A decisão do MPF de Porto Alegre contra o MST é prova do ativismo político, por Luis Nassif

A decisão dos procuradores do Ministério Público Federal do Rio Grande do Sul, de responsabilizar o MST (Movimento Sem Terra) por qualquer manifestação em Porto Alegre é sinal claro de que a maioria da corporação é parceira do golpe.

Se era uma questão de segurança na cidade, bastaria oficiar a prefeitura. Ao focar a representação no MST, a decisão clara é  penalizar uma entidade constituída, que é uma pessoa jurídica.

Á medida em que vão se aproximando os momentos políticos decisivos, seja o julgamento de Lula ou as eleições presidenciais, ficará cada vez mais nítida a face desse MPF golpista, hoje hegemônico dentro da corporação.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora