JBS apresentou inventário de propina de 1.829 candidatos de 28 partidos, por Anderson b da ssilva*

Empresa financiou campanhas de candidatos de 28 partidos através de subornos milionários, segundo ex-diretor Ricardo Saud

Por Anderson b da ssilva*

A empresa multinacional JBS financiou as campanhas de 1.829 candidatos de 28 partidos políticos no Brasil através de subornos milionários, segundo o testemunho de um diretor da companhia divulgado hoje, após um acordo de colaboração judicial.O diretor da JBS, Ricardo Saud, afirmou em seu depoimento que as doações somam cerca de 600 milhões de reais (us $ 184 milhões) e que “todos são coimas”, a menos de 15 milhões de reais (cerca de 4,5 milhões de dólares).

“É importante observar que esses 500 milhões (de reais), quase 600 milhões (de reais) que estamos falando aqui, praticamente, tirando esses 10, 15 milhões (de reais), o resto todo é suborno. Tudo tem o ato de ofício, tudo tem uma promessa, tudo tem alguma coisa (contrapartida)”, ressaltou Saud.

“Eu gostaria de deixar registrado que oferecmos suborno para 28 partidos (políticos). Esse dinheiro foi distribuído para 1.829 candidatos”, sublinhou.Aisha conta com total tranquilidade em seu depoimento que, graças a esse dinheiro foram escolhidos “167 deputados federais” e, além disso, deram subornos para “28 senadores”, que se apresentaram em vários comícios eleitorais.

“E oferecemos subornos para 16 governadores eleitos (…) Foi um estudo que fiz por minha conta. Aqui estão todas as pessoas que os receberam, direta ou indiretamente, de nós”, acrescentou.Os testemunhos da JBS provocaram o enésimo terremoto político no Brasil, que se soma ao que já provocaram os de 77 ex-diretores do grupo Odebrecht, que também relataram práticas corruptas semelhantes.

O escândalo prejudicando diretamente ao presidente Michel Temer, pois um dos delatores revelou que pagam subornos desde 2010 e que, desde 2005, distribuídas entre os ex-mandatários Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff a soma de 80 milhões de dólares, sempre, por todos os “favores”, realizados a partir de suas posições de poder.

*Com informações da Agência Brasil

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora