Ainda negando o acesso de Lula, PF pede prazo maior para relatório do sistema da Odebrecht


Foto: Reprodução depoimento de Lula a Moro
 
Jornal GGN – A Polícia Federal pediu um prazo maior de 20 dias para que os investigadores concluam a perícia nos sistemas eletrônicos da Odebrecht, Drousys e My Web Day, já revelados pela defesa de Lula por conter “anomalias”, “divergências” e “manipulação” em dados. E o juiz Sérgio Moro ainda não liberou o acesso da defesa ao sistema.
 
O delegado da Polícia Federal Felipe Hayashi pediu um prazo maior para que os peritos criminais concluam o relatório. O objetivo dos investigadores é detectar supostos lançamentos nos registros digitais sobre a reforma do sítio de Atibaia, pela Odebrecht.
 
Trata-se do inquérito em que os procuradores e delegados da Lava Jato acusam o ex-presidente Lula de receber supostas propinas por meio de reforma no sítio que seria atribuído a ele.
 
A defesa do ex-presidente fez uma extensa pesquisa e solicitou a três especialistas nacionais e internacionais em informática que estudassem o sistema denomiado MyWebDay, que supostamente registraria a contabilidade paralela da empreiteira, com possíveis pagamentos ilícitos.
 
Uma empresa britânica, a CCL Group, o Centro Brasileiro de Perícia e um terceiro auditor independente concluíram que o documento entregue pela polícia não poderia ser considerado autêntico, seguindo os padrões forenses e científicos.
 
Desde que os investigadores levantaram a questão de que os registros relacionados ao ex-presidente estariam presentes no MyWebDay, a defesa de Lula pediu o acesso ao sistema, o que foi negado sucessivamente pelo juiz Sérgio Moro. Até agora, a defesa não conseguiu ter acesso ao material.
 
Mas por meio do laudo entregue pela PF, os advogados de Lula puderam enviar para a análise partes usadas pelos investigadores no laudo. Entre as constatações dos peritos contratados pela defesa de Lula, duas foram reveladoras: evidências de que os arquivos apresentados pela Odebrecht foram manipulados e/ou danificados pela empresa que era a responsável pelo sistema e que os arquivos foram modificados após o MPF ter recebido o material da Odebrecht.
 
O material foi encaminhado ao juiz Sérgio Moro. Em dezembro, quando a PF havia pedido que o juiz prorrogasse o prazo para os investigadores concluírem a perícia, Moro concedeu. E, agora, um novo prazo foi solicitado. 
 
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Sem essa de prova. Prá quê?

    Nassif: eu concederia. A PF de FHC ainda não conseguiu nenhuma prova robusta para os Gogoboys de Suja-à-Jacto emlamearem (mais ainda) o Nordestino-Operário (versão FIESP/Elite).

    Pô, temos que deixar alguma chance pros carás. O Japones tá de olhos esbugalhados. Puto na roupa por não captar um tiquinho de prova material. A PGR, que também tem interesses no desfecho, tateia no escuro. Só indícios. Tá bem que isso é o suficiente pra encanar o Meliante (versão Judiciário). Mas querem uma, umazinha sequer, pra esfregar na cara da ONU e naquela tal de Direitos Humanos da Europa. Deve dar 60, 90, 360… Tudo vale na busca

    Enquanto isso, cana no Sapo Barbudo (versão verdeoliva), até que passe as eleições.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome