Por que é indesejada uma maior presença chinesa no Mar da China?, por Fábio de Oliveira Ribeiro

china_porta_avioes.jpg

Por Fábio de Oliveira Ribeiro

O aumento da tensão naval na Ásia se tornou um fato corriqueiro na imprensa brasileira.  Mas os analistas tendem a culpar a China e não os EUA pelo que está ocorrendo.

A marinha chinesa está crescendo. Isto é inegável. Este objetivo tem sido metodicamente perseguido pelos chineses nos últimos anos:

https://br.sputniknews.com/portuguese.ruvr.ru/2013_08_07/China-constr-i-marinha-oce-nica-0544/

https://br.sputniknews.com/asia_oceania/201703077834440-china-aumenta-poderio-marinha/

https://br.sputniknews.com/asia_oceania/201703137873159-china-aumenta-infantaria-naval/

Todavia, ninguém pode culpar a China por querer preservar a soberania do seu mar territorial em face da agressiva presença dos norte-americanos na Ásia. Desde que ganhou a II Guerra Mundial os norte-americanos estenderam suas fronteiras marítimas para muito além de suas águas territoriais.

Os atritos em curso eram, portanto, previsíveis. Eles são uma consequencia política da doutrina naval dos EUA que foi enunciada de maneira bem eloqüente pelo historiador militar norte-americano Bevin Alexander.

Alexander defende a retaliação preventiva ao sustentar que os EUA “…tem que impedir que qualquer outra nação construa uma grande Marinha porque o controle dos mares é imperativo para a segurança norte-americana.” (A GUERRA DO FUTURO, Bevin Alexander, editado no Brasil pela Biblioteca do Exército)  Além disto, segundo ele “…os Estados Unidos não podem permitir que outras potências conquistem o controle de matérias-primas industriais importantes ou do suprimento mundial de petróleo.” (A GUERRA DO FUTURO, Bevin Alexander, editado no Brasil pela Biblioteca do Exército).

A presença chinesa no Atlantico Norte não seria tolerada pelos EUA. Não vejo porque a China, que está se tornando a maior potência econômica do planeta, deva permitir a presença dos EUA no Mar da China. A Lei Internacional garante aos chineses o direito de tomar medidas defensivas em sua própria costa e desautoriza a evidente agressão dos norte-americanos fora das águas territoriais dos EUA.

Trump disse que os EUA devem voltar a vencer guerras. Ao endossar a doutrina naval norte-americana que contraria o espírito da Lei Internacional, os jornalistas brasileiros podem estar ajudando os norte-americanos a se afundarem de vez em mais uma guerra injusta na Ásia.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora