Conselhos de Moro à Petrobras não são aceitáveis, diz defesa de Lula

Foto: Agência Brasil
 
 
Jornal GGN – “Em nenhum lugar do mundo seria aceitável que o juiz da causa fosse visitar uma parte para dar conselhos jurídicos a ela.” Foi esse o comentário que a defesa de Lula enviou à imprensa, na tarde desta sexta (8), após Sergio Moro participar de um evento na Petrobras e ainda dar dicas de como a estatal deve combater a corrupção internamente.
 
Em nota, a defesa de Lula disse que a Petrobras “se habilitou como parte interessada nas ações penais que tramitam na Justiça de Curitiba” e algumas dessas ações “estão pendentes de julgamento, inclusive envolvendo o ex-presidente Lula.”
 
“O discurso feito hoje pelo juiz Sérgio Moro na sede da Petrobras por si só compromete a aparência de imparcialidade e pode motivar o reconhecimento da sua suspeição”, disparou a banca formada por Cristiano Zanin, entre outros advogados.
 
Moro disse à cúpula da Petrobras que ela deveria monitorar permanentemente a qualidade de vida dos funcionários, principalmente dos diretores, para averiguar possíveis casos de enriquecimento ilícito. Além disso, sugeriu a oferta de dinheiro a quem denunciar supostos casos de corrupção.
 
No mesmo evento, Moro disse que não debate publicamente com condenados, em uma provocação a Lula. Antes disso, o ex-presidente havia dito, em passagem pelo Rio de Janeiro, que a Lava Jato destruiu projetos da Petrobras e tirou emprego de milhares de trabalhadores.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora