O caso Ghosn e o Brasil, por André Araújo

Por André Araújo

O caso Ghosn e o Brasil

Carlos Ghosn é o executivo brasileiro de maior relevância mundial. Dirão os céticos “ah, ele não é mais brasileiro, fez carreira na França”. Negativo, Ghosn, nascido nos confins da Amazônia é brasileiríssimo e tem solidas raízes no Brasil, sua mãe mora no Rio de Janeiro e ele tem residência e laços no país onde nasceu. Na França, fez sua impressionante carreira, depois projetada no Japão, mas ele também trabalhou dez anos no Brasil como principal executivo da fábrica de pneus Michelin, onde iniciou sua vitoriosa carreira.

Ghosn foi preso no Japão em função de um GOLPE CORPORATIVO, claro, para tirá-lo do comando da NISSAN, empresa que ele salvou da falência e transformou na montadora de automóveis mais lucrativa do planeta. Criou uma aliança ente RENAULT, NISSAN e MITSUBISHI que se tornou o MAIOR GRUPO AUTOMOTIVO DO MUNDO em número de automóveis produzidos, superando Toyota e Volkswagen. Porque foi um GOLPE CORPORATIVO?

1. Quem o denunciou à Justiça japonesa foi o executivo que ELE INDICOU como Presidente da Nissan, uma traição pessoal. A denúncia baseou-se em dois itens: SONEGANÇAO FISCAL sobre honorários recebidos da Nissan e uso de MORDOMIAS pagas pela Nissan, especialmente a compra de um apartamento no Rio de Janeiro, que pertence à Nissan, mas era usado por Ghosn quando vinha ao Brasil, onde a Nissan tem filial. Portanto, a Nissan tinha uma base brasileira, não era para turismo.

2. O fisco japonês é o mais eficiente do mundo, acham uma formiga em um monte de palha, como Ghosn poderia receber salários sem declarar e sem que a Receita japonesa percebesse isso de uma companhia enorme, de capital aberto, com auditoria internacional? Como isso é possível em grandes corporações?

A acusação de Ghosn ter recebido 40 milhões de dólares não declarados é surreal. Mega corporações como a Nissan são fiscalizadas online pelas Receitas, não é crível uma saída de caixa nessas proporções possa ser considerada “não declarada”. É uma história, obviamente, mal contada do começo ao fim, sabe-se apenas a versão dos acusadores que tem interesse em se livrar de Ghosn.

3. Mordomias, como um apartamento comprado pela Nissan no Rio de Janeiro, são formas absolutamente corriqueiras em grandes empresas, a legalidade é saber se QUEM AUTORIZOU TINHA PODERES PARA AUTORIZAR, o questionamento se dá pelos orgãos de controle da empresa, inclusive e especialmente pelo Conselho de Administração, pode ser certo ou errado do ponto de vista da empresa, mas não é um crime, ele poderia até ser demitido pelo abuso mas não justifica uma prisão. Já fiz parte de Conselho de Administração de grandes empresas e sei como se observa beneficio do CEO, é um dos itens mais debatidos nas reuniões, não passa batido, um dispêndio desse tipo TEM QUE SER APROVADO em Conselho de companhia aberta, é básico.

A narrativa dessa prisão não fecha. O caso foi detonado pela empresa contra Ghosn, não partiu do Ministério Público ou da Receita Fiscal japonesa, como seria lógico, como é possível um executivo de uma gigantesca empresa multinacional que tem Conselho, auditoria interna, compliance, auditoria externa pagar milhões de dólares não autorizados a si mesmo? 

Essa alegação não tem credibilidade, um cheque precisa ser processado e assinado pelo setor financeiro, onde há executivos responsáveis. Segundo a denuncia Ghosn recebeu em excesso há muitos anos, NINGUÉM PERCEBEU?  É ridículo, isso não existe.

A FUSÃO RENAULT NISSAN

Ghosn estava preparando a etapa final de seu projeto, a fusão da Renault com a Nissan e isso desagradava alguns executivos japoneses da Nissan. Para barrar esse projeto resolveram derrubar Ghosn através de uma prisão espetacular, que resultará fatalmente numa pena de no mínimo 10 anos de prisão. O sistema jurídico japonês é considerado medieval, a defesa tem enorme dificuldades, em 99% dos casos a condenação é certa. A estratégia foi necessária porque Ghosn tinha tal prestígio mundial que sua simples demissão seria insuficiente, era preciso destruí-lo como profissional. Foi um golpe de extraordinária crueldade.

Para se ter uma ideia do prestígio de Ghosn, no ultimo Fórum Econômico Mundial em Davos no ano passado ele foi um dos principais palestrantes sobre os rumos da economia mundial.

O PAPEL DO BRASIL

Se o presidente da Toyota fosse preso no Brasil por algum problema fiscal, o Governo do Japão de imediato protestaria. É algo que todo Governo tem obrigação de fazer. O Governo brasileiro protestou fortemente quando um brasileiro foi preso e depois executado por tráfico de drogas na Indonésia, todo governo tenta defender seus nacionais presos no exterior, não importa o motivo, é uma questão de interesse de Estado cuja primeira função é proteger seu cidadão.

Ghosn tem passaporte brasileiro, é brasileiro nato, o Governo do Brasil tem OBRIGAÇÃO moral e protocolar de tentar defendê-lo, é parte do jogo diplomático. Ainda por ironia e coincidência o Presidente do Brasil tem sangue libanês dos quatro lados, assim como Ghosn é um brasileiro de pais libaneses, mais uma razão, ambos são brasileiros de primeira geração da mesma origem étnica e cultural. Desconheço qualquer “démarche” diplomática do Itamaraty em beneficio de Ghosn, é algo que qualquer grande País faz em defesa de seus nacionais de qualquer nível, mas no caso de uma personalidade como Ghosn e ainda mais justificável. Reafirmo que desconheço esse movimento, se houve ninguém soube, mas caberia inclusive uma manifestação diplomática do mais alto nível em beneficio de um brasileiro preso pelo que parece ser uma TRAMA indefensável, afinal Ghosn salvou uma da maiores empresas do Japão que estava a beira da falência, salvou milhares de empregos, salvou uma marca que estava desmoralizada, isso nada conta, não é considerado atenuante pelos japoneses?

Fico pensando se fosse um cidadão americano no mesmo caso, o Departamento de Estado moveria céus e terra para defendê-lo, como fizeram com os pilotos do Legacy que levaram a morte 186 brasileiros e que não ficaram um dia presos no Brasil, seu País os protegeu.

Há alguns anos um playboy americano de 19 anos fez uma baderna em uma boate em Florianópolis, quebrou a casa, foi preso. Dez horas depois um Vice Consul dos EUA em São Paulo estava em Florianópolis para libertar o jovem, que não era nada especial, apenas um cidadão americano comum, bêbado e arruaceiro, mas seu Consulado correu atrás .

Com a presença do Vice Consul o jovem foi libertado, nem sei se foi processado.

Assim procedem países que se dão ao respeito quando um de seus cidadãos é preso no exterior, a Embaixada do Brasil em Tóquio deu algum telefonema?

A propósito do caso Ghosn, a notícia teve REPERCUSSÃO MUNDIAL e Ghosn foi apresentado nos noticiários como EXECUTIVO BRASILEIRO preso no Japão. E o Brasil, não tem nada a dizer?

O caso Ghosn é parte de um ciclo mundial de Inquisição contra quem faz e produz por parte de quem nada produz, só fica olhando o que outros fazem para depois achar defeito.  Onde estavam os procuradores japoneses quando a Nissan afundava? Não havia entre eles nenhuma inteligência superior, um espírito aventureiro no bom sentido para colocar a mão na massa, apta a correr os riscos e o trabalho de salvar a Nissan? Apontar erros nos outros é uma tarefa mais fácil, muito mais fácil, do que construir e realizar obras concretas. Não havia no Japão nenhum cérebro para ver os erros da Nissan, precisaram importar um brasileiro-franco-libanês? Olha que o Japão tem muita gente preparada, mas ninguém se propôs a salvar a Nissan, cadê a coragem? Depois de feito, falar é fácil, difícil é fazer e acontecer.

Depois que ele salvou a Nissan, Ghosn virou bandido, sinal de nossos tempos destrutivos.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

33 comentários

  1. Carlos Ghosn

    André,

    Caso Carlos Ghosn resolva esperar pelo apoio do Itamaraty, sugiro que ele use uma almofada bem macia para esperar sentado, caso contrário surgirão diversos calos na bunda dele.

    O nosso grande Itamaraty optou por uma notável rota de colisão após o golpe, JSerra, ANFereira e agora este louco furioso indicado por um dos filhotes do “salvador da pátria” formam um caminho das arábias, e o corpo de funcionários do MRE nunca teve outra preocupação que não tivesse sido o recebimento dos salários em dia. Aquilo lá chega a ser hilariante, é um ambiente em que praticamente ninguém se dá ao respeito.   

    Sobre a análise, perfeita. Se é impensável alguém conseguir tripudiar com 40 milhões de dólares no Japão, imagine um alto executivo de uma empresa gigantesca. .

  2. Parabéns!

    Fantástica leitura que o sr. faz do caso Ghosn.

    O Brasil que sob Lula quase viu cair a necessidade de visto para a Disneylandia, se transformou na latrina do mundo, é visto como pais de ladrões. De pretendente à 5ª economia já é 9ª e caindo. Assiste inerte sua bandeira que não é vermelha e seus filhos eminentes sendo enterrados na lama. Merecemos! Pais que não preserva o seu patrimônio, povo que vê golpistas vender tudo para obter trocados e nada faz, pode pretender o quê?  A imprensa nativa é porta voz do capital internacional, urge a imprensa independente se unir para fazer, com efetividade, frente à narrativa “oficial”.

    ….Quem sabe dentro dos próximos 100 anos apareça outro dirigente amado pelo povo que descubra outro présal. Quem sabe?

     

    • A imprensa que você chama de
      A imprensa que você chama de “independente” é a que mais desanca o país e depois você fica chocado com certas não atitudes do governo! Agora, dizer que o líder amado pelo povo “descobriu” o “présal” foi um tanto de exagero, não acha?

  3. Os argumentos do André são

    Os argumentos do André são bons. Seria interessante conhecer os argumentos da defesa, mas o post deixa claro que o lado político falará mais alto.

    • A midia sabuja brasileira

      A midia sabuja brasileira simplesmente reproduz como boa QUALQUER ACUSAÇÃO DE QUALQUER AUTORIDADE, virou

      repassadora de press-release da Nissan nesse caso. Eles não filtram, não analisam, a procuradoria de Tokyo está fazendo

      claramente o jogo da Nissan para escrachar o Ghosn e a midia brasileia compra o pacote fechado, porque não fizeram a analise

      que eu fiz, que é um simples exercicio de logica?

      Autoridades não são sempre confiaveis, especialmente em situações de conflito, os japoneses são peritos em contra-infotmação, quem não sabe da melosa locutora em inglês na Guerra, , a ROSA DE TOKYO (IvaToguri) que

      contava mentiras toda a noite pela radio japonesa em programas para os soldados americanos no Pacifico?

      Depois dessa ridicula noticia de uns trocados na cela do Pezão, algo que a midia dveria se recusar a noticiar pela irrelevancia,

      nem há mais o que dizer sobre essa midia pé de chinelo.

       

      • Do ponto de vista de uma
        Do ponto de vista de uma imprensa séria a autoridade nunca é confiável. A principal função da imprensa é fiscalizar o poder e para isso é básico nunca acreditar automaticamente no vem do poder. Devem checar tudo.

  4. O BRASIL, na pessoa de LULA

    O BRASIL, na pessoa de LULA da SILVA, foi o país que mais BRILHOU e encantou o mundo  ..mesmo em épocas de 1o presidente NEGRO americano  ..com LULA, não teve pra ninguém

    Hoje estamos por baixo ..todos somos páreas e ladrões ..ou visto com desdenho, tamanha nossa fraqueza e mediocridade em defendermos nossos interesses, projetos e valores (teve copa, olimpiada, caso FIFA, lava jato e seus efeitos, tudo a nos desmerecer perante o PLANETA)

    ADEMAIS, estamos saindo dum governo sabidamente FRACO e GOLSPITA, preocupado com a própria prisão ..e entrando num outro, não menos CORRUPTO, e FASCISTAS  ..chacota pro Ocidente

    Convenhamos, o caso GHOSN, plantado ou não, veio pra CHEGAR, “por coincidência”, em má hora ..a hora mais inapropriada que se podia desejar ..acho que nem Sidney Sheldon conseguiria imaginar tal cenário

    HOJE, meu caro, se vc não percebeu, o BRASIL esta em pleno processo de desmonte !!!!!

    ..e cá entre nós, mesmo pro Itamarati velho de guerra, NUNCA vi essa turma defender brasileiro no estrangeiro, isso sempre foi motivo de queixa

      ..quantos não foram os casos de mortos que não foram transladados ?  ..ou de filhos e pais sequestrados que receberam um sonoro “se vira” ?  ..aahhh, sim, vi um grande ativismo em vida, verdade seja reconhecida, pelo caso do Batistti (e seu filho) nos tempos do Tasso, como ministro

    • Voce veja a ironia da

      Voce veja a ironia da situação, Lula e Ghosn foram dois realizadores excepcionais, os dois passaram o Natal numa cela

      por acusações confusas e discutiveis, enquanto isso os mediocres fizeram sua ceia com toda tranquilidade.

  5. É mais um sinal da chegada de
    É mais um sinal da chegada de um ciclo neo nacionalista no mundo. O golpe contra Ghosn foi dado para re-japanizar a empresa.
    Enquanto isso por aqui vamos na direção oposta querendo entregar tudo que puder para estrangeiros.

    • Voce tem razão. Os japoneses,

      Voce tem razão. Os japoneses, ao contrario dos europeus e americanos, são extremamente sensiveis a questões de  orgulho nacional e deve ter sido para eles suprema humilhação um estrangeiro vir salvar um grande companhia japonesa, eles devem

      ter suportado Ghosn por necessidade mas muito humilhados, a violencia da reação foi de tal magnitude que um elemento

      muito forte está por trás. Já vi muitos golpes corporativos, com derrubada surpreendente do CEO,  tiram o sujeito do

      cargo com rapidez mas nunca vi com prisão, ao contrario, demitem com uma compensação financeira mesmo quando o sujeito é ruim, no caso Ghosn resolveram demitir e DESTRUIR a vida do executivo, isso é inédito.

    • Waaaal, se o Fisco japonês

      Waaaal, se o Fisco japonês levasse efetivamente a sério as acusações, teria que botar toda a auditoria, todo o departamento financeiro, todo o Conselho de Administração da Nissan na cadeia, né? É só fazer o cálculo da quantidade de japoneses bem-relacionados e tal que iriam presos.

      Mas nenhum local será preso…

  6. Soube que o Consulado do

    Soube que o Consulado do Brasil em Tokyo tem feito visitas a Ghosn na prisão. Essas visitas são de carater humanitario

    e nada tem a ver com demarches diplomaticas em favor do preso, que não foram feitas.

    Dizem que perta da cela de Ghosn em Tokyo a do Lula em Curitiba é uma apartamento do Ritz de Paris.

    • 88 ANOS DE INOCÊNCIAS E MEDIOCRIDADES

      Fiz um elogio quanto à sua posição e um comentário a respeito da matéria sobre a prisão da Herdeira da HUAWEI. Como as Marcas, Empresas e Empresários estão a cada dia, mais e mais, fazendo este papel Diplomático dos Interesses de uma Nação. E como as respostas são urgentes e significativas. Novamente patinamos em ‘Academicismos e Ilusões’ que nos transformaram nesta Letargia Acéfala. Pasto para todo tipo de interesses que sobrepôe aos Interesses Brasileiros. Desde o 1.o dia, tinha a mesma convicção que o sr. demosntra em seu artigo. Novamente preciso e cirúrgico. abs. 

      • Uma observação: marcas,

        Uma observação: marcas, empresas e empresários SEMPRE fizeram o papel para-diplomático dos interesses do país onde são sediados.

        A diferença é que, agora, com a volta da competição dentro do mundo capitalista, isso volta a ficar mais claro.

        • E QUANDO FOI QUE O BRASIL ENXERGOU ISTO?

          Caro cesarcardoso, SEMPRE? Então o sr. reafirma a minha afirmação e demonstra a ‘letargia acéfala’ em que vivemos nestes 88 anos. Veja o que estamos fazendo com o Presidente Brasileiro da Renault e nossas Empresas Brasileiras? Aqui a  Mediocridade encontrou seus Estadistas.

  7. André, pesco essa frase

    André, pesco essa frase tua:

    “O caso Ghosn é parte de um ciclo mundial de Inquisição contra quem faz e produz por parte de quem nada produz, só fica olhando o que outros fazem para depois achar defeito.”

    Esses dias tava pensando nesse caso. Olha, até PARECE que essa prisão espetaculosa faz parte de uma conspiração em escala planetária para destruir tudo o que é brasileiro.

    É claro que não tenho nenhuma prova para sustentar essa suspeita (classifique de Teoria da Conspiração se quiser), mas esta prisão me cheira muito conveniente em época que se faz de tudo para arruinar não só o país, mas sua imagem também.

    Sei lá, mas fico com os castelhanos: “yo no creo em brujas, pero que las ay, las ay”.

    eus tenha piedade de nós.

  8. A CENSURA É O ARGUMENTO DO FASCISTA

    Às vesperas de 2019, revela o tamanho do desastre de 88 anos de farsante Estado Absolutista e seus Lacaios, como Imprensa Ideologizada. 

  9. Grandes Corporações costumam ser ninhos de cobras

    Excelente Post, caro Araújo

    Grandes Corporações costumam em sua maioria ser ninhos de psicopatas, ninhos de víboras,  desde uma simples agência bancária até uma grande multinacional. Principalmente nas áreas de gerência e diretoria. Trabalhar nestes lugares mesmo que seja como um simples faxineiro, é como andar num campo minado. Todo mundo fica querendo puxar o seu tapete, na maioria das vezes. 

    Ghosn falhou, assim como Lula, ao não selecionar melhor aqueles que nomeava, e no final um de seus nomeados o traiu. Faltou Maquiavel ao Ghosn, bem como ao Lula. Dizia Maquiavel que o grande líder deve sempre estar se preparando para ser derrubado e deve se antecipar aos movimentos do adversário, antes que este o faça. 

    Ghosn contraiu o ódio de seus colegas de empresa ao cortar a promoção automática da Nissan, medida acertada, e ótima para a empresa, mas que porém feriu as pretenções de muitos funcionários. 

    Isto além é claro de muitos japoneses nacionalistas terem se sentido humilhados por um estrangeiro ter sido um herói nacional que salvou uma mega empresa japonesa. 

    Assim que tomou medidas impopulares, Ghosn deveria ter pedido a conta da Nissan e saído do país. Assim também, deveria ter feito Lula assim que terminou seu segundo mandato, e sumido do mapa. 

    Somou-se isto então ao fato que Ghosn é brasileiro, e o nosso país não defende nosso povo que esteja sofrendo no exterior. Ou talvez exatamente por isto ele foi nomeado presidente da Nissan, pois queriam uma pessoa que pudesse tomar medidas duras e depois enfrentar a ira e traição de seus colegas de trabalho. Provavelmente a Nissan não nomearia um japonês ou um americano para  tomar medidas duras, pois teriam dificuldades para lidar com uma acusação falsa contra este. Ghosn na verdade assumiu um cargo com alto risco  para mártir desde o começo 

    Quando eu trabalhei pela primeira vez em uma grande corporação, me contaram a fábula da tartaruga em cima da árvore:

    ” Diziam que um homem chegou a uma ilha de canoa e viu um jaboti  em cima da árvore. Tomado de compaixão foi ajudar o jaboti a descer da árvore, mas levou uma flechada envenenada e morreu. Moral da história, se na empresa que você trabalha houverem jabotis em cima das árvores, não mexa neles.  “

     

    • Nos anos 50 r 60 naas grandes

      Nos anos 50 r 60 naas grandes empresas os principais executivos eram homens da casa, que entraram como office boys e chegarvam ao topo e lá ficavam até a aposentadoria, não havi roleta russa de executivos. Hoje nos EUA a média de um CEO é 2 anos no cargo,  pressão por resultados a curtissimo prazo derruba bons CEO que pensam no futuro da empresa, o “mercado” que super resultados logo e para conseguir isso se fazem manobras que prejudicam o futuro da empresa, não interessa, o mercado quer resultado agora, para levantar o preço da ação e fazer o giro da especulação. E as derubadas

      são violentas, cai todo um grupo e entra outro, é uma coisa selvagem, de traições e deslealdades, é um capitalismo tenebroso

      que já está custando caro ao mundo.

  10. Só crê em auditoria quem

    Só crê em auditoria quem nunca viu casos como a Enron. 

    Só tem fé na lisura do cartel automotivo quem nunca cheirou um Volkswagen a diesel.

    As metrópoles estão reagindo e colocando a moçada do Brics de volta na senzala, nisso concordamos. Já perdemos a Petrobrás, a Embraer e o tal do Ghosn.

    • Meu caro, convivo com

      Meu caro, convivo com auditoria internacional desde 1974, quando vendi minha empresa a uma multinacional americana e

      continuei como CEO por mais 3 anos. Eles erram sim, como o maior cardiologista do mundo pode errar numa cirurgia mas nem

      porisso o auditor e o cirurgião são dispensaveis. As antigas Bi Eight agora são 4 e são INDISPENSAVEIS para companhias

      abertas cotadas em bolsas internacionais então é preciso conviver com elas, hoje mais ariscas do que nunca, antigamente

      corriam certos riscos para não perder o cliente, hoje é muito mais dificil elas correrem riscos por causa das mega indenizações

      que acionistas demandam em caso de erros.

       

       

  11. O artigo é coerente
    O artigo é coerente.
    Sugiro ao autor, talvez com mais alguns, entrar em contato com novo Ministro das Relações Exteriores, solicitando aprofundamento nas investigações e amplo direito de defesa.
    Queremos melhorar relações com o Japão, mas de um modo respeitoso, verdadeiro, não sensacionalista.
    Deus abençoe.

  12. A qualidade da informação que
    A qualidade da informação que chega a nós, brasileiros, é abaixo de qualquer expectativa.
    A The Economist, por exemplo, trata o caso em questão como um golpe interno da Nissan, nas linhas em que André descreveu. E fala que ainda que a prisão de Ghosn atende a interesses japoneses, que não queriam que a “sua” grande empresa fosse controlada a partir da França. E fala isso com muita naturalidade: https://www.economist.com/business/2018/11/24/a-giant-of-the-car-industry-is-accused-of-financial-misconduct. (para burlar o paywall interrompa o carregamento da página antes que ela abra totalmente ☠️).

    Um trecho interessante:

    Mr Ghosn wanted to make the alliance “irreversible”. He planned far more co-operation and probably had the backing of the French government for a merger. That prospect horrified senior people in Nissan, who had become disillusioned with Mr Ghosn, and also worried the Japanese government, which faced the prospect of a huge domestic firm being run from Paris. Mr Ghosn’s exit could signal the re-Japanisation of Nissan.

    • Há no Brasil uma compulsão

      Há no Brasil uma compulsão para criminalizar executivos, com isso perdemos alguns dos melhores comandantes de grandes projetos colhidos na esteira da Lva Jato, gente com excepcional capacidade de realização, ficaaram os burocratas de relatorios que não correm nenhum risco na vida e na empresa, como o Brasil vai crescer sem grandes empreendedores que por definição são aventureiros? Homens sem pecados não constroem grandes projetos, é lição da Historia.

  13. um gaijin !

    Esse é o Carlos Ghosn. Gaijin (外人) ɡaidʑiɴ.

    Quando deu certo era franco-libanes, agora que esta na m. é brasileiro…

    Esperar qualquer  “démarche” diplomática do Itamaraty é em vão. No máximo, vão mandar uma delegação da Lava Jato para “aprender” modernas técnicas de combate à corrupção… Japones não falta , rs. E vai vir a tona a ficha de filiação do turco com o partido da estrela vermelha!

    Brincadeiras a parte.  Reputação devidamente assassinada, e condução forçada à pension gallery! E para o processo de take over da Nissan pela Renault.

    Em tempo, a VW deve ser a maior empresa automotiva do mundo (https://www.motortrend.com/news/volkswagen-group-worlds-largest-automaker-2017/). As diferenças entre os tres primeiros grupos são muito pequenas. Acreditar que aliança entre Renault-Nissan-Mitsubish vingue é da mesma proporção que acreditar em unicórnios. A Mitsubishi esta no seu terceiro casamento (na era moderna) . Era a aposta da Chrysler para se livrar do debacle nos anos 80-90 com Iaccoca, não deu certo, tentou uma parceria estratégica com a Daimler-Benz , também não foi para frente (curiosamente a MB tentou um afffair com a Chrysler e também não teve futuro), agora vai se aconchegar com a Renault que tem em seu passado a aventura estadunidense junto à American Motors ( que deu  prejuizo tanto financeiro quanto em reputação). Tanto FIAT quanto a Renault tentam há anos um lugar ao sol no grande mercado do Tio Sam.

    Um dos números mais interessantes da Renault é o salto em número de funcionários entre 2016-2017 de 124.849 para 181.344.

       

     

  14. Quai d’Orsay

    Muito bem posta a questão de inação do Itamarity neste como em muitos outros casos. Pelo que tenho acompanhado (tem  varias reportagens no Le Monde), o governo francês e o Quai d’Orsay têm atuado junto ao conselho da administração da Renault no caso Ghosn, mas os procuradores japoneses, como no caso Lula, não deram detalhes do inquérito. A coisa segue assim e Ghosn continua preso e, como diz no artigo presente, provavelmente sera condenado pela justiça japonesa. 

    • No caso Chosn a situação do

      No caso Chosn a situação do Brasil é unica. O Libano já fez pressão diplomatica em favor de Ghosn mas o Libano tem  pouco

      poder em relação ao Japão, a França é parte interessada na aliança com a Nissan, o Brasil é o unico que tem enorme poder de pressão pela presença de dois milhões de japoneses  e descendentes.

  15. Perguntas sobre o caso Ghosn

    É o comentário mais longo,mas seu profissionalismo vai fazer responder minhas perguntas baseadas nas divulgações  na íntegra da mídia japonesa,de onde vem todas as informações que circulam o mundo,mas infelizmente é distorcida por visão equivocadas sobre o fato e falta de conhecimento do sistema em questão.

    1.Gostaria de saber de onde tirou a informação equivocada sobre SONEGANÇAO FISCAL,em nenhum momento até agora foi divulgada na mídia Japonesa sobre sonegação fiscal,a acusação é sobre outro crime,mais grave e prevê penas pesadas.
    Foi apenas o presidente atual que denunciou Ghosn?me diga quem que chamou ele e o Kelly para vir no Japão para ter
    direito a delação premiada?isso ciente que Kelly precisava de tratamento médico?precisou insistir pois Kelly pedia reunião por videoconferência.

    2.As mordomias não são comuns nas empresas japonesas,mesmo para fins ligadas ao trabalho as regras de uso são claras para todos.
    Tem mais uso atípico de verbas da empresa;pagamentos sem fundamentos para empresas fantasmas,e-mail pressionando executivos
    para pagar a reforma na casa de Líbano,consultoria para irmã?entre outras barbaridades…
    De ordens diretas dele onde os altos executivos tinha que fazer marabarismo para poder liberar a verba,mas se tratando do CEO quem vai negar?falar bonitinho é uma coisa,outra é enfrentar de frente quem tem mais poder e influência na empresa.
    fofocas…uma fonte que não revelou nome disse que ele se alterava nas reuniões que tinham que falar sobre seu salário,
    em partes poderemos dar crédito nessa fofoca,pois ele mesmo disse que seu salário é baixo em público.

    3.Não é o fisco japonês que deixou ele retido para investigações,como disse no início é outro crime e quem investiga não
    é a receita federal,e sim a polícia especializada no crime do colarinho branco,o fisco vai vir depois de estar tudo claro
    as transações para poder “pegar” a parte deles,portanto,como a Ghosn muito inteligente(para tudo) e influente impedia a empresa de trabalhar cumprindo as leis com seu “jeitinho”,pois ele não nega o que mandou fazer,apenas diz que os fins era diferente e não afetou a empresa…boa desculpa…Motivo no qual a empresa continua má administrada,deixando acontecer uma vergonha dessas.
    Nunca houve denúncia que ele recebeu em excesso,pois o salário é o com concentimento da empresa,mas ele  e Kelly foi detido inicialmente pelo modo que resolveram pagar seus honorários,agora em Janeiro ele já foi foi liberado da primeira acusação,esperando apenas pela finalização das investigações e julgamento,no momento está detido por outra acusação.

    4.Derrubado pelo seus subordinados?sem poder na empresa ou simplesmente errou?se não tivesse acusação de irregularidades jamais seria preso…se tem quem quer puxar o tapete nem tem como saber,mas se ele trabalhasse de maneira mais clara e honesta não seria alvo da polícia japonesa.

    5.Sistema jurídico medieval?pelo fato de ter pena de morte ou por dar plenos poderes ao sistema interrogar e investigar sem dar chances para o suspeito?a eficiência é alta,tem seus problemas,não é perfeito mas vamos refletir;mundo afora reclama sobre o suspeito ficar preso para investigação sem direito a defesa e liberdade apenas por direitos humanos,ele está sendo tratado igual qualquer outro suspeito,com suspeita de crime do colarinho branco,ou tráfico,estrupo,assassinato ficam nas mesmas condições para não ficar impune,suspeito fica detido para não acabar com as provas,combinar com os comparsas, amedrontar testemunhas ou fugir,as movimentações atípicas(ilícitas) estão investigando,não é achando que se prende,tem que ter provas subtanciais para juiz autorizar a detenção,só tem direito a defesa no julgamento,durante o interrogatório fica apenas com a polícia e intérprete,mas sem preocupação pois tudo é gravado.Deve ser muito trabalhoso para investigadores quando o advogado diz que não precisa responder sem pensar que pode ser a solução do caso e não apenas o interesse do cliente…Ghosn é muito esperto,acha que uns investigadores vão enganar ele?provavelmente já planejou todo esquema,pois ele gerencia milhares de assuntos que são interligadas simultaneamente.

    Outra….Ghosn está sozinho dentro da Nissan?ele tem seus encarregados de confiança,na qual ele nomeava e dava poderes para poder executar suas ordens,quantos executivos da Renault estão no Japão?quantos participam do Conselho Administrativo?Como pode o conselho administrativo tirar o Ghosn por unânimidade se tem franceses com poder de decisão?
    Os Franceses inicialmente duvidaram das acusações,mas depois de apresentada o resultado da auditoria interna votaram
    contra Ghosn,traição ou moral?duvido que na Nissan tenha armas para amedrontar os altos executivos que são da empresa com a maioridade das ações da empresa.

    A separação de poderes é importantíssimo para países democratas,dizer “se” o presidente da Toyota for preso o governo
    japonês vai pronunciar igual Macron?impossível,seria alvo de muitas críticas da oposição,do povo e assim até do partido,
    tanto que nem deu bola para o Francês…

    Se ele “salvou” a Nissan isso seria o motivo de poder fazer o que quiser sem cumprir as leis?
    Um gerenciador não busca apenas rentabilidade,isso é coisa do passado,abjeto.Tem quer integridade no seu trabalho,respeitando e seguindo todas as leis aplicáveis,tratados, regulamentos e normas governamentais e sociais,não esqueçendo dos valores morais.
    Mérito do trabalho ele tem que cobrar renumeração adequada no conselho administrativo e explicar para seus acionistas,apenas omitiu ou mentiu?ambos é crucial paraum gerenciador contratado para administrar uma mega empresa.
    A Nissan que tanto se compremetia com Compliance mas o grande manda chuva faz o contrário prejudicando seus funcionários,a empresa que nem dele é,seus fornecedores e clientes.

    Golpe?nem o Ghosn disse que era golpe,mas as irregularidades estão bem claras,apenas pelo suspeito dizer que é inocente não prova nada,não passa de mero argumentos sem nexo.
    Pior é defender apenas por ser conterrâneo ou ter carisma dele,tem que analizar tudo que fez,se fez correto elogie,mas se errou critique.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome