sobre-el-lobby-de-monsanto-con-la-marihuana/

  6. tem que ficar de olho no

    tem que ficar de olho no alarde dos setores proibicionistas que certamente vão tentar espalhar boatos mil para frear a legalização e o fim de seu ganha pão, incluindo a indústria de ARMAS. prefiro mil vezes a Monsanto ganhando um pouco mais de dinheiro do que as indústrias que vendem os fuzis que estraçalham pobres e pretos nas periferias latino-americanas.

     

    por outro lado, a população tem que estar sintonizada com a questão para perceber que apenas uma legalização com controle social e popular pode resolver os problemas criados pela proibição e impedir que Monsantos e afins venham “urubuzar” o mercado, coisa que já ocorre na Industria Farmacêutica (que em realidade será a verdadeira natureza do Monsanto, caso ela queira investir em maconha MEDICIAL).

  7. Me comove como estas pessoas

    Me comove como estas pessoas são altruistas e fazem tanto pelo bem da humanidade. Por que já não sou capaz de me surpreender quando leio coisas assim? Não vou estranhar se a combinação explosiva (transgênicos X ganância X fome X alimentos X monsanto) for das grandes responsáveis pela terceira e última guerra mundial…

  8. Agora sim, a maconha vai virar uma droga

    Agora sim, a maconha vai virar uma droga…

    E no futuro, a repressão será sobre os produtores e usuários  da erva não trangênica e serão multas e processos em quem ousar quebrar o monopólio transgênico com sementes naturais , não modificadas…

  9. Agora, vai!
    Esse George Soros

    Agora, vai!

    Esse George Soros é um gênio. A fim de ganhar muuuita grana, abraça uma causa popular e progessista… Cada vez mais, admiro os teóricos do capitalismo que há mais 300 anos já diziam que a soma dos interesses individuais é que causa o bem estar de todos.

    Por outro lado, vai ser interessante ver , mais lá pra frente quando tudo estiver dominado pelas grande corporações,  atuais progressistas querendo ver proibidas as drogas porque elas “fazem mal” e são instrumento de dominação do malvado Kapital. 

    Parece que o exemplo chinês – de uma nação totalmente e propositadamente chapada – vai se repetir, agora como uma grande farsa…

  10. O que será pior?

    A maconha continuar a ser proibida ou ser legalizada com o lobby de grandes grupos?

    Ativistas pró-legalização lutam há tempos e são criminalizados por questionar os motivos da não legalização. Mas empresas como a Monsanto, no seu sonho (e pesadelo nosso) de patentear todas as sementes do mundo, faz propaganda e lobby abertamente e os judiciários de vários países não vêm crime como vêm nas passeatas de ativistas.

    Se o desejo da Monsanto se realizar, ninguém poderá colher uma folha de maconha sem antes pagar o royalt da multinacional dos transgênicos. Mas e as sementes tradicionais? Se misturam as transgênicas e ninguém poderá plantar sem anuência da Monsanto. Quem controla a natureza a ponto da planta transgênica não espalhar suas sementes em plantações não transgênicas? A Monsanto sabe disso!

    Sonho da Monsanto: Adeus sementes tradicionais e bem-vindas sementes transgênicas, chegará o dia em que ninguém poderá plantar sem comprar uma semente nossa.

    Que se legalize a maconha, mas nunca a transgênica.

    Como diria o Planet Hemp: ” … Uma erva natural não pode te prejudicar …”. Se é transgênico, não é mais natural, logo pode sim te prejudicar.

     

  11. Na minha mente agora vem

    Na minha mente agora vem todos aqueles sozinhos de jovens com a legalização, viva a alienação ! Estou torcendo para que o mujica perca futuras eleições para que só assim não queiram repetir algo semelhante aqui.

    • Não

      O problema não é a Cannabis… talvez seja o álcool, mesmo porque a Cannabis é cultivada a pelo menos 27.000 anos. Talvez o problema seja o cristianismo – depois do Império Romano a liberdade individual totalmente colapsou.

      Alienção é achar que a maconha aboba as pessoas, a Cannabis bem tratada faz bem a saúde – fato científico.

      Alienação é não perceber o apocalipse que são os transgênicos, não só da Cannabis, mas do milho, da soja e futuramente até das florestas…

      Se reanalise… é sério.

       

      Sinceramente,
      Felicidades!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome