Ciro Gomes vira réu por chamar Bolsonaro de “moralista de goela”

Durante uma entrevista no ano passado, o político acusou Bolsonaro de fazer lavagem de dinheiro com o depósito de R$ 200 mil da JBS

Jornal GGN – Ciro Gomes (PDT) tornou-se réu por chamar o atual mandatário de “moralista de goela”. A decisão é do juiz Richard Francisco Chequini, da 20ª Vara Criminal da Comarca de São Paulo, que aceitou a denúncia de Jair Bolsonaro contra Ciro.

A declaração do ex-governador do Ceará foi feita durante uma entrevista à rádio Jovem Pan, no ano passado, quando comentou a doação de R$ 200 mil da JBS ao PP, então partido de Jair Bolsonaro:

“Eu, se estou indignado, o cara depositou na minha conta sem a minha autorização, eu devolvo para ele, e mando ele pastar, para não dizer aquela outra frase que termina no monossílabo tônico. Não, o que ele [Bolsonaro] faz? Ele devolve para o partido, que na mesma data entrega R$ 200 mil pra ele. O nome disso é lavagem de dinheiro. Simples assim”, havia dito, na ocasião.

Para Bolsonaro, houve a intenção de magoar e feri-lo, o que configuraria crime de calúnia. Na mesma entrevista, Bolsonaro também sustenta que houve injúria quando Ciro o chamou de “moralista de goela”.

De acordo com a decisão do magistrado, Ciro passa a ser processado pela ofensa. Em nota, o ex-governador disse que acredita que Justiça será feita e que diversas pessoas que o processaram hoje estão presos por investigações e envolvimentos em crimes diversos:

“A assessoria de comunicação de Ciro Gomes informa que o presidente Jair Bolsonaro se une a Eduardo Cunha, que o processou e logo em seguida foi preso; Michel Temer, que o processou e hoje está preso; José Serra, que o processou e hoje responde a diversos processos junto com Paulo Preto, que está preso, além de Eunício Oliveira, investigado pela Lava Jato.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora