Almirante Othon: Não há dúvida de que a Lava Jato serviu aos EUA

Jornal GGN – Othon Pinheiro, considerado o pai da energia nuclear no Brasil, está com 78 anos e foi condenado a 43 anos de prisão pela Lava Jato no Rio de Janeiro. A lista de serviços prestados ao País foi simplesmente escanteada na ação penal que levou o almirante a uma tentativa de suicídio, no momento em que o Ministério Público Federal decidiu arrastar até sua filha para o processo. 

Em entrevista exclusiva ao deputado federal Wadih Damous (PT), Othon Pinheiro disse que não tem dúvidas de que sua condenação serviu aos interesses dos Estados Unidos, que se sentiu “afrontado” com a política energética encampada pelo governo brasileiro nas últimas décadas. 

Ele também comentou sobre os “absurdos” que sofreu durante a prisão imposta pela Lava Jato e deixou claro que, apesar de todas as arbitrariedades, ele segue com o desejo de continuar trabalhando para levar energia elétrica barata para os cantos mais isolados.

Em vídeo, ele relatou que procuradores abusaram quando quebraram o sigilo médico de sua esposa, que sofre de alzheimer. Pinheiro se emocionou ainda quando foi lembrado da tentativa de suicídio que encampou na prisão militar, onde ficou por 2 anos. Segundo ele, foi um ato para mostrar toda a indignação com a tirania praticada contra sua filha. Ele disse que sofreu “pressão” por causa dela.

 

 

Pinheiro também classificou como episódio ditatorial algumas decisões do Judiciário, como a que negou seu pedido de liberdade provisória com base em uma “mentira”.

A entrevista completa está abaixo.

O GGN selecionou os principais trechos.

MAIOR INDIGNAÇÃO
 
“Uma das coisas que mais indignou foi que enquanto eu estava preso em Curitiba, e tinha aquele período de 5 dias da prisão temporária que depois se converte em prisão preventiva. Foi consultado o Ministério Público [sobre a prisão]. Eu havia sido convidado pelo senhor [Rodrigo] Janot duas vezes para um painel de debate, e numa das vezes ele me chamou de ‘cidadão ilustre’. O parecer dele [sobre a prisão] foi que eu, nas ruas, implantava maior perigo para a sociedade do que um criminoso comum. Eu tenho esse parecer. Dizer isso é uma atitude midiática e desonesta.”
 
LIBERDADE NEGADA

“Foi negado habeas corpus com o argumento de que eu tinha um telefone na minha cela, o que é uma grande mentira. Foi negado baseado numa mentira! Outra mentira é que preso em casa, eu teria contato com a empresa [acusada de repassar propina]. É  mentira! Nunca mostraram nada. As pessoas escrevem aquilo e vira verdade. É muito difícil viver num sistema em que o camarada diz uma coisa e vira verdade.”

SUICÍDIO

“Eu fiquei indignado com o negócio da minha filha [que também virou alvo da Lava Jato]. Eu pensei em tirar cordões de 3 calções, estava achando que estava escondido, que estava fazendo uma cordinha, que ficaria escondido. Mas teve um oficial que estava me observando pela televisão, chegou lá [na cela] e revistou. Mas com mais 10 minutos, eu não chegava atrasado. Não foi, assim, por vergonha, foi revolta! Eu queria chamar atenção! Eu imagino que ele [o reitor da UFSC que cometeu suicídio] deva ter querido chamar atenção, muito revoltado com o que ocorreu com ele. Fizeram uma indignidade com ele.” 

INTERESSES DOS EUA
 
“Eu gosto de me basear em fatos, porque opinião, cada uma tem a sua. O fato é: eu estava preso em Curitiba e 10 dias depois e veio uma comissão dos Estados Unidos para discutir de novo um protocolo que o ministro Jobim, no governo Lula, se recursou a assinar porque feria nossa Constituição. Ele permitiria que a casa de qualquer brasileiro fosse invadida a qualquer momento se um mandado fosse expedicionado. À época, eu fui a Washinton para assessorar [Jobim]. Acompanhei o ministro Jobim ao Pentágono, e saí de lá – onde nunca esperava ter entrado – com uma certa premonição.” 
 
“Eu não afrontei [intencionalmente os interesses dos EUA em relação à energia]. Eu não sou anti-americano. Eu separo as duas coisas (…) Eu separo o povo americano, que é o povo como a gente, do sistema que o explora. Esse sistema, tudo o que a gente fez, mesmo que a gente não quisesse afrontar ninguém – mas a gente quis dar meios para o Brasil ter orgulho danado da gente… – certamente [chegamos a afrontá-lo].”
 
“[O que incomoda é que] Se a gente usar com racionalidade nossos meios, tem energia mais barata, e isso dá competitividade. Internacionalmente, o povo que tem competitividade desequilibra o mundo. É o caso da China, por exemplo. O fato de se tornar uma sociedade mais eficiente, mesmo não querendo afrontar ninguém, isso desequilibra, tira de determinada zona de confronto determinador grupos. E isso sempre afronta.”
 
FUTURO

“Eu acredito muito nessa turbina de gerador de baixa queda, e tô voltando a tabalhar nisso, porque com isso vamos colocar energia elétrica barata em locais isolados no País. O miolo do projeto também serve para pequenas eólicas. É um projeto de vanguarda, high-tec, que beneficiaria a população que vive em meio à floresta.”

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

18 comentários

  1. realmente não há…

    pois lava jato tende a assumir cada vez mais uma feição competitiva……………………

    desde o marco zero, não passamos por nenhum período que não tivesse uso da tática política em detrimento da técnica jurídica

    não usam, não se guiam por elas e nem respeitam, enfim, mais ofendem nossas leis, quando não direta e frontalmente a nossa Constituição

  2. O Brasil de moro e seus colaboradores.

    Infame, triste, vil, retrógrado, sem noção, é o que resta depois da barbarie perpetrada por agentes judiciarios que dirigidos por interesses externos promovem esta descabida agressão ao Alm. Othon , merecedor das maiores honrarias pelo tanto que fez por nós. Este crime não passará impune e cobrará muito caro no nosso futuro.

    • Dessa, realmente, não dá para

      Dessa, realmente, não dá para entender coisa com coisa. Como é que prendem injustamente um herói militar e a caserna fica com cara de paisagem.

  3. Traído e humilhado

    “…vamos colocar energia elétrica barata em locais isolados no País. O miolo do projeto também serve para pequenas eólicas. É um projeto de vanguarda, high-tec, que beneficiaria a população que vive em meio à floresta.”

    Aos 78 anos o herói brasileiro ainda trabalha e sonha o seu País!

     

  4. Lava Jato

    O “Brasil” se foi, hoje temos um “Brazil” de banca de negociatas. Muitos querendo obter cidadania Norte-americana a qualquer custo. As pessoas quie se interessam pelo “Brasil” hoje, estão sendo perseguidas, marginalizadas e o nosso povo numa tremenda passividade. Gandes nomes como o almirante Othon Pinheiro, Luis Inácio, Dilma entre outros merecem o nosso respeito.

  5. Sergio Moro
    Os criminosos sempre vão jurar que nao cometeram crime algum.A República de Curitiba veio para desmascarar todas essas práticas delituosas cometidas pela organização criminosa que tomou o país de assalto e que ao serem apeados do poder ,deixaram em seu lugar os cúmplices.

    • Recomendo uma escola de educação especial seu cognitivo está

      precisando urgente, os baixinhos da XUXA que compõe a lava jato não passam de deslumbrados com Miami e Disney, como vc, eles  tem sérios problemas cognitivos, provavelmente não percebem que graças ao deslumbramento são usados para colonizar o país e mais uma vez prejudicar nossa soberania, se realmente se tratasse de combate a corrupção jamias teria havido um golpe pra colocar os piores assaltantes no comando do país.

      Só pra lembrar que contra os petistas não há gravações pedindo dinheiro, não há contas em paraisos fiscais, nem aptos com malas de dinheiro. Mas o juíz continua a perseguição implacável contra os petistas, principalmente o Lula que é um troféu para os fascistas de Curitiba.

  6. Historia

    Acho que o almirante Othon poderia escrever um livro, quem sabe com ajuda de um bom jornalista ou escritor (Fernando de Moraes?), contando com detalhes todos esses acontecimentos. Almirante, o senhor tem que deixar no papel que senhor sabe hoje para a Historia e não a versão vendida da Lava Jato e da incrivel imprensa nacional.

    • Exatamente, maria. Excelente

      Exatamente, maria. Excelente ideia: o almirante tem que deixar esse seu testemunho para a posteridade.

      O Fernando de Moraes já declarou que não escreverá mais biografias, porém tenho certeza que neste caso ele abrirá uma exceção. É de extrema importância que a verdade seja restabelecida, e que este país não caia na esparrela dessa corja que hoje comanda a política, a imprensa e, principalmente, o judiciário brasileiros.

  7. O valor do Alm. Othon

    Parabéns ao Dep. Wadih Damous pela iniciativa de entrevistar o Alm. Othon. Apesar de estar visivelmente emocionado, ele deixou o almirante falar e apenas direcionou cronologicamente a entrevista . 

    O valor que o Alm. Othon tem para o Brasil não cabe num contra-cheque. Um cientista nacionalista que se recusa a trair a Pátrica. 

    O comum é encontrarmos gente como os lava-jateiros que por trinta moedinhas seguem as instruções dos E.U. A. e ainda fazem questão de passar por heróis nacionais.  

  8. Caro Almirante Othon eu sinto muito por ter passado por isso

    mas isso é o que acontece em estados de exceção que alçam ao poder do país golpistas, sejam civis ou militares, infelizmente grande parte de nossas forças armadas, que não passam de fracas armadas ainda se ajoelham para o USAG , só não dão golpe militar porque agora não são esses os interessems do país do Norte que descobriu que usar o judiciário e a midia sai muito mais barato…..Minha única esperança nesse momento se chama Lula.

  9. Sobre o Almirante: ele

    Sobre o Almirante: ele próprio admitiu, em entrevista a Mônica Bérgamo no UOL, um negócio com a Construtora de Angra 3, em que recebeu proventos, sob alegação de que de consultoria técnica!… resta, entretanto de confirmações!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome