Após busca e apreensão, Aloysio Nunes pede demissão de cargo

Aloysio Nunes, em seu pedido de demissão, se diz surpreendido pela ação da Polícia Federal

Foto El Pais

Jornal GGN – Aloysio Nunes pediu demissão do cargo de presidente da Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade (Investe SP) após ter sido alvo, nesta terça-feira, dia 19, de mandados de busca e apreensão na 60ª fase da Operação Lava Jato. A demissão foi pedida no mesmo dia e anunciada ao governador João Doria.

Aloysio Nunes foi ministro das Relações Exteriores do governo de Michel Temer. 

O Ministério Público Federal (MPF) investiga, em tal operação, um esquema de lavagem de dinheiro de corrupção praticada pela Odebrecht e por Paulo Preto, o Paulo Vieira de Souza, operador do PSDB, além de três outros operadores, entre os anos de 2007 e 2017.

Segundo o MPF, as investigações dessas transações giram em torno de R$ 130 milhões. O valor correspondia ao saldo de contas controladas por Paulo Preto na Suíça, no início de 2017. De acordo com a Polícia Federal, a Odebrecht bancou campanhas eleitorais, fazendo o pagamento de propina a agentes públicos e políticos no país usando os operadores financeiros.

Aloysio Nunes, em seu pedido de demissão, se diz surpreendido pela ação da Polícia Federal. “Não tive até agora acesso aos autos de inquérito em que sou investigado, mas o fato incontornável é a repercussão negativa desse incidente, que me mortifica a mim e à minha família, e que também pode atingir o governo de Vossa Excelência”, escreveu.

Disse ainda que sua defesa jurídica prestará “irrestrita colaboração com as autoridades para cabal esclarecimentos dos fatos”. Diz ainda que a verdade o beneficiará ao final do processo.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

8 comentários

  1. Esse sujeito fez bem em pedir demissão. Foi uma forma eficaz de saber onde ele estava e onde outros iguais a ele estão: No governo do boneco de plástico,se é que há governo.

  2. Até hoje ninguém explica como o torturador delegado Fleury soube das ligações de Marighella com os frades dominicanos. Era um segredo muito bem guardado, que poucos tinham conhecimento.
    Quem teria sido o delator ?
    Será que Aloysio Nunes Ferreira poderia colaborar ?

  3. Parece que todo mundo esqueceu, inclusive o texto acima, que esse cidadão foi candidato na chapa de Aécio Neves a VICE PRESIDENTE DA REPÚBLICA, em 2014. Era, mesmo, a chapa unha-e-carne…

  4. Não precisa fugir, caro Aloysio. Até o Processo chegar ao Tucanato, o destino natural já terá alcançado a quase todos. Ou a prescrição. Só por este motivo é que prenderam Paulo Preto. E se tudo der errado, nosso Ministro Sérgio Moro já indicou a ‘porta de saída ‘. Para ele, agora, Caixa 2 é um Crime menos grave e com menor relevância. E além de tudo, só será Crime, a partir de agora. Quer dizer,m para quem foi enquadrado anteriormente?!!! Dois pesos e duas medidas? Explique para Nós, caro Presidente-Filósofo : “Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”. – Brilhante como sempre, oh! Intelectual. O Brasil se explica.

  5. Mortificado… Quando era com Lula, esse senhor ao lado do “Ah é sim!”, achava otimo o MPF pedir coercitivas, cercear acesso dos advogados ao processo etc. Agora é com ele. E deve ter pedido demissão a mando do Doriana…

  6. TÁ LIMPO!

    Nassif: por quê você acha que deram pra AluisinOdebrecht aquele posto de chefe da diplomacia? Se não te contaram, anote. Pra limpar a eira. Dele e de todos do bando PSBD/DEM/PPS+detritos_de_maré_baixa. Aquelas viagens, em cada delas uma pá de provas ia pro sextoarquivo. Parava um pouquinho no palacete do Príncipe de Paris, o da Av. Foch. Pegava instruções e caia no mundo. Você acha que vão topar nalgum rastro? Só de bagrinhos, como PauloMoreninho, deixado à beira do Rodoanel. Prá esse, bem feito. Quem manda pesar mais de 3,5 arrobas?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome