Comentário ao post Xadrez do caso Cancellier e da marcha não interrompida para a ditadura, por Luis Nassif, por antonio cesar perin

“A direita tai para namorar com o Nazismo, daí que o PT tem que ser esperto”, diz comentarista, citando Sun Tzu

Comentário ao post Xadrez do caso Cancellier e da marcha não interrompida para a ditadura, por Luis Nassif

Por antonio cesar perin

Vamos aos fatos:: A direita tai para namorar com o NAZISMO……………………………………………………….

Dai que o PT tem que ser esperto

Livro A Arte da Guerra -Sun Tzu – e um pouco de Maquiavel

“Triunfam aqueles que sabem quando lutar e quando não”.

A obra, A Arte da Guerra apesar de ter dois séculos e meio de existência, se mantém com muita lógica no cenário atual, com estratégias que parecem ter sido intactas durante estes séculos.

O recado que Sun Tzu deixa é que devemos estar sempre preparados para qualquer batalha, mesmo quando não a desejamos, o que assinala a importância de sempre usarmos características competitivas mesmo que nossa meta não seja a eliminação de um adversário.

O ideal é conhecer o inimigo, mas acima de tudo a si mesmo, pois conhecendo a si mesmo e não o inimigo também há chances de vitórias.

Conhecendo o inimigo como conhece a si mesmo, a vitória nunca estará em perigo, conheça o terreno, conheça o clima, assim a vitória será total.

Sun Tzu disse que o General que vence a guerra é aquele que faz muitos cálculos antes da batalha acontecer. Ou seja, aquele que tem o maior nível de planejamento vence.

Analisando a obra e trazendo para passagem do PT na Presidência, veremos que o MANUAL DA ARTE DA GUERRA jamais foi lida por ninguém da ESQUERDA e Maquiavel também jamais foi lido.

Vejamos:

01-Em seu primeiro capítulo, A Arte da Guerra, o autor aborda a análise inicial da necessidade da guerra, uma vez que a mesma deve ser sempre evitada, sendo apenas uma forma de resolução de conflitos de última instância. Sendo necessária, a guerra deve ser cuidadosamente planejada, e para isso exige-se um extenso estudo de todos os fatores a serem destrinchados.

Lula evitou a Guerra, precisou entrar em pequenas escaramuças. Saiu desse proceso (sic) passando o comando a um General operativo de logística e pouco politico: Dilma, com conhecimento de POUCAS táticas. Na qual passou a usar oficiais com baixa capacidade de combate: Jose Eduardo Cardozo, Mercadante etc..

02-Em seu segundo capítulo, o autor entra no âmbito do ato da guerra em si, que segue em sequência no terceiro capítulo onde o autor aborda uma lógica conhecida de que a melhor e estratégia de defesa é o ataque

O PT era um Exército sem comando não fez guerra, foi arrastado para a GUERRA… Sendo acossado não reagiu: abriu flancos entrando oficiais em nome da PAZ… Fazendo acordos constantes…

03-Nos dois capítulos seguintes, Sun Tzu examina as qualidades necessárias para o enfretamento direto e toda a energia desprovida para as movimentações de tropas, tanto a nível psicológico quanto material.

O inimigo atacou o lado fraco, vulnerável aquilo que era considerado virtude: a CORRUPÇÃO. Isso afetou o psicológico das tropas… A comunicação não funcionava. As tropas e a população eram informadas pelos inimigos. Os soldados (militantes) distantes foram jogados aos Leões, nada era repassado… Os soldados remunerados ( vereadores, deputados, etc…) brecaram, não se moviam..

04- Os demais capítulos entram em um estudo esmiuçado das estratégias de enfretamento, onde os cálculos de ação, de tempo e de tropas devem ser considerados a todo o momento. A guerra, para Sun Tzu, não pode ser muito prolongada, pois desgasta as tropas e dá brecha a levantes contrários ao chefe da missão.

Não há exército que aguente um ataque longo e prolongado. Uma batalha sem fim com concessões constantes; perdas de oficiais, de soldados e facções inteiras saindo e se dispersando… 14 anos de Governo, sem estratégia de defesa e nenhuma estratégia de contra ataque.

Tentar apaziguar o adversário, “ganhar tempo”, são procedimentos arriscados porque, a qualquer momento, o adversário pode romper a trégua e assumir a ofensiva.

Assim, é preferível preparar-se por antecipação, escolher o melhor momento, municiar-se dos elementos necessários para vencer e, na ocasião certa tomar a iniciativa e assumir a ofensiva.

05-As nove variáveis citadas pelo autor abrangem a necessidade de adaptação e relativização que um mestre de guerra deve ter ao conhecer sua tropa: o terreno, suas armas, o tempo, o inimigo bem como o momento certo de atuação.

O PT e o Lula confiaram que tudo estava em paz, aglutinando mais gente a sua tropa. O espaço geográfico estava ocupado mas não domesticado..Houve relaxamento geral: não capacitação dos soldados( militantes), péssima formação, oficiais remunerados inimigos e principalmente ausência de conhecimentos dos inimigos.

Sobretudo acordos deletérios que solaparam a estrutura por dentro:

– Lei de acordo de delação premiada

– Lei antiterrorismo que atingiram a própria população

– Indicações de postos chaves da estrutura para inimigos ( membros do STF)

Virtù é um conceito introduzido por Maquiavel para retratar a importância dos soldados serem recrutados entre homens de princípios nacionalistas para não se deixar o exército a mercê de mercenários 4 . Sobre estes diz: “[…] não há infantaria mais perigosa do que a composta de mercenários – o príncipe será obrigado a fazer continuamente a guerra, mantendo-os a soldo, ou correrá o risco de que o apeiem do trono”.

“Proteger-nos contra a derrota está em nossas mãos, mas a oportunidade de derrotar o inimigo é proporcionada pelo próprio inimigo.”

06- Por último, o autor releva a importância específica da utilização de agentes infiltrados, que possam informar suas tropas sobre o inimigo, seus planos, pontos fortes e fracos.

Romantismo republicano. Desconhecer que o Exército que você comanda desconhece completamente quais são seus adversários e colocam inimigos e agentes relapsos. Temer, Procurador geral da Republica…

Quem na guerra observar com maior vigilância as intenções do inimigo e mais exercitar seu exército, correrá menos perigos, e terá maior probabilidade de vitória.

“A defesa é para tempos de escassez, o ataque para tempos de abundância”,

Segundo Maquiavel, o político lúcido deve ser capaz de prever, com a devida antecipação, aquelas situações de conflito que, mais cedo ou mais tarde, eclodirão como guerras.

Com relação às guerras híbridas estamos vendo que falta faz ter um sistema de inteligência política na esquerda.

https://youtu.be/5QNRUzTc1e8

Clique aqui e contribua para que o jornalismo do jornal GGN seja cada vez melhor

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

João Ferreira Bastos

- 2021-12-06 15:52:11

O PT não aprendeu nada. O namastê continua dominando

baader

- 2021-12-06 08:02:54

Franklin Martins disse ontem por aí q batalha na esquerda é coletiva, enqto.direita usa da individualidade. ele parece dizer q até lá (2022) haverá reconhecimento/mobilização dos beneficiados pelas políticas públicas do PT rumo à eleição de Lula. SERÀ? processo Cambridge Analytica - "supermicroindividualização" na comunicação - vem sendo procurado desde os 80 ("O século do eu" - Adam Curtis). Guerra hibrida vem desde os 50: golpe na Guatemala (no mesmo documentário) via CIA durou 4 anos até a vitória do império ("old fake news") em 1954, ano da chegada de Stroessner e fim de Vargas. depois da eleição do miliciano, coisa impensável p/nós ("ele será vencido nos debates" só q não houve debate e sim uma facada inventada pelos mesmos milicos das bombas nas bancas revista e do riocentro - sao capazes de tudo), nada nos garante a volta ao leito da civilização ano q vem, SIMPLESMENTE pq não há qq PROCESSO INSTITUINTE ocorrendo na sociedade, não há qq mobilização efetiva/espontânea/generalizada, não há qq reconhecimento, não há comunicação efetiva e principalmente não houve educação política desde q baniram PAULO FREIRE. no lugar ficou uma completa incapacidade de uma enorme parte da pop q vota nessas peças q estão nos parlamentos e executivos dos três níveis país afora. o que aconteceu na sociedade BR nos anos 80 e q nos levou à constituinte talvez volte numa nova "onda progressista", supõe-se (é da vida), mas nada no horizonte parece mostrar isso para breve. foram muitos anos perdidos e tantas oportunidades desperdiçadas pela sociedade bras., no mínimo desde 1964. eles têm o controle dos processos e nós não temos hoje combatentes à altura do desafio colocado (a esquerda se acostumou com ar condicionado e cargos e salários e assessores e etc). por enquanto os nobres movimentos como MST não são um exército. uma reação exigiria caráter das instituições/organizações/agentes. somos uma nação sem caráter! CUIDEMOS pois já anunciaram o agente do imperialismo e o q vemos algures são desdéns qto. ao potencial desta candidatura. é desolador.

Edivaldo Dias de Oliveira

- 2021-12-05 13:41:57

https://www.bing.com/search?q=qual+a+idade+de+A+arte+da+guerra&cvid=304689eaa5c443e8be8ed4da3bce6aaa&aqs=edge..69i57.8527j0j1&pglt=43&FORM=ANNTA1&PC=U531 A Arte da Guerra, é um tratado militar escrito durante o século IV a.C. pelo estrategista conhecido como Sun Tzu. O tratado é composto por treze capítulos, cada qual abordando um aspecto da estratégia de guerra, de modo a compor um panorama de todos os eventos e estratégias que devem ser abordados em um combate racional. Acredita-se que o livro tenha sido usado por diversos estrategistas militares através da história como Napoleão, Zhuge Liang, Cao Cao, Takeda Shingen, Vo Nguyen Giap e Mao Tse Tung.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador