Esqueça a Justiça, Lula: está tudo dominado, é jogo de cartas marcadas, por Ricardo Kotscho

do Balaio do Kotscho

Esqueça a Justiça, Lula: está tudo dominado, é jogo de cartas marcadas

por Ricardo Kotscho

Estava na pauta da terça-feira, dia 26, o julgamento na Segunda Turma do STF do recurso que pede a libertação do ex-presidente Lula.

Na sexta-feira, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, resolveu tirar o assunto da pauta, cancelar o julgamento e arquivar o caso, depois de receber a decisão do TRF-4 que negou provimento ao recurso.

Levou apenas 45 minutos para tomar a decisão.

Deve ter sido um recorde na corte conhecida por levar séculos para julgar políticos que não sejam do PT.

Era tudo jogo combinado, as cartas já estavam marcadas.

Nomeado por Dilma Rousseff depois de intensa campanha para ser aprovado pelo Senado, o ministro Fachin é muito próximo de juízes do TRF-4, onde fez carreira no direito, como informou o Painel da Folha.

Na mesma tarde, um ministro do STF apostou que “havia maioria já firmada na Segunda Turma para transferir Lula da carceragem da PF para prisão domiciliar”, relatou o Painel.

Na véspera, a presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann tinha sido inocentada de acusações que recebeu quatro anos atrás.

Animado pela decisão, o partido estava mobilizando militantes para uma manifestação em frente ao tribunal na terça-feira.

Diante da fulminante decisão de Fachin, advogados de Lula se desentenderam sobre os próximos passos, e o destino de Lula estava selado.

Como estava decidido desde o início da Lava Jato, no ano eleitoral de 2014 em que Dilma foi reeleita, Lula ficava definitivamente fora da disputa de 2018.

Era este o objetivo e foi cumprido à risca pela 13{ Vara Federal de Sergio Moro em Curitiba, com a anuência do TRF-4 e dos tribunais superiores que lhe negaram todos os recursos.

Nem a ONU nem o Vaticano poderão reverter esse quadro, embora Lula continue liderando com folga todas as pesquisas presidenciais.

Desde a prisão de Lula, há dois meses e meio, a famosa militância do PT se recolheu, ficando confinada em frente ao presídio da PF, cada vez com menos gente.

Sem nenhuma reação nas ruas, o ex-presidente continuava acreditando que a Justiça era mesmo igual para todos e que, em algum momento, poderia ser libertado.

Um a um os recursos da defesa foram sendo negados, a presidente do STF, Carmén Lúcia, cumpriu seu papel de não colocar em pauta a revisão da prisão após condenação em segunda instância, e o tempo foi passando, como se tudo isso fosse a coisa mais natural do mundo numa democracia.

O cenário eleitoral de 2018, como várias vezes previ aqui, foi definido pelo Judiciário. Nele não havia lugar para Lula.

E a 105 dias da eleição, o amplo esquema político-jurídico-midiático que derrubou Dilma num golpe parlamentar e afastou Lula por conta da reforma de um triplex no Guarujá continua sem candidato viável, mas isto não estava previsto no roteiro. Algo deu errado.

Vamos votar no escuro, com a maioria dos eleitores até hoje sem ter em quem votar. O candidato “Ninguém” continua liderando as pesquisas sem Lula.

Bom domingo.

Vida que segue.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

18 comentários

  1. Como é amargo aceitar a

    Como é amargo aceitar a realidade quando ela se constrói com mentiras, difamações e muita injustiça,muita. Mas, infelizmente, o Kotscho está correto. Depois disto tudo, só levante popular. Mas quem diz que o passivo povo do brasil sabe o que é isso?

  2. E esse levante do povo não

    E esse levante do povo não precisava ser homérico não, pois a turma que manda na justiça é um bando de covardes que se ouvir uma batida de pé no chão mais forte se borra toda – tipo Benta Carneira e o Borroso. Mas o PT adotou deste o impeachment de Dilma essa maluquice de querer que justiça seja aplicada quando os que mandam na justiça deixam claro que isso não ocorrerá. É caso pra Freud tentar explciar. 

  3. Existe um agente financiador
    Existe um agente financiador geral do golpe e em organizador.
    Ninguém me desfaz a ideia de quem faz o meio de campo são os Marinhos. Eles é quem fazem as armações.

  4. Bem, como não vai haver

    Bem, como não vai haver nenhum tipo de “levante popular”, pois, parece o povo está satisfeito com o que está ocorrendo, acho que prá literalmente acabar com o país, vamos votar no bosalnaro. Parece que é isso que a elite(??) e o judiciário(?????) está querendo. Pobre país, melhor dizendo, pobre povo(???). País é MARAVILHOSO, logo, logo,  alguém nos coloniza oficialmente.

  5. O autor tem toda razão.
    Mas
    O autor tem toda razão.
    Mas acho que o ex-presidente e o PT acertaram em buscar as saídas institucionais.
    Lula provou, através de sua defesa, que a justiça tem lado e esse lado não está com a Lei e a Constituição. De outra forma, diriam, deveria ter sido buscados os canais competentes institucionais. Mas estes lhe foi negado.
    Hoje, o ex-presidente tem toda a legitimidade para tomar quaisquer atitudes, legais ou não, para resgatar a sua honra e, seu partido, por consequência, de propor quaisquer ações que lhe convier nesta direção, estendida aos cidadãos progressistas do país, pois alternativas dentro da Lei não lhes restaram.
    Mas, conhecendo Lula como conhecemos, difícil esperar ações fora da democracia. Até que isto lhe custe a liberdade.

  6. O fato é que Lula venceu a

    O fato é que Lula venceu a mídia e o judiciário. A versão que fica para a história é de uma conspiração que envolveu a mídia, a elite econômica, o judiciário e a classe média tradicional contra um governo popular. O Brasil continuará sem governo e o jogo continuará a partir de 2019, sem um governo representativo. Lula continuará na pista. O jogo não acaba.

  7. O jogo está sendo jogado

    O Lula é um exímio estrategista político. Na hora certa ele, e seus advogados, saberão o que fazer. Se em último caso ele entender que deve ser substituído por outro nome – que não seja Ciro Gomes: É preferível o país passar pela tragédia Brontossauro. Quem sabe como a Fênix, o Brasil possa renascer das cinzas.

     

    • Esquece…
      Ciro Gomes será seu próximo presidente, filho… Eu mesmo, assim como diversos conhecidos meus, votamos no PT para todos os cargos eletivos desde 1989… Agora votamos 12 (Ciro) sem pestanejar… Chega da política “paz e amor” de seu Lula… Agora é CIRO GOMES neles !!!

      • Sintomático que o “cirista”

        Sintomático que o “cirista” use nome ou pseudonimo anglo saxão. Mera coincidência ou indicação de que o nanico Ciro Gomes é o candidato da potência do Norte? Afinal, estudou em Harvard, onde seu guru é professor. A mesma Harvard de Sérgio Moro e Dallagnol.

      • Nem que o Lula implore

        O Ciro ao se aliar ao PFL/DEM e PP, no primeiro turno, assume um programa de governo consensual com os dois partidos mais conservadores, e corruptos da história da República. Além da aliança histórica com os coronéis da família Jereissati. Até recentemente eu – e “meus conhecidos”, admitíamos a possibilidade de votar no Ciro se o Lula/PT pedissem. Hoje não votamos nem que o Lula implore.

         

         

  8. Jornalista, por favor! Será

    Jornalista, por favor! Será que o Presidente Lula acredita na Justiça, ou na política? Não fosse isso, já estaria solto, como alguns ministros até já verbalizaram. que assim aconteceria, caso desistisse de sua candidatura à Presidência, aceitasse essa chantagem e abandonasse seu caminho de liderança, quebrando a confiança dos que em todas as pesquisas têm colocado seu nome como o vencedor do pleito. Lula sabe muito bem desse “ninguém”, que tentam que se candidate para ganhar as eleições e dar continuidade à ditadura que estamos vivendo. Esse o nó que terá de ser desatado, não pela oposição, mas pelos golpistas, que estão enfrentando dificuldades no caminho deletério que escolheram.  Como mesmo diz, em menos de 105 dias estaremos sabendo. Até lá, poderá acontecer de tudo, inclusive o descrédito dos caminhos escolhidos para enfrentamento. Da parte de Lula, muito pouco além da resistência e dos apoios que possa receber. Do comando do golpe, o Judiciário, só um caminho: ou, se tiver meios para tanto, aprofunda a ditadura e impede a realização das eleições para presidente, mas nesse caso o nó continua ainda mais apertado, ou abandona o caminho ilegal que segue, deixa a questão por conta dos políticos, e lava às mãos, tentando sair de fininho, que tem maiores chances de  desatar o nó criado, abrindo caminhos à frente.  Em qualquer embate, o principal é preservar uma porta de saída. Lula livre pode ser a chave dessa porta.

  9. Panelas importadas anti-Lula, é o vale tudo!
    Nassif, o comentário de nosso colega Kotscho pode estar prenunciando alguma novidade positiva nesse quadro desalentador deste ano eleitoral em que o principal candidato à presidência é mantido encarcerado: Lula sempre venceu jogos com cartas marcadas e injustiças flagrantes na maior parte das eleições que disputou. A exceção mais marcante foi a eleição de 1989, quando foi derrotado por Collor, depois que este o acusou de comunista e trouxe a ex-mulher Mirian Cordeiro para acusa-lo de racista e pai desnaturado que queria que ela abortasse a filha que tiveram, culminando com o sequestro do dono do Pão de Açúcar à véspera do pleito por seqüestradores vestidos com camisetas do PT – tudo isso sob intenso bombardeio da mídia golpista, acusando-o de pretender fazer o que Collor fez depois de eleito, qual seja o confisco das aplicações financeiras ou cadernetas de poupança populares. Neste 2018, Lula voltou à prisão política (igual àquela a que o general Figueiredo o havia condenado em 1980, quando passou mais de um mês na cela do Deops/SP e, condenado à pena de 3,5 anos por “incitação à desordem coletiva”, acabou absolvido no ano seguinte, logo depois de concorrer e perder a eleição para o Governo paulista, por absoluta falta de provas). Além de estar preso em Curitiba, sofre uma perseguição judicial e midiática gigantesca, que inclui até uma campanha do mesmo supermercado do pleito de 89, vendendo com muitos descontos a arma que precipitou o impeachment de Dilma em 2014, agora sob a forma de uma coleção de panelas importadas e com fundo triplo resistente à batidas ou panelaços, caçaroladas e frigideiradas anti-lulistas. Contudo, conforme as pesquisas demonstram, o povo ignora a perseguição do Judiciário e do PIG, pois em outubro vindouro elegeria à revelia de ambos esse ex-metalúrgico como elegeu em 2002, em 2006, em 2010 e em 2014. Motivo? Apesar de entregar os ministérios à coalizão partidária que acabaria aprovando o golpe, Lula e Dilma conseguiram movimentar 60 milhões de pessoas da miséria e más condições de vida para patamares mais humanos de existência, em nome do combate às desigualdades sociais. Tal combate supera quaisquer cartas marcadas, principalmente quando essas desigualdades retornam e começam a atingir a saúde pública: como o comentário “TRF3 reverte decisão que limitou reajuste de planos de saúde a 5,72%” evidencia, o Judiciário acaba de autorizar um reajuste de 10% (quase quatro vezes a mais que a inflação de 2,8%) nos planos de saúde privados, depois de permitir o congelamento das verbas do SUS pelos próximos 20 anos, o que equivale a suprimir os artigos 196, 197 e 198 da Constituição de 1988, que estabeleceram o direito à saúde universal e gratuíta para todos brasileiros. A medida beneficia as 458 empresas privadas que comercializam planos individuais de saúde no país, atingindo em cheio o segmento populacional que mais cresce no Brasil, o dos idosos (que passou de 7,5% em 1970 para 39,7% em 2016), que com suas doenças crônico-degenerativas somadas aos acidentes e violencia são os que mais necessitam de cuidados médicos e remédios gratuitos. Como o reajuste incidirá em despesas retroativas feitas nesses planos, seus usuários terão de desembolsar até 20% a mais para quitá-los até a véspera do primeiro turno eleitoral, o que poderá refrear a tendência de votos em candidatos que não sejam Lula e seus indicados. Ou aumentar exponencialmente os votos nulos ou em branco, fragilizando a própria legitimidade de um pleito sem Lula na disputa. Por tudo isto, mais cedo ou mais tarde a população saberá como eliminar as cartas marcadas, bastando um simples referendo para eliminar ou limpar órgãos que não funcionam, como o CNJ, além dos penduricalhos e outros privilégios que desfiguram a Justiça brasileira e seu parcialismo e partidarismo escancarados. Até lá, agonia que segue, querido Ricardinho.

  10. Tirar o recurso do Lula de pauta é um despautério

    Ora, é justamente pelo fato do TRF-4 ter negado provimento ao recurso que o $TF deveria julgar e não arquivar o recurso do Lula.

    Esse Fachin é bosta pura.

    • Ciro Gomes?

      Aquele que muda mais de direção que biruta de aeroporto?

      Aquele que está preparando plano de governo com DEM, PR e outros assemelhados?

      Só rindo.. rsrsrsrsr

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome