Partido de Alexis Tsipras vence eleições na Grécia

Jornal GGN – O líder do partido de esquerda Syriza, Alexis Tsipras, deve repetir a coligação com os nacionalistas Gregos Independentes, segundo informações da televisão pública grega ERT durante a apuração da disputa, que confirmou a vitória de Tsipras.  As eleições antecipadas foram convocadas logo após a renúncia de Alexis Tsipras do cargo de primeiro-ministro, em 20 de agosto. Ele pediu demissão depois que 25 deputados da ala mais à esquerda do Syriza contestaram o novo pacote de austeridade acertado entre a Grécia e a União Europeia, recuando nas promessas de que Tsipras acabaria com a política de austeridade no país.

O líder do Nova Democracia (ND), Vangelis Meimarakis, admitiu a derrota logo após os primeiros resultados oficiais e parabenizou Tsipras. “Travamos esta batalha com seriedade. Parece que o resultado dá a vitória ao Syriza e a Tsipras. Felicito-o, o resto discutiremos a seguir”, afirmou Meimarakis ao chegar à sede de seu partido, perto do centro de Atenas. Em terceiro lugar ficou o partido de extrema-direita Aurora Dourada, com 7,26% dos votos, seguida pelos socialistas do Pasok, com 6,44%, os comunistas do KKE, com 5,51% e o partido de centro To Potami, com 3,82%.

Os nacionalistas Gregos Independentes, parceiros do Syriza na coligação de governo, obtiveram 3,73% de votos e a União de Centristas, uma formação fundada há mais de duas décadas, mas que nunca obteve assento parlamentar, 3,51%. As eleições gregas ficaram marcadas pela mais alta taxa de abstenção em votações na Grécia e pela presença em campanha de vários líderes políticos da esquerda europeia, entre os quais o secretário-geral do Podemos espanhol, Pablo Iglesias.

O ministro dos Assuntos Exteriores e Cooperação de Espanha, José Manuel García-Margallo, considerou Que a reeleição de Alexis Tsipras como primeiro-ministro da Grécia “é uma notícia preocupante para o projeto europeu”. O governo espanhol foi um dos principais opositores de Alexis Tsipras durante as negociações da Grécia com os seus credores, opondo-se a uma renegociação da dívida e a um perdão em toda a linha.

Já o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, espera que as eleições legislativas tragam ao país a “estabilidade política necessária” para lidar com os desafios imediatos, numa mensagem enviada a Tsipras. “Espero que as eleições tragam a estabilidade política necessária para enfrentar todos os desafios que se apresentam”, escreveu Tusk, na mensagem de felicitações ao líder do Syrisa. “A sua dedicação e a liderança na execução do programa de ajustamento econômico são cruciais para fazer a diferença na recuperação da economia grega”, destacou Tusk.

O presidente do Conselho Europeu disse ainda que a crise de refugiados, que afeta particularmente a Grécia – um dos países da linha da frente – é outro dos grandes desafios que o país e a União Europeia como um todo têm de enfrentar.

Tsipras inicia nesta segunda um novo mandato, mas com a tarefa árdua de gerar consensos e de conduzir a Grécia na aplicação de mais um pacote de austeridade. As edições de hoje dos jornais gregos destacam quase em uníssono a “segunda oportunidade” dada pelos eleitores gregos a Tsipras, que se demitiu em 20 de agosto depois de ter acordado em Bruxelas e feito aprovar no Parlamento grego o novo pacote de austeridade, apesar de ter prometido, quando foi eleito pela primeira vez em janeiro, acabar com a política de austeridade na Grécia.

 

(com AFP e Agência Brasil)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

  1. Mas o significado disso é ambíguo…

    Foi o partido de Tsipras, mas nao do mesmo Tsipras que prometeu combater os acordos de austeridade… Qual foi exatamente o recado que os eleitores passaram com isso?

  2. Quem ganhou a eleição foram

    Quem ganhou a eleição foram as abstenções: 45,2%, a maior da história da Grécia. Ao que parecem os gregos resolveram não compactuar mais com a farsa eleitoral em que se vota em um programa de governo e se recebe outro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome