Aécio aparece em 6 dos 83 pedidos de inquérito enviados por Janot ao STF

 
Jornal GGN – O jornal O Globo publicou nesta terça (21) que o Aécio Neves (PSDB) vai ser o tucano que mais precisará esclarecer os questionamentos da Lava Jato. Isso porque Aécio aparece como alvo central em pelo menos 6 dos 83 pedidos de inquérito que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal na semana passada.
 
Segundo o jornal, Aécio seria “um dos políticos mais citados nas delações em que 78 ex-executivos da Odebrecht relataram pagamentos legais e ilegais para deputados, senadores e ministros, entre outras autoridades, em troca de benefícios para a empreiteira”. O tucano teria recebido doação via caixa 2 nas eleições de 2014, para bancar sua campanha presidencial e a de correligionários.
 
“Os pagamentos somariam R$ 9 milhões. Deste total, R$ 6 milhões teriam como destino as campanhas do Antonio Anastasia ao Senado; de Pimenta da Veiga ao governo de Minas Gerais e de Dimas Fabiano Toledo Júnior (PP-MG) à Câmara. Outros R$ 3 milhões teriam sido repassados a Paulo Vasconcelos, marqueteiro da campanha de Aécio à Presidência da República em 2014”, apontaram os delatores.
 
Já o governador Geraldo Alckmin – que disputa com Aécio a cabeça da chapa presidencial de 2018 – está na lista de 10 governadores implicados pela Lava Jato por conta da delação da Odebrecht.
 
O pedido de investigação sobre Alckmin, enviado ao Superior Tribunal de Justiça, estaria relacionado a repasses que a Odebrecht fez para as campanhas dele ao governo de São Paulo, em 2010, e também em 2014. “Segundo um dos delatores, pelo menos um dos pagamentos teve como intermediário Adhemar Ribeiro, cunhado do governador”, frisou O Globo.
 
Em nota, Alckmin disse que cobrou de sua campanha rigor na prestação de contas e ressaltou que as denúncias da Lava Jato seguem nebulosas pela falta de publicidade. 
 
Ele também disse que tem “uma vida pública honrada e transparente e uma vida pessoal modesta.”
 
Na segunda (20), o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB), pediu ao Supremo para ter acesso ao conteúdo da delação da Odebrecht. Ele aparece como beneficiário de R$ 500 mil em caixa dois.
 
O relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, vai decidir se concede ou não o direito ao chanceler.
 
O jornal não publicou informações sobre a situação de José Serra (PSDB).
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora