Auditor e empresário acusados de fraudes no Carf são presos pela Polícia Federal

carf.jpeg
 
Foto: Reprodução
 
Jornal GGN – Na manhã desta terça-feira (26), a Polícia Federal prendeu Eduardo Cerqueira Leite, auditor da Receita Federal, e o empresário Mário Pagnozzi, investigados na Operação Zelotres e acusados de fazer parte de fraudes nas decisões do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf).
 
Nesta semana, a Justiça Federal aceitou denúncia contra 11 pessoas que se tornaram réus no mesmo processo, incluindo Walcris Rosito, ex-diretor jurídico do BankBoston. Leite e Pagnozzi são os únicos presos preventivamente. 
 
O Ministério Público Federal (MPF) afirma que o esquema envolvia o pagamento de propinas para reduzir ou até mesmo cancelar multas aplicadas ao BankBoston. A denúncia afirma que, em um dos casos, um autuação da Receita foi reduzida em 70%, causando um prejuízo de R$ 509 milhões para União. 

 
Os procuradores sustentam que os consultores, advogados e lobistas receberam indevidamente mais de R$ 25,8 milhões para ajudar o BankBoston.  Entre as acusações, estão crimes de corrupção, gestão fraudulenta, lavagem de dinheiro, apropriação de dinheiro de instituição financeira e organização criminosa. 
 
Segundo a denúncia, Leite e os conselheiros do Carf eram pagos através de microempresas. O suposto suborno estaria relacionado com dois procedimentos fiscais abertos pela Receita Federal por suposto não recolhimento de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica e CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, que cobravam R$ 597 milhões do banco. 
 
Na autorização para as prisões preventivas, o juiz Vallisney Oliveira, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, afirmou que tanto o empresário quanto o auditor representam risco à ordem pública e à própria instrução do processo.
 
Oliveira também disse que, em liberdade, os acusados “continuarão movimentando valores desconhecidos das autoridades, fazendo investimentos em nome de familiares e terceiros, além da possibilidade de poderem pressionar ou contatar os demais réus”.
 
Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome