O monstro da deflação, por Daniel Gros

Para articulista, medo das taxas negativas é infundado

Jornal GGN – Os bancos centrais ao redor do mundo estão sendo esmagados pelo medo da deflação, mas analistas dizem que esse temor é infundado e pode ser prejudicial.

Um exemplo desse temor é o Japão. Em 2013, décadas de leves quedas de preços levaram o Banco do Japão a uma ofensiva monetária considerada sem precedentes. “Mas enquanto a inflação global subiu por algum tempo, os fatores que impulsionam esse aumento – uma desvalorização competitiva do iene e o aumento de impostos – não duraram muito tempo. Agora, o país se encaminhada para uma deflação, o que tem gerado manchetes de pânico”, diz Daniel Gros, diretor do European Policy Studies, em artigo publicado no site Project Syndicate.

Ao contrário da impressão relatada pela mídia, a economia japonesa não se encontra em um estado moribundo, uma vez que o desemprego praticamente desapereceu, o rendimento tem aumentado e a taxa de emprego segue em novos níveis máximos. “Na verdade, mesmo durante as chamadas “décadas perdidas” do Japão, a renda per capita cresceu tanto quanto nos Estados Unidos e na Europa, e a taxa de emprego aumentou, sugerindo que a deflação pode não ser tão nefasta como os bancos centrais parecem acreditar”, pontua Gros.

Os Estados Unidos e a Europa também apresentam poucos sinais de uma calamidade decorrente da falência dos bancos centrais para atingir suas metas inflacionárias. O crescimento segue sólido e o emprego está aumentando mas, segundo Gros, existem dois pontos a serem questionados na abordagem utilizada pelos bancos centrais.

Em um primeiro momento, existe o foco nos preços ao consumidor, o que o articulista considera errado, uma vez que os custos de energia e de outras matérias-primas caíram mais da metade nos últimos dois anos. “O declínio é, portanto, temporário, e os bancos centrais devem olhar o passado tanto quanto eles olharam para além do aumento dos preços ao consumidor, quando os preços do petróleo foram avançando”.

Em vez disso, os bancos centrais devem focar a taxa de aumento de receita, medido em crescimento nominal do PIB; isto é, afinal de contas, o que importa para os governos altamente endividados e empresas. Por essa medida, não há deflação: O índice de preços do PIB (chamado deflator do PIB) nos países desenvolvidos está a aumentar de 1-1,5%, em média. Na zona do euro, que está crescendo a 1,2%. Este pode ficar aquém da meta do Banco Central Europeu “abaixo mas próximo de 2%”, mas não por uma margem substancial o suficiente para justificar cada vez mais do BCE uso agressivo de instrumentos monetários para estimular a economia.

Além disso, o articulista explica que o crescimento do PIB nominal excede a taxa de juros de longo prazo. Quando, como ocorre geralmente, a taxa de juros de longo prazo ultrapassa a taxa de crescimento do PIB, os ricos podem acumular riqueza mais rápido do que o resto da economia – um ponto feito pelo economista Thomas Piketty.  “Atualmente, o crescimento nominal do PIB excede em muito as taxas medias de juro de longo prazo (que, em alguns países, incluindo os prémios de risco de até 100 pontos base) – mesmo na zona do euro, onde se espera que o crescimento nominal do PIB deverá atingir cerca de 3% este ano . Isto significa que as condições de financiamento são tão favoráveis ​​como eles estavam no auge do boom do crédito em 2007, e muito melhor do que têm sido em qualquer outro momento nos últimos 20 anos”, ressalta Daniel Gros.

Para o economista, esta evidência poderia obrigar os bancos centrais a reavaliarem suas preocupações quanto a deflação, mas eles seguem focados em manter suas metas, convencidos de que um ataque deflacionário poderia gerar uma espiral econômica descendente. Esse é o segundo erro das autoridades. “Uma espiral de deflação é possível, e as suas consequências podem ser graves. Se as taxas de juros reais foram significativamente positivas, a demanda poderia cair, empurrando os preços para baixo ao ponto que se torna impossível para os mutuários para pagar as suas dívidas. Tal espiral contribuiu para a Grande Depressão dos EUA na década de 1930, com a queda dos preços, em alguns anos, por cerca de 20-30%”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome